Dia Internacional da Filosofia

Este slideshow necessita de JavaScript.

Celebrou-se, no dia 17 de novembro, o Dia Internacional da Filosofia no AEVH.

Esta data foi comemorada com algumas atividades, das quais destacamos uma exposição subordinada ao tema: Mulheres Protagonistas da História – exemplos do papel positivo e de alto relevo histórico desempenhado pelas mulheres ao longo dos tempos.

Foi também projetado o filme “O Apedrejamento de Soraya M”, seguido de debate sobre o problema da violação dos Direitos Humanos, em particular dos direitos das mulheres em algumas partes do mundo e, quiçá, entre nós.

Professor Sebastião Pimenta

Filosofia para Crianças: “Quando eu nasci…”

P5070005

(Clica aqui para veres as restantes fotos.)

Porque hoje foi dia de mais uma sessão em comunidade filosófica, pensou-se a questão do nascimento. Não a explicação do nascimento às criancinhas como o leitor deve estar neste momento a pensar, mas o nascimento no seu sentido filosófico, veremos até onde ele nos leva.

Na barriga da mãe era tudo muito escuro, uma escuridão imensa e quando eu nasci era tudo novo, tudo por estrear, e assim começou o despoletar do nosso diálogo filosófico com a leitura deste conto de Isabel Minhós Martins, conforme o título indica.

– “ Quando não nascemos não vimos nada”. V.

– “ Na barriga não há nada.” P.

– “Antes de nascer nem sabíamos o que era bolo de chocolate!” B.

– “E também não sabíamos nada do planeta e do país.” M.

– “ Será que quando nascemos ficamos a saber tudo?” M.

– “Não, não sabemos, porque os adultos não sabem tudo. Há uns que não sabem fazer o jantar.” R.

– “Quando nascemos conhecemos pessoas, animais, o sol, as nuvens … o mundo.” G.

– “E isso é importante porque ficamos a saber as coisas.” G.C.

Resta agora saber como? Como se dá o conhecimento? Quando nascemos, somos lançados a um mundo que se dá a conhecer e desvendamos paulatinamente uma rede de significações.

Mas afinal o que é conhecer? E o que é necessário para haver conhecimento? E que tipo de conhecimento? Estas questões ficam para a próxima sessão.

E assim se fez em comunidade filosófica um percurso da maravilhosa descoberta do bolo de chocolate à consciência social sobre o que se passa no país.

Até à próxima, com doces pensamentos e sempre a aprender com a simplicidade e o que tem de genuíno a visão destes pequenos grandes pensadores.

Porque as coisas simples são assim …

Prof. Renata Sequeira

Em Abril, ideias mil: “O lado profundo de um douradinho”

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

(Clica na foto para veres a reportagem completa.)

Regressados das férias da Páscoa e com as ideias a fervilhar, hoje o tema da conversa filosófica partiu de um douradinho, um peixe de plástico, uma maçã e um boião de fruta. Sim, porque nem tudo o que parece é, e se há coisas difíceis de desvendar é a verdade.

– “Parece peixe, mas não é.” P.S.

– “Não é maçã por fora, mas é por dentro.” G.M.

– “Há coisas que são e outras não.” M.

– “Lá dentro do douradinho é peixe.” B.

– “Tem forma de peixe mas não é peixe.” V.

– “Porquê?” R. S.

– “Porque não é verdadeiro.” L.

– “E como sabemos a verdade de uma coisa?” R. S.

– “Isso é um mistério”. P

E assim caminhámos do douradinho para a realidade profunda, a que não muda consoante os olhares e as circunstâncias. A que se dá a conhecer na gestualidade do ser e que é percetível ao olhar destas crianças da forma mais autêntica.

Eu, deixei-me tocar pela genuinidade da vivência destas crianças e mais uma vez saí surpreendida e orgulhosa pela sua capacidade de dialogar filosoficamente. O meu espanto tem sido infindável. E quanto ao mistério da Verdade, este apesar de complexo não mete medo a esta comunidade, prontos para questionar, pensar em conjunto, voltaremos a grandes descobertas: Saberemos, realmente, o que uma coisa ou pessoa é? Como posso saber verdadeiramente?

Até à próxima, e em que muito temos a aprender com estes pequenos grandes pensadores.

Prof. Renata Sequeira

Filosofia sem Máscaras

2015-02-12 11.11.20

“Somos todos personagens de um teatro, usando máscaras que nos escondem a essência.” Nietzsche

Mais uma quinta-feira em que levo a filosofia às crianças e as crianças a filosofar.Desta vez, entraram todos na sala dispostos a tratar sem máscaras, nem disfarces o tema do Carnaval.

Conversaram sobre máscaras, as de Carnaval, do teatro e aquelas que as pessoas põem no dia-a-dia.

Afinal: O que podemos pensar sobre máscaras? O porquê das máscaras? Em que momentos usamos? O que fica de nós nas máscaras?

“ Isso acontece, várias pessoas fazem isso – estão tristes, mas põem uma máscara e fingem que estão contentes.”(R.)

-“Dizem ter outro sentimento.”(M.)

– “As máscaras não servem só para esconder o que sentimos, mas para nos divertirmos.”(G.)

-“ Com a máscara não somos nós próprios.”(J.)

– “Vou fazer uma cara. Isto é a máscara do que eu penso.”(L.)

As máscaras que usamos são as maneiras como a nossa personalidade se apresenta ao meio onde convive e para o mundo no qual existe e se relaciona. Elas são o ponto mediador entre a nossa essência, interioridade (alma) e a nossa exterioridade (persona).

Entretanto, o tempo estava no fim e já fazia falta um bom almoço.

 

Voltamos em Março, para mais conversas com Gente Grande.

Prof. Renata Sequeira

Filosofia com Crianças

DSC07304
Clica na foto para veres a reportagem fotográfica completa.

Hoje foi assim o nosso dia:

“Três maçãs e a possibilidade de fazer filosofia com crianças”

“O entendimento não deve aprender pensamentos, mas a pensar. Deve ser conduzido (…), mas não levado em ombros, de maneira que no futuro seja capaz de caminhar por si sem tropeçar.” Kant

Filosofia para Crianças ou Filosofia com Crianças? Na verdade esta problemática parece-me menor, apenas importante como tomada de consciência daquilo que é ou deverá ser a prática filosófica com crianças.

Por um lado, Filosofia para…, na medida em que adaptamos o desenvolvimento de competências filosóficas especificamente para as crianças, em analogia ao desejavelmente feito em Filosofia enquanto disciplina do Ensino Secundário. Por outro, Filosofia com…, pressupõe a criação de uma Comunidade de Investigação em que as crianças são coautoras da sua própria aprendizagem e investigação filosóficas, tal como propôs Lipman.

Uma das funções do professor de Filosofia (e não apenas do professor de Filosofia com Crianças) é a de ajudar os seus alunos a despertar a mente e a abrir-se para toda a fascinante complexidade do real que nos rodeia. Como escreveu Nietzsche, “o nosso espanto será infindável desde que tenhamos olhos para esta maravilha”. Quem quiser fazer Filosofia com Crianças e filosofia em geral terá de ter isto em conta. Sem essa atitude infantil de maravilhamento com aquilo que nos rodeia não haverá filosofia nem filosofar porque na verdade não haverá nada sobre o que filosofar. Querer filosofar é uma primeira condição essencial para se filosofar, e muito do nosso esforço enquanto professores (ou facilitadores) de FcC (Filosofia com crianças) passa, exatamente, por procurar desenvolver estratégias e exercícios que motivem as crianças a querer pensar.

O exercício que a seguir descrevo foi realizado numa turma do pré–escolar com um grupo de cerca de vinte alunos entre os 3 e 5 anos de idade.

A sessão de FcC começa, como habitual, com as crianças sentadas em círculo esperando pelas indicações do moderador. Desta vez tínhamos alguns adereços no meio do nosso círculo: três pratos: um vazio e duas maçãs. Em cima de dois dos pratos estavam duas maçãs (uma de plástico e uma verdadeira) e o terceiro prato estava vazio para a maçã imaginada e desenhada por eles. Aos alunos foi dito que não podiam tocar nas maçãs nem nos pratos.

Depois de 2 minutos em que os alunos puderam conversar e refletir em pequenos grupos deu-se início ao diálogo entre todos.

Objetivo: O ser e a aparência e encontrar os critérios de “realidade”.

Para alguém ser capaz de investigar racionalmente um problema filosófico deverá ser capaz de utilizar, entre outras, as seguintes ferramentas cognitivas: especular (avançar teorias, hipóteses e princípios, refletir, debater ideias, relacionar teorias e conceitos, defender ideias com razões, clarificar as suas ideias com exemplos, analisar conceitos, avançar contraexemplos, problematizar e usar terminologia adequada.

– A maçã da esquerda é verdadeira porque tem pintas. (Guilherme C.)

– Mas se pintarmos umas pintas na maçã de brincar, ela não deixa de ser a fingir. (Lara)

-A maçã da esquerda é uma maçã, a outra parece mas não é mesmo. ( Rita)

– A maçã da esquerda é verdadeira porque dá para descascar. (Guilherme M.)

-Como sabes se dá para descascar, não podes tocar? (Maria)

– Para mim, a maçã do prato vazio não existe porque não a vemos.(José)

– Mas ela existe na nossa cabeça. ( Rita)

-Existe alguma coisa que não vemos mas que é real? (Vera)

– Os micróbios existem e não vimos e depois ficamos doentes.(Simão)

Com o relato destas intervenções dos alunos do pré-escolar num Diálogo Filosófico procurei demonstrar que crianças muito novas (entre os 3 e os 5 anos) têm capacidade de investigar filosoficamente um assunto usando algumas das ferramentas mais básicas de investigação filosófica.

Neste pequeno texto procurei ilustrar com exemplos retirados de uma sessão de FcC a forma como crianças são efetivamente capazes de fazer uso destas ferramentas filosóficas e como são capazes de, mesmo que de uma forma ainda muito embrionária no caso das crianças mais novas, pensar e dialogar filosoficamente uns com os outros.

Agora compete-nos a nós, pais, professores e educadores, permitir e ajudar os nossos filhos e alunos a desenvolver não apenas as capacidades cognitivas que referimos mas também as “atitudes dialogantes” necessárias para que essas mesmas capacidades se desenvolvam de forma natural e saudável.

Numa sessão de FcC procuramos que as crianças aprendam a dialogar umas com as outras o que implica que aprendam a ouvir-se calmamente umas às outras, que se habituem a criticar respeitosamente as ideias dos outros e a aceitar que as suas ideias sejam também criticadas, que pensem antes de falar e, muito importante, que estejam preparados para mudar de ideias se lhes mostrarem que não têm razão em vez de se agarrarem teimosamente a elas como um náufrago a uma bóia. Neste ponto particular nós adultos temos muito a aprender com as crianças.

É, sobretudo, nestas “atitudes dialogantes” que a Filosofia com Crianças pode fazer a diferença ao focar a sua prática no diálogo entre os alunos, nas suas próprias ideias e experiências e no cultivo das atitudes adequadas ao diálogo (respeito e interesse pelo outro, humildade, curiosidade, persistência, gosto pelo debate de ideias, etc.) É importante reter que numa sessão de FcC não há professores e alunos, educadores e alunos ou pais e filhos. Há, isso sim, pensadores que em pé de igualdade nada sabem e querem aprender… uns com os outros.

Prof. Renata Sequeira

Dia Mundial da Filosofia – UNESCO – 21 de Novembro, 2013

Diapositivo1O Dia Mundial da Filosofia foi instituído pela UNESCO durante a 33ª sessão da Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação Ciência e Cultura (UNESCO) e começou a comemorar-se em 2007.

O Grupo de Filosofia da nossa escola (AEVH) tem uma exposição de trabalhos dos alunos das turmas 10ºA e 11ºA no átrio do Bloco B, junto à Secretaria. Podes passar por lá e parar para REFLETIR…

Saudações filosóficas 😀

O Grupo de Filosofia