Laço Azul

Serei o que me deres… que seja amor

No dia 20 de abril dois elementos da CPCJ – Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Mação estiveram na nossa sala para falar sobre a história do Laço Azul.

Em 1989, na Virgínia, E.U.A., Bonnie W.Finney, amarrou uma fita azul à antena do seu carro para fazer com que as pessoas se questionassem sobre o seu significado.

A história que Bonnie Finney contou aos elementos da comunidade que se revelaram “curiosos” foi trágica e relatava os maus tratos à sua neta, os quais já tinham morto o seu neto de forma brutal. E porquê azul? Porque apesar do azul ser uma cor bonita, Bonnie Finney não queria esquecer os corpos batidos e cheios de nódoas negras dos seus dois netos. O azul servir-lhe-ia como um lembrete constante para a sua luta na proteção das crianças contra os maus tratos.

Depois falamos um pouco sobre os Direitos da Criança e pediram-nos para preenchermos um questionário sobre a família e a escola.

Beatriz Santos N.º5 do 6.ºB

No dia 20 de março dois elementos da CPCJ vieram à minha sala para falar sobre os maus tratos infantis e contaram a história do Laço Azul. Também falaram sobre a violência doméstica e o bullying. Falaram ainda sobre a necessidade de todos termos direito à Felicidade e ao Amor.

No final respondemos a um questionário sobre a nossa vida e aspetos da casa onde vivemos entre outras coisas.

Nesse dia aprendi uma frase que recordarei para sempre “Serei o que me deres… que seja amor.”

Francisca Barreira N.º8   do 6.ºB

                                                         Crianças

As crianças têm direito a viver
A explorar o Mundo e a aprender!
Mês de abril veio ensinar
Que devemos amar!

Laço azul vem ajudar 
Das crianças cuidar.
As crianças têm deveres e direitos
Mas sem haver desrespeitos! 

Beatriz Barreta N.º3  e Rita Carreira N.º 18  do 6.ºB
Laço azul!

Dois laços azuis
Pelo ar a voar
Entraram na sala
E vieram-nos ensinar!

Os nossos direitos
Eles vieram relembrar!
Para que ninguém
Os possa contrariar!

À Liberdade temos direito 
E por ela vamos lutar!
Não deixar que nos a tirem
Nós não vamos vacilar!

Jovens somos
E pequenos também.
Isso não quer dizer
Que não somos ninguém!

Ana Rita Claro N.º 1 e  Izilda Maseko  N.º 9 do  6.ºB

Being 16

Os alunos da turma A, do 10º ano juntaram-se em E@D para fazer este mapa mental sobre o que significa ter 16 anos e ser adolescente!Um exemplo de que é possível e desafiante trabalhar em grupo de forma colaborativa… Aprendendo sempre +!

A turma 10º A

Being 16

Letra Imposta – F – Escrita Criativa

E porque a criatividade também se exercita, divulgamos alguns trabalhos realizados pelos alunos do 7.ºA, no âmbito da disciplina de LECA.

Falar
Falar é fácil,
mas fazer é difícil.
O Frederico fez uma asneira
e falar não a vai solucionar.
A professora fala e fala
e fica sem fôlego.
O que fará Frederico
para o certo fazer?
Enquanto falas são faladas,
faça o que fizer Frederico,
não fará isso se desfazer.
Pois Frederico esfaqueou a Fernanda Furão,
mas falta referir a outra face da moeda;
pois Fernanda terá furado Frederico com um facão.
Falar, falar para enfim livre acabar por ficar.

João Vítor Freitas

O chefe da Fábrica Fantástica falou com o Fábio Flor sobre o falcão fantasiado de feiticeiro que fazia facas de fibra. O Fábio ficou furioso e chamou a foca Florinda Freitas para ela parar o Falcão. O Falcão ficou ofendido e foi-se embora. Em fevereiro, a fábrica foi à falência e o Fábio, o chefe e a Florinda faltaram à festa de fundação da farmácia do falcão.

Sofia Cabrita

Fora de casa a fada ficou feliz a afiar a faca ao pé de uma foca. Ficou triste depois de o fósforo se afogar. Fora de casa furou uma afia com uma faca meio furada e foi até à fonte buscar um faqueiro mais forte para afiar a faca.
Para a família, a felicidade era facultativa e formidável, de forma a fluir a fronteira da filosofia filosofal. Na praia fluvial, as focas eram muito felizes e flexíveis, pois no futuro queriam cantar fado numa festa de frango, onde tocavam flauta, viam filmes e rezavam o feitiço à frente da fogueira.

Gonçalo Mota

Fui fazer uma visita ao meu amigo Fernando. Ele e sua filha Fátima estavam a fazer farófias. Visitámos a sua fazenda. Que grande pomar de figueiras com figos de todas as qualidades! Fomos ver também os faisões, os frangos, as fracas e os filhotes das suas ovelhas. Fantástico!!!

Cláudio Parente

A foca Francisca ficou feliz com o filho, que não faltou à escola. Ela foi à feira comprar figos, framboesas e feijões. Quando era pequena, a mãe fez um grande e feio disparate: não foi à escola. Feito isto, ela tinha medo que o filho fizesse o mesmo, porque ela foi à feira e o filho ficou sozinho em casa. O filho estava com uma figurinha de santo que a fez ficar intrigada. Até parecia que merecia uma “fita de bom feitio”. 😂

Matilde Gueifão

Na fábrica de Fátima havia homens com fatos a fazer farrapos e a falar francês com dois fala baratos a falar ali ao lado. Na fábrica ao lado faziam-se farófias e o Francisco Fagundes fugia a correr para a aula de francês, na qual ia fazer uma apresentação francófona sobre a fábrica de farófias.

Rodrigo Clarinha

O Francisco falhou o figo e ficou fatigado. Foi à farmácia comprar fibras para ter mais força. Ficou a tentar durante fins de semana e todos foram um fracasso. Ficou furioso e foi para a sua fazenda alimentar a foca Francisca. Depois falou com o filho, que era famoso, e foram tentar acertar os dois. Ficaram fins de semana a tentar até que se aperceberam que eram uns falhados, porque ficavam fatigados depois de comer os figos. Que furiosos que eles estavam! Mas… a fúria não faz bem à saúde!

Francisco Vicente

O feiticeiro transformou uma faca de cozinha numa foca. Um dia fartou-se da foca, pelo que ia voltar a fazer o feitiço para a mandar embora da cidade. Mas não conseguiu. Assim, o feiticeiro chamou um seu familiar que vivia em Faro. Então, com uma faísca, ele conseguiu fazer o feitiço certo e mandar a foca de volta à sua origem. Fácil!

Tomás Brízida

A foca falhou a faca dos faqueiros, mas a foca não sabia que a queriam esfaquear. Quando descobriu, a foca focou o olhar e ficou furiosa com os faqueiros. De seguida, fez-se muito tarde e a foca fugiu de onde estava presa. Mas ela ficou com medo de falhar na fuga da jaula. Para fugir e sobreviver, a foca teve de ficar na casa do Filipe e do Fernando.

Daniel Cardoso

Ontem vi uma foca no oceano. Estava rodeada de baleias fantasiadas de foca. As baleias fantasiadas de foca eram muito gordas e diferentes. Então não liguei e fui-me embora.
No dia seguinte, a foca, que não era uma baleia, estava fantasiada de sereia, tipo uma foca-sereia. Achei estranho e fui ter com a foca-sereia. Fartámo-nos de conversar. Agora somos amigas e fartamo-nos de fofocar.

Adriana Nunes

O fornecedor forneceu o material para uma loja de focas. As focas saltavam na frente e os fornecedores estavam sempre focados nas focas.

Duarte Carias

O Fernando Fernandes fazia muitas figuras ao pé da sua família. Isso fazia-o muito feliz e forte. Ele tinha fé em Deus e ele fazia fatos com focas. Ele era fabuloso e fã de Friends, do Freddie Mercury, das Fifth Harmony e do filme Frozen. Aos fins de semanas jogava Fortnite com o Filipe.

Clara Loureiro

Uma folha flutuava até que caiu e fez uma ferida. Depois foi ao médico. O médico fez-lhe uma pergunta: “Já flutuaste quantas vezes? Acho que quem fez isso foram as fezes. Vamos ter que te furar as asas.” Fora do médico, ela ficou bem.

Duarte Nicolau

Fiquei fechado fora de casa e fiquei furioso porque fui levar o lixo e fiquei sem chave. No outro dia, fui para França e fiquei feliz. Um fantasma veio atrás de mim, mas eu fugi. Fui fazer exercício físico, mas fiquei fatigado e fui descansar.

Afonso Dias

Uma fada que vivia numa cozinha pegou em farinha, ovos e fermento e começou a fazer um bolo de fruta com recehio de framboesas. Ela fez esse bolo para a pequena fada, pois ela adorava framboesas. Ela disse à mãe dela, que era a fada Fátima, que também queria um sumo de framboesas frescas, bem fresquinho!

Marioara Bolocan

Uma fantasia foi feita por feiticeiros fanáticos por filosofia. Era tudo fantástico e fofo no reino de Ferquaack. Um dia, elfos aparafusados foram ao reino e lançaram um feitiço. A única forma de libertar o feitiço fora fazer uma fera de fogo furtiva para os elfos. Então assim fizeram. Felizes, foram entregar a fera. Mas um bando de falcões furiosos, fascinados por foguetes, que faziam animais tipo a fera, os Ferquaackers, decidiram atacar os falcões e recuperar a fera. Conseguiram facilmente desfazer o feitiço. Como estiveram horas a falar “filosofês”, ficaram fortemente fatigados e esfomeados. Com facilidade decidiram fazer farófias. Fartaram-se de comer!

João Oliveira

Hoje fui à farmácia comprar folhas de fibra com funis desenhados com uma esferográfica enferrujada. O Fábio ficou fascinado com a folha de fibra com funis que comprei. De seguida, o Fábio mostrou-me um quadro com um flamengo a falar com um francês, que estava fatigado e ferido na fossa nasal. Felizmente, a ferida era fácil de curar!

Rafael Pereira

Fui à feira comprar facas para partir o frango. Depois fiz um bolo de farinha de fubá e um rapaz franzino foi comer o bolo na floresta. O rapaz esfaqueou o rato que lhe tirou uma fina fatia de bolo de farinha de fubá da mão. O rapaz ficou muito triste! Foi um desgosto para o rapaz que pretendia fazer pequenos filmes sobre receitas fáceis de belos bolos de farinha de fubá.

Beatriz Bento

No dia 16 de fevereiro de 2021 foi feriado em Portugal e a Fernanda telefonou à sua colega Filipa para irem à casa assombrada. Quando estavam a chegar à casa assombrada, a Filipa ficou assustada com o barulho que veio da floresta escura. Metia medo a qualquer um! A Fernanda abriu a porta e entraram. Quando entraram, surgiu uma flauta que começou a falar com a Filipa e a Fernanda. A Filipa deu um salto e saiu a correr e a gritar. A Fernanda ficou a falar com a flauta, pois achou-a interessante. Só que ela não sabia que a flauta lhe ia fazer mal.
A Filipa estranhou ela não ter vindo ter com ela e foi à cidade buscar ajuda. Quando chegou ao castelo onde vivia o feiticeiro, ela pediu-lhe ajuda. Quando chegaram à casa assombrada, viram a Fernanda presa a uma cadeira e a Filipa foi desamarrá-la e fugiram as duas. O feiticeiro destruiu a flauta com fogo. Que fantástico fenómeno!

Cláudia Pereira

Tenho de dizer que falei por telefone com uma professora que falava fluentemente francês. Faltavam-me framboesas para fazer sobremesas fáceis e algumas finas fatias de fiambre para fazer uma francesinha. Mas falhei ao ir comprar as frutas. Era para comprar fruta fresca, porque era verão e queria fazer refrescos fresquíssimos. Meti a fruta no frigorífico e facilmente ficou fria. Fartei-me de fazer fantásticos batidos fresquinhos.
Como estava um dia fabuloso, fui para a festa de aniversário da Filó e da Fátima. O meu fato era feito de um fino tecido. Na hora de cortar a minha fatia de bolo, deixei cair a faca! Falei francês na festa com um amigo filandês. Que fixe!

Ana Margarida Martins

Furtei o Feijão ao Fábio Felipe, o Ferreiro, e fartei-me de comer feijoada. Comprei uma faca para fazer de foice e cortar folhas. Com as folhas eu faria uma forca para enforcar Fábio Felipe, o Ferreiro, por ter me furtado flores. Mas pensei em fazer flores fatiadas por facões deitadas nos feijões e favas e comer com farofa.
O Fábio Felipe foi fisgar um peixe; um peixe frio com fio e um fuzil. Ferveu o peixe frio e fritou-o, ficando este firme, e logo o comeu. Não foi fácil ficar ao frio a pescar o peixe com fio e fuzil. Ele disse que ia falar com a Fátima Ferreira, que ficaria sem fritar frango por uns dias. Com toda essa folia, ficou fatigado. Foi para casa farto e a feder, dizendo que foi furtado.

Beatriz Teixeira

A farmacêutica Fabiana foi feliz para a farmácia, pois tinha falado com a filha Francisca que estava na fábrica que fabricava remédios e comprimidos feitos à base de fibras e cujo formato era redondo. A farmacêutica falava e escrevia com facilidade. Fazia poemas fenomenais com frases fantásticas, felizes e fabulosas. Quando a filha foi para casa, fez um bolo fabuloso com muita farinha e fermento. Ficou fantástico! Ela cozinha com facilidade, mas a cozinha fica sempre numa franca confusão. Até dá vontade de fugir!

Thamara Nogueira

Professora Ana Sofia Pereira

DIA INTERNACIONAL DA TERRA

O Dia Internacional da Terra comemora-se no dia 22 de abril, foi criado através da resolução 63/278 da Assembleia Geral das Nações Unidas, a 22 de abril 2009, e pretende:

  • Alertar para necessidade de preservação do meio ambiente e dos seus recursos naturais.
  • Mobilizar os decisores políticos e a sociedade civil para a concretização de medidas que protejam o nosso planeta.

HÁ QUE TOMAR MEDIDAS EFETIVAS PARA UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL!
QUE MEDIDAS VAIS TOMAR?

Dá uma olhada neste link: https://www.un.org/en/actnow

O tema para 2021 é relativo à Recuperação da Terra e em Portugal um dos motes é “O oceano é a nossa terra”.

Vê aqui algumas atividades:
https://www.oceanoazulfoundation.org/pt-pt/earth-day-2021/
https://www.earthday.org/

Como o prometido é devido, eis mais alguns trabalhos elaborados pelos alunos do 9ºC, na disciplina de Cidadania e Desenvolvimento.

Professora Helena Antunes

Mês da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância – abril

O LAÇO AZUL

Em 1989, uma mulher norte americana de seu nome Bonnie Finney, amarrou uma fita azul na antena do seu carro, em homenagem ao seu neto, vítima mortal de maus-tratos pela sua mãe e namorado. Com esse gesto ela quis transmitir à comunidade o trágico acontecimento. O impacto daquela iniciativa foi de tal modo grandioso que esta campanha, que começou como uma homenagem desta avó ao neto, se expandiu e, atualmente, muitos países usam as fitas azuis, durante o mês de abril, em memória daqueles que morreram ou são vítimas de abuso infantil e também como forma de apoiar as famílias e fortalecer as comunidades, nos esforços necessários para prevenir o abuso infantil e a negligência.

E porquê azul? Bonnie Finney não queria esquecer os corpos cheios de nódoas. O azul, que simboliza a cor das lesões, servir-lhe-ia por isso como uma imagem constante na sua luta na proteção das crianças contra os maus-tratos.

Em Portugal, a campanha, simbolizada pelo Laço Azul, é amplamente divulgada por todo o território, durante o mês de abril, quer pela Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens, quer pelas CPCJ, que realizam numerosas ações de prevenção contra os maus-tratos.

“Serei o que me deres…que seja amor”

Quarentena

Corpo confinado,

a sociedade posta de lado.

Alma acorrentada

já traumatizada,

com medo, coitada.

As emoções escassas,

e quando felizes , caminham descalças.

Famílias isoladas , 

amizades acabadas.

A nossa voz tapada ,

a querer acabar uma frase inacabada.

Todos resguardados,

a fugir do vírus para que não nos deixe acamados.

Com a economia a descer,

vários problemas irão aparecer.

Muitos adolescentes num sono profundo,

sem perceber o que está a acontecer com o mundo.

E para acabar,

queria dizer que este vírus ainda está para durar.

 Inês Jesus Ferreira  8ºA  Nº6     

CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO: SAÚDE E AMBIENTE

A turma do 9ºC, na disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, tem desenvolvido vários trabalhos à volta da temática da Saúde.

Os alunos organizaram-se em grupos, escolheram um subtema e, com base no trabalho cooperativo, idealizaram e desenvolveram os seus projetos.

Por tratarem temas para os quais todos devemos estar alerta, fica aqui a divulgação de alguns dos trabalhos.

Aguardem novidades!!

Professora Helena Antunes

Saúde ambiental

Lista de Verificação

E@D – Cidadania e Desenvolvimento – 6.ºB

Durante o E@D foram propostas diversas atividades, no âmbito do tema “Desenvolvimento Sustentável”, e os alunos enviaram, através da Classroom, os trabalhos realizados individualmente e /ou em grupo sob a forma de textos em prosa/verso, desenhos e vídeos.

Nem tudo o que sobra é lixo!

Plástico e latas

São para Reciclar!

Fazer novos brinquedos

E com eles jogar!

Mães, pais e avós

Oiçam com atenção!

Proteger a Natureza

Está nas vossas mãos!

Matilde Fernandes  N.º17 do 6.ºB

Nem tudo é para deitar fora!

Por isso a partir de agora

Nós vamos reutilizar

Para o Mundo não estragar!

Maria Loio N.º 14 do 6.ºB 

O planeta precisa de ajuda

E é por aí que vamos entrar!

Reduzir, Reutilizar e Reciclar

São algumas das formas de começar!

Para Reduzir

Só o necessário devemos adquirir.

Para Reutilizar

Só é preciso imaginar!

Por fim para Reciclar

O Ecoponto certo devemos utilizar.

E se cada um ajudar

O planeta Terra vai beneficiar!

Beatriz Lopes N.º4 do 6.ºB

O primeiro passo a dar

É Reciclar!

Portanto toca a pensar!

De um pedaço de papel

Um avião se pode formar

Para o mundo vir encantar!

Uma espada tu queres comprar?

Dinheiro vais ter de gastar.

Espada de papelão

Não te vai magoar a mão!

Rita Carreira N.º 18 do 6.ºB

O futuro que queremos


Rodrigo Silva
Beatriz Santos
Ana Rita Claro
Simão Lourenço
Rute Rafael
Beatriz Barreta

                         Reduzir o lixo na ficção e no mundo real!

Na ficção o lixo não tem mal.

Faz parte da diversão normal.

Mas na vida real,

É muito prejudicial.

Se não mudarmos

Piores vão ser os castigos.

Mortes de seres vivos

E animais com doenças atraídos.

Na vida real não existem super heróis,

Por isso somos nós que temos de salvar o mundo.

Não é preciso muito.

Apenas estas regras seguir:

Reduzir, Reutilizar e Reciclar

E pomos o mundo a sorrir!

Beatriz Lopes N.º4 do 6.ºB

Quando nós vimos, nos desenhos animados, muito lixo conseguimos ver que é diversão.

No mundo real já não é assim. Precisamos de olhar à nossa volta e mudar alguns comportamentos do ser humano.

Quando o lixo não é descartado adequadamente pode contaminar os solos, as águas, e muitas mais coisas.

Com esta poluição toda, os animais apanham doenças e as espécies podem ficar em risco.

Precisamos de mudar isto!

Nós é que somos os super-heróis do mundo real!

Temos de passar esta ideia.

E temos a ajuda dos 3R’s: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

Beatriz Barreta N.º3 do 6.ºB

No vídeo que vi, foi abordado o mundo da ficção onde quase todo o lixo fazia parte da brincadeira, mas atrás dessa bagunça havia sempre um herói a resolver os problemas.

Ainda assim, além do mundo da fantasia, existe também o mundo real onde as ações que temos com o lixo já não são tão semelhantes às do mundo da ficção.

Estes atos têm consequências tais como a destruição do solo (devido à construção de aterros que são criados devido à irresponsabilidade de muitas pessoas), o aparecimento de doenças e de mortes animais porque estes comem o lixo produzido pelas pessoas e também o entupimento de esgotos, rios…

O vídeo também destacou a importância de começar pela sociedade a mudança de alguns comportamentos/ações, podendo assim mudar o mundo e torná-lo melhor.

Ana Rita Claro N.º 1 do 6.ºB

Ana Rita Claro, Eduarda Nunes e José Matos

Perigos do consumo do tabaco, álcool e outras drogas

Durante o período de E@D, a professora Ana Paula Candeias lançou um desafio aos seus alunos, pedindo-lhes para que desenvolvessem trabalhos nos quais aplicassem e/ou ampliassem os conhecimentos que haviam adquirido nas aulas de Estudo do Meio.

Fazendo jus ao ditado popular e mostrando que “de pequenino é que se torce o pepino”, os alunos da turma MAC4 arregaçaram de imediato as mangas e, cheios de entusiasmo, determinação e vontade, meteram mãos à obra!

Vejamos os vídeos criados pelos alunos Laura Marques, Leonor Conde, Raquel Santos, Matilde Moleiro e Rúben Pombo.

Parabéns aos alunos pelo seu esforço!

Escola Básica de Mação, Turma MAC4, 3º ano de escolaridade

(Alunos da professora Ana Paula Candeias)