O Horizonte Solidário prepara-se para assinalar o Dia Mundial da Gentileza

O Dia Mundial da Gentileza foi pensado em Tóquio, Japão, no ano de 1996 e teve expressão oficial em todo o mundo a partir do ano 2000.
Incitar à reflexão sobre as boas ações, focando o poder positivo dessas mesmas ações nas nossas vidas, são objetivos para quem assinala a data.
Na nossa escola, no ano letivo transato, um grupo de alunos da Turma do 9.ºC, acompanhados por duas docentes, assinalaram o dia da Gentileza, tendo os mesmos realizado uma Caminhada Gentil por Mação, durante a qual recolheram lixo das ruas. Este ano, o Horizonte Solidário abraçou a ideia e está a preparar uma série de ações/atividades, algumas delas surpresa!
Estas atividades, para além de nos fazerem perceber, a todos, o que realmente importa, para que possamos ser mais felizes, são também elas propícias ao bem-estar geral, contribuindo para melhorar a nossa saúde, segundo nos dizem os estudos!
CONVIDAMO-LO A REFLETIR…

“A Gentileza gera Gentileza.” (José Datrino)

“Pessoas Gentis são mais felizes.” (Piero Ferrucci)

“Ser Gentil torna o mundo mais colorido.” (Movimento Gentil – RTP)

“A Gentileza abrange todas as formas de sabedoria.” (Mayara Benatti)

“Seja Gentil quando for possível… e é sempre possível.” (Dalai Lama)

“A Gentiliza não custa nada, mas vale muito.” (Walter Quintela)

“A Gentileza é a essência do ser humano. Quem não é suficientemente Gentil não é suficientemente humano.” (Joseph Joubert)

“Palavras Gentis podem ser curtas e fáceis de falar, mas os seus ecos são verdadeiramente infinitos.” (Madre Teresa de Calcutá)

Profª Cláudia Olhicas,

Coordenadora do Horizonte Solidário

Escolas Ubuntu | “Que as suas escolhas reflitam as suas esperanças, não os seus medos”

Formanda UBUNTU

Após dois dias de formação teórico-conceptual, em formato digital, que marcou o início da fase inicial da Formação de Educadores – Educação para a Cidadania através de Ubuntu, seguir-se-ão outros dois de capacitação prática, em formato presencial, após os quais será implementada a Semana Ubuntu e a animação do Clube Ubuntu no nosso Agrupamento.

Depois de aprendizagens fabulosas e de partilhas tão enriquecedoras e deveras inspiradoras que se viveram numa primeira fase de formação, e da expectativa que levamos para os próximos dias 11 e 12 de novembro,  em que decorrerá a segunda fase de aprendizagens, a esperança que mantemos para a Semana Ubuntu do Agrupamento é um brilho nos olhos, irradiados pela confiança e pela vontade crescente de fazer mais e melhor, o coração a borbulhar de emoção, a alma a transbordar de luz e cor e a palavra ESPERANÇA, sentida de forma veemente e renovada em cada sílaba… ES-PE-RAN-ÇA num mundo melhor! ES-PE-RAN-ÇA na “estrada” UBUNTU!

Porque é urgente repensar o conceito “Escola”, acreditamos que a Formação Ubuntu é a resposta que muitos procuram quando pensam num sistema escolar mais inclusivo, equilibrado e que defenda os valores da dignidade humana.

Sendo os jovens de hoje os líderes de amanhã, para a Semana Ubuntu do AEVH esperamos que alunos e professores possam vivenciar uma experiência única e marcante, usufruindo ao máximo de todos os momentos, reflexões e partilhas. Que ao longo da mesma, os nossos jovens possam descobrir a importância de serem “Capitães da sua alma”.

Que a Formação Ubuntu os transforme em cidadãos mais empáticos e resilientes, capazes de serem líderes servidores da sua comunidade. Que JUNTOS, professores e alunos, possamos lançar a semente que fará crescer a “estrada” Ubuntu. Que juntos possamos construir pontes e edificar a “magia” Ubuntu na Escola. Que juntos possamos manter aberta a janela para o MUNDO e para o SENTIR do OUTRO. Que juntos possamos imergir na essência de cada um de nós, semeando afetos e sorrisos. Que juntos possamos aprender a colocarmo-nos no lugar dos demais, por forma a abrirmos horizontes verdejantes e a plantarmos felicidade e esperança no coração de cada membro desta grande família chamada “Comunidade Escolar do AEVH”.

Ana Gameiro

(Coordenadora de Cidadania e Desenvolvimento)

Escolas Ubuntu | Programa de capacitação de jovens, entre os 12 e os 18 anos, enquanto agentes de transformação ao serviço das suas comunidades

“Quando consigo servir os outros, sou um ser além de mim mesmo”

A palavra “UBUNTU” é uma combinação de dois termos: “Ntu”, que significa pessoa e “Ubu”, que significa tornar-se.

A filosofia Ubuntu trata a importância das alianças e do relacionamento entre as pessoas. Indica-nos a forma de tratar os outros como o melhor caminho para a humanidade e leva-nos ao encontro das cinco competências-chave, centradas no desenvolvimento humano, para nos tornarmos pessoas (na verdadeira essência da palavra).

Os três primeiros pilares basilares do Ubuntu, focam-se nas competências pessoais – o autoconhecimento, a autoconfiança e a resiliência – e, os dois últimos, reforçam as competências sociais e relacionais – a empatia e o serviço -.

Na essência do Ubuntu reside a ética do cuidado, da liderança servidora, da construção de pontes, do respeito e da solidariedade. “Eu sou porque tu és”, “Eu sou porque nós somos”, “Eu sou com os outros” trazem consigo a ideia de que todos somos interdependentes, de que todos fomos feitos para a complementaridade. Cuidar de mim, do outro e do planeta são, pois, as regras desta inspiradora filosofia africana.

Com vista a inspirar os nossos jovens com modelos de referência mundial de liderança, como Nelson Mandela, Mahatma Gandhi, Madre Teresa de Calcutá, Martin Luther King, Malala Yousafsai ou Desmond Tutu, tornando-os líderes e agentes de mudança, este ano letivo, o nosso Agrupamento de Escolas juntou-se ao desafio das Academias Ubuntu, presente já em 16 outros países.

Estas Academias têm como principais objetivos capacitar jovens enquanto agentes de transformação ao serviço das comunidades, promovendo o desenvolvimento integrado de competências, com enfoque nas capacidades para a liderança servidora; capacitar educadores que ajudem a difundir o potencial de transformação do método Ubuntu, promovendo uma cultura de construção de pontes, na qual os líderes servidores tenham um papel cada vez mais relevante; promover o diálogo, entre e dentro das comunidades, para a promoção da paz e construção da justiça, contribuindo para o desenvolvimento de sociedades mais inclusivas e resilientes; desenvolver uma ética do cuidado, focada na empatia, atenção e responsabilidade, considerando as três dimensões elementares do “Eu”, “Eu-Outro” e “Eu-Mundo”.

E porque o caminho apenas se faz caminhando, é desejo da Equipa Ubuntu do AEVH que juntos, alunos e professores, possam caminhar rumo à construção de um mundo muito mais tolerante, justo, equilibrado e solidário.

Ana Gameiro

(Coordenadora de Cidadania e Desenvolvimento)

Outubro Rosa – Mês de prevenção do cancro da mama

Ao longo de todo o mês de outubro, foi desenvolvida pela equipa do projeto Horizonte Solidário uma atividade no âmbito do OUTUBRO ROSA, para a qual se apelou à sensibilidade e participação de toda a Comunidade Escolar na construção de um Painel ROSA, símbolo da prevenção e da luta contra o cancro da mama!

A construção deste Painel só foi possível graças à doação de uma fita cor-de-rosa por parte de todos os alunos, pais/encarregados de educação/famílias, professores e assistentes técnicos e operacionais. Em cada fita entregue, todos puderam escrever uma palavra ou pequena frase sobre o que representava para si o OUTUBRO ROSA.

Unidos nesta causa, conseguiu-se construir um Painel exemplar e transmitir, com todas as fitas nele inseridas, a maior onda de energia positiva para quem, no seu dia a dia, luta ou lutou contra o cancro da mama!

A atividade OUTUBRO ROSA culminou no dia 28 de outubro, em vários tons de ROSA, dia em que todos vestiram esta cor simbólica.

Esta foi uma ação não só de sensibilização para a prevenção precoce do cancro da mama, mas também de HOMENAGEM para quem enfrentou ou enfrenta a doença.

O registo fotográfico infra é alusivo ao painel outubro rosa, só possível graças à colaboração imprescindível de toda a Comunidade Educativa, a quem muito agradecemos.

JUNTOS VAMOS MAIS LONGE!

A Coordenadora do HS,

Porfª Cláudia Olhicas

Dia Global da Dignidade

No passado dia 23 de outubro, o Horizonte Solidário, em estreita ligação com a Disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, comemorou o Dia Global da Dignidade, através da exposição de nuvens de palavras, elaboradas pelas diferentes turmas dos 2.º, 3.º ciclos e ensino secundário, bem como de desenhos alusivos ao tema, elaborados pelos alunos do pré-escolar e do 1.º ciclo.

Para as nuvens de palavras, foi solicitado aos alunos que respondessem à questão: “O que significa uma vida digna?” Quanto aos desenhos, as nossas crianças de palmo e meio representaram a frase: “Todos diferentes, todos iguais. Os alunos puderam, ainda, analisar e discutir, em aula, os cinco princípios da dignidade.

No pré-escolar e primeiro ciclo, os princípios da dignidade foram apresentados através de palavras/frases curtas sobre o respeito, a solidariedade, o amor, a igualdade, o direito à vida, à saúde, à educação, à liberdade, entre outros.

Aos muitos alunos e professores envolvidos, a equipa do Horizonte Solidário agradece a dedicação e o envolvimento!

Assim se educa e se prepara para a vida! Um bem-haja a todos!

A Coordenadora do HS,

Profª Cláudia Olhicas

Vidas UBUNTU

O vídeo da Academia de Líderes UBUNTU ilustra sumariamente a matriz do projeto de capacitação para a liderança servidora através de competências socioemocionais. As emoções na liderança.

ALU – Vidas UBUNTU

Escolas Ubuntu | “Que as suas escolhas reflitam as suas esperanças, não os seus medos”

Formanda UBUNTU

Quais são as minhas esperanças para a Semana Ubuntu?

As minhas esperanças para a Semana UBUNTU centram-se na expectativa de infinitas partilhas, cumplicidades, e muitas felicidades; da criação de laços, de pontes e de lideranças; do desenvolvimento da ética do cuidado, cuidando de mim, cuidando do outro e cuidando do planeta através do autoconhecimento, com autoconfiança, com resiliência, com empatia pelo outro. Tenho esperança de fazer brilhar alguns corações. A Academia de Líderes UBUNTU tem o poder de abrilhantar as nossas vidas e tornar-nos VSPs, very special people.

Sílvia Ramadas

Opinião: Os livros como os conhecemos vão acabar?

 A sobrevivência do livro em papel é um tema recorrente na sociedade atual. É frequente ouvirmos dizer que os livros cairão em desuso como consequência do papel cada vez mais importante que a tecnologia tem nas nossas vidas.

  Eu acredito que os livros são objetos intemporais e creio que estes tal como os conhecemos continuarão a existir, nunca desaparecerão. É sabido que os humanos têm o hábito de se apegar bastante aos objetos que usam mais e o livro não é exceção, até porque os livros foram cruciais como principal forma de comunicação humana e divulgação de ideias, este hábito da utilização dos livros dificilmente cairá em desuso até porque estes são cada vez mais um objeto da moda, já que o gosto pelo antigo é como uma moda eterna e a tendência é de que os livros passarão gradualmente a ser um objeto antigo. Dou como exemplo os relógios, que já sofreram uma revolução tecnológica enorme e que hoje em dia podem ter tantas funcionalidades que a maioria de nós nem imagina, ainda assim é muito mais comum vermos pessoas a usar relógios de ponteiros.

  Concluindo, penso que sim, que os livros sobreviverão, apesar da provável diminuição da sua utilização. Ainda assim, espero e prevejo que este instrumento que já nos proporcionou tanta sabedoria o continuará a fazer durante muito mais tempo.

Martim Marques, 10ºB

Dia Internacional das Bibliotecas Escolares

No âmbito das comemorações do Dia Internacional das Bibliotecas Escolares, realizou-se no dia 28 de outubro uma Sessão de Leitura com a escritora Cláudia Santos e os alunos do 1.º ano MAC1 e MAC2 da Escola Básica de Mação. 

A escritora apresentou o seu livro “Joaninha Voa Voa” e os motivos que a levaram a escrever esta obra. É um livro composto por 15 pequenas histórias em rima e o conto selecionado foi “O Camaleão”, que aborda o tema da identidade e da empatia. Os alunos puderam visualizar e explorar o animal em questão através dos meios digitais.

Depois da audição, seguiu-se uma pequena conversa com os alunos sobre a importância de sermos indivíduos únicos num mundo de diversidade e sobre a empatia.

No final, foi proposto aos alunos pintarem a imagem de um camaleão e colá-lo num suporte coletivo para ficar exposto na nova biblioteca do Agrupamento.

Escola Básica de Mação, Turmas MAC1 e MAC2

Professores: José Manuel Sequeira e Eugénia Grácio

24 de outubro – Dia Municipal para a Igualdade

“Não há nada mais normal do que ser diferente”

Como o dia 24 coincidiu com um domingo, as duas turmas do 1.º ano da Escola Básica de Mação comemoraram este dia na segunda-feira, dia 25, convidando o Serviço de Ação Social da Câmara Municipal de Mação para uma sensibilização aos alunos.

Os alunos ouviram a história “Uma Viagem para a Amizade”, de Susana Félix, que abordou o tema da igualdade, da diferença e da amizade. Depois de ouvirem a história e de conversarem sobre esses valores, foi-lhes proposto decorarem uma tela com as suas mãos, simbolizando a amizade e o respeito que deve existir entre todas as pessoas.

No final da atividade, todos receberam um lápis normal, mas muito diferente, pois basta rodá-lo para mudar o tom da pintura.

Escola Básica de Mação, Turmas MAC1 e MAC2

Professores: José Manuel Sequeira e Eugénia Grácio