7º ano em ação

Este ano letivo, foram concretizados vários DAC nas duas turmas do 7º ano.

Quanto ao tema “As Origens do Universo e a Poesia” (que englobou as disciplinas de Português, EMR, Ciências Naturais e Físico-Química) a abordagem deste DAC teria continuidade com a realização de uma visita de estudo a Constância no final do segundo período (dez de março) no âmbito das disciplinas de Físico-Química, Português e Ciências Naturais. Contudo, ocorreu a anulação da mesma, por motivo das medidas de prevenção face à Covid-19, devido à pandemia. As atividades de Português – declamação de poemas de Camões no anfiteatro do jardim de Constância, visita ao horto de Camões e lanche partilhado – foram substituídas por declamação numa aula ao ar livre no pátio da escola e lanche partilhado ainda antes de as atividades letivas presenciais terem sido suspensas.

Este DAC foi alargado e relacionado com o tema “Sistema Solar” que incluiu a criação de textos sobre os diferentes planetas para colocação numa página WEB (disciplinas de Físico-Química, Português, Inglês (7ºB), Matemática e TIC), as suas representações gráficas (disciplina de Educação Visual), criação de QR Codes para exposição nos corredores das salas de aula.  Foram elaborados em Físico-Química e revistos em Português todos os textos acerca dos planetas para a exposição. A Físico-Química desenvolveram-se as atividades do sistema solar. Foram elaboradas as maquetas em Educação Visual. Realizou-se a publicação em página WEB na disciplina de TIC. A disciplina de Matemática cooperou com a disciplina de Físico-Química na realização da atividade sobre o sistema solar, tendo efetuado o cálculo das distâncias planetárias à escala do corredor do bloco B, mas a suspensão das aulas suspendeu também esta atividade. Foi criada uma página WEB e anulada uma exposição no terceiro período, devido ao evoluir da situação, por forma a dar conhecimento deste trabalho à comunidade escolar, com as maquetas elaboradas pelos alunos acompanhadas com os QR Codes.

Os trabalhos estão no site (envolvência da disciplina de TIC) e os QRC gerados sendo presentemente divulgados para os alunos e demais comunidade acederem neste jornal.

 

QR Code 7ºA

 

QR Code 7ºB

Infância

 

A minha infância

Quando era mais nova, não podia estar quieta, tinha de estar sempre a fazer algo.

Eu adorava correr, saltar, brincar, …adorava também ir para a escola e poder brincar com os meus amigos, nós brincávamos à apanhada, às escondidas, às plantações, aos polícias e ladrões, entre outras coisas.

Tínhamos sempre alguma coisa para fazer, o pior era quando estava a chover e tínhamos de ir para dentro de um pavilhão, nós odiávamos estar fechados lá dentro, queríamos ir lá para fora brincar.

Nos fins de semana em que não ía aos meus avós, adorava fazer festas de pijama e ou ir dormir à casa de amigas era super-divertido.

Às vezes, ía passear com a minha família, íamos às compras, íamos à praia, entre outras atividades.

Nos meus tempos livres, eu costumava pintar Mandalas, dançar, ir à piscina, ver televisão, entre outras coisas.

Mas os meus passatempos preferidos eram brincar com o meu irmão e ir andar de bicicleta, era assim que passava o meu tempo.

Nessa altura, a minha mãe tinha uma florista e então, quando eu saía da escola, tinha de ir para lá, pois o meu pai estava a trabalhar ainda. Ao lado da loja, havia um parque com rampas onde eu e o meu irmão mais velho costumávamos andar de skate e jogar à bola.

E foi assim a minha infância.

 

Jéssica Moucho, 7ºA

A room with a view I

A room with a view  trata-se de uma atividade proposta pela docente de Inglês aos alunos da turma B, do 7ºano. Inserida na unidade 5 – My World, pretende-se que esta atividade lúdico-pedagógica motive os alunos para que tirem uma fotografia da janela do seu quarto. A foto deve apresentar uma legenda em Inglês e indicar o local que ilustra.

Aqui tens a primeira. Enjoy it!

Nature in bloom after a cold winter!

Cardigos, May 2020

Inês Delgado, 7º B

Infância

 

Viagem à minha infância

            Queria voltar atrás no tempo e lembrar como vivia na minha infância.

– Então é isso que vou fazer hoje, e tu vens comigo!

Sempre fui uma criança honesta, cuidadosa, preguiçosa e muito teimosa, o que mais me marcou foram os meus primeiros passos, as minhas primeiras palavras e também o nascimento do meu irmãozinho, mas vamos do início.

Quando era criança, sempre gostei de brincar ao faz de conta, às limpezas e aos pais e às mães, mas sempre que jogava isso com o meu pai, ele fazia-me cócegas e acabava assim o jogo.

Da minha boca, saiam muitas coisas, principalmente parvoíces, mas o normal tema entre amigos era a escola “dos grandes”, porque nunca sabíamos o que havia naquela escola. Agora que aqui estou, sinto que é apenas uma escola normal!

Nos meus tempos livres, eu brincava na casa dos meus avós, corria, pulava, dançava, cantava até que o sono viesse ao de cima.

Na minha família, convivíamos muito, marcávamos jantares, almoços, lanches e fazíamos viagens por todo o Portugal.

–  Cuidado , Soldado! A viagem vai ser turbulenta!

 

Inês Jesus Ferreira,  7ºA

Texto expositivo

 

 

Animais em cativeiro em debate

Existem vários animais em cativeiro, pois o ser humano não consegue distinguir animais domésticos, de animais silvestres. Um animal doméstico é aquele animal que se consegue reproduzir e fazer as suas atividades ao lado do ser humano. Já os animais silvestres são aqueles animais que foram retirados da natureza e aos quais a presença do ser humano incomoda, pois eles não se conseguem reproduzir nem realizar outra atividade qualquer, ou dificilmente o conseguem. Alguns exemplos de animais domésticos são o cão, o gato, a galinha, o porco. O papagaio, a arara, o mico e o jabuti são alguns exemplos de animais silvestres.

Alguns argumentos a favor dos animais em cativeiro são os seguintes:

Os animais devem estar em cativeiro para se reproduzir mais, para a espécie não ficar em perigo de extinção, mas também para não serem caçados pelos animais mais fortes, pelos seus predadores ou até pelos caçadores humanos.

Os animais devem estar presos pois eles matam pessoas ou deixam-nas feridas.

Os animais devem estar aprisionados pois eles são treinados para ajudarem pessoas com doenças.

Os animais não devem estar em liberdade, pois a ciência tem a ver com os animais e no zoológico conseguem um estudo mais de perto.

Como argumentos contra referiram-se os seguintes:

Os animais têm direitos, e nós, seres humanos, não temos o direito de tirar os animais do seu habitat, nem que seja para se reproduzirem só para não acabar com a espécie.

Os filhotes de muitos animais trazem visitantes e dinheiro, mas este incentivo leva a produzir novos animais, que leva à superpopulação. Os animais excedentes são vendidos não só para outros zoológicos, mas também para circos, para a caça e até mesmo para abate. No zoológico ensinam muita coisa às crianças, então não devíamos ensinar-lhes a aprisionar animais para nosso próprio entretenimento.

Os animais têm de ser livres, pois, como os seres humanos, eles também são seres vivos, por isso não podem ser fechados em jaulas. Há estudos que demostram que os elefantes ao serem mantidos em cativeiro em zoológicos, não vivem tanto tempo como os elefantes que vivem na selva.

Alguns zoológicos apenas matam alguns animais excedentes. A remoção de indivíduos da natureza possivelmente prejudica ainda mais a população selvagem, porque os indivíduos restantes terão menos diversidade genética e terão mais dificuldade de encontrar companheiros.

Os santuários também reabilitam a vida selvagem e abrigam animais de estimação exóticos, indesejados, sem criação, compra e venda de animais, como os jardins zoológicos fazem. Por vezes, os animais escapam dos seus recintos, colocando em risco a si mesmos, bem como às pessoas. Houve mesmo casos de animais do zoológico que atacaram e comeram outros animais do zoológico.

Os animais não deviam estar em cativeiro, pois ninguém se devia sentir preso. Há um argumento que se deve comentar mais um pouco, dada a sua importância, que é o facto de que os animais ficam em cativeiro para se poder fazer um estudo mais de perto e melhor. Mas porquê tirar os animais da sua casa só para os biólogos estudarem? Porque não vão os biólogos ter com os animais?…pois ninguém gosta de sair da sua casa. Os animais são como os humanos, também têm direitos.

Este assunto ainda tem muito por discutir.

Inês Martins Delgado, 7ºB

Texto de opinião

 

Cativeiro de animais em discussão

Na aula de Português foi realizado um debate no qual o assunto a debater era “Os animais em cativeiro”.

A turma foi dividida em dois grupos que debateram entre si se os animais deveriam ou não estar em cativeiro.

A meu ver, o debate foi muito renhido, e ambos os grupos apresentaram argumentos que levaram ao objetivo de um debate que é “discutir” e apresentar argumentos e contra-argumentos.

Na minha opinião, quer os argumentos de um grupo, quer os do outro estavam corretos e aceitáveis, mas a minha conclusão foi que os animais só devem ficar em cativeiro em casos excecionais, por exemplo se estiverem em vias de extinção e precisarem de condições melhores para se poderem reproduzir, nos outros casos os animais merecem e devem ter uma vida normal no seu habitat natural junto dos seus, pois, se esses animais forem habituados a fazerem-lhes tudo, vão perder as suas capacidades de caça, e instinto selvagem, por exemplo.

                                          Jéssica Moucho, 7ºA

 

 

Plano de Turma 11º B – “Tempos de Mudança – Sustentabilidade e Alterações Climáticas”

Os alunos da turma B, do 11º ano deram asas à sua imaginação ao elaborarem vários cartazes em suportes e recursos materiais que remetem para a sustentabilidade. Deste modo, ao longo destas últimas semanas que antecederam o Carnaval, dedicaram o seu tempo à elaboração de cartazes que pretenderam alertar toda a comunidade escolar para a problemática das alterações climáticas e para a necessidade da preservação do planeta, temáticas escolhidas pelos alunos para serem trabalhadas no Plano da Turma.

Várias disciplinas, como a Economia, o Espanhol e o Inglês colaboraram para que os cartazes, já prontos, pudessem ser usados no “Desfile de Carnaval do Agrupamento 2020”, destacando-se o seu caráter de protesto e de manifestação por um planeta mais sustentável e limpo e assim articulando a temática escolhida com o tema selecionado pela UE para o ano letivo 2019/20, “Alterações Climáticas, um desafio para a Europa” e com a proposta do Clube Europeu para um evento de agrupamento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Diretora da Turma: Sílvia Ramadas

DESFILE DE CARNAVAL 2020

Destinado à Comunidade Educativa, mas interagindo com toda a comunidade local, no passado dia 21 de fevereiro, o Agrupamento de Escolas Verde Horizonte de Mação realizou a atividade transdisciplinar “Desfile de Carnaval 2020” pelas ruas de Mação.

O desfile foi agendado para as  10 horas e 30 minutos, sendo a concentração, a partida e a chegada marcadas para o Largo da Feira, estabelecendo-se o itinerário: Largo da Feira, Rotunda dos antigos Bombeiros, Câmara Municipal de Mação, Rua Padre António Pereira de Figueiredo, Rua Monsenhor Álvares de Moura, Igreja Matriz, Rua Pina Falcão, Rua Francisco Serrano, Rua Padre António Pereira de Figueiredo, Câmara Municipal de Mação, terminando, de novo, no Largo da Feira.

Esta atividade decorreu nos segundo, terceiro e quarto tempos letivos da manhã e as turmas foram acompanhadas pelo respetivo professor, seguindo o horário habitual, sendo, posteriormente, ao quinto tempo letivo, retomada a planificação inscrita no horário semanal.

O desfile mobilizou todo o Agrupamento, teve a preocupação atual da preservação do meio ambiente e do nosso planeta, sendo subordinado ao tema da sustentabilidade e da preservação do meio ambiente. Os materiais utilizados foram preferencialmente, claro, reutilizados e ou reciclados, a fim de reduzir, evidentemente, fazendo jus à regra dos 3 R pela prática – despertando para a problemática ambiental e resumindo numa só atividade o aprender a conhecer, a fazer, a viver juntos e a ser. Permitiu, ainda,  interagir com a comunidade local numa perspetiva de abertura da escola ao meio exterior e de valorização das tradições.

Fotos: professor José Gonçalves e

texto: professora Anabela Ferreira.

Poesia

As palavras

São azuis como o céu e as águas brilhantes dos rios, dos lagos e do mar

Voam como as aves que rasgam o céu indo para Sul

Planam como os papagaios de papel dourado

Sopram como o vento nas tempestades

Flutuam como os dentes de leão

Aquecem todos os que as ouvem como o Sol e a fogueira

Com elas escrevo saúde, amor, família, planeta e sonhos.

A minha história num poema…

 

Texto poético coletivo, 7ºA

 

Receitas do 12ºB

Croissant

 

ingrédients

300g de farine sans levure;

140 ml d’eau;

140 ml de lait demi-écrémé;

55 g de sucre en poudre;

40g de beurre non salé;

11 g de levure de boulanger;

12 g de sel;

280 g de beurre non salé;

1 jaune d’oeuf M.

 

Les procédures

MASSE:

  • 1 : sur un large et lisse banc, mettre la farine en tas puis faire une tombe au milieu. Ajouter le lait lentement.
  • 2 : Ajouter le beurre et la levure et le crumble, ajouter tous les ingrédients progressivement.
  • 3 : Engager des mouvements concentriques.
  • 4 : Commencer à travailler la pâte à deux mains jusqu’à ce qu’elle soit homogène.
  • 5: Former une boule et placer-la dans un bol large et profond. Couvrir avec du film alimentaire. Laisser le bol à la température ambiante et laisser-le lever pendant 15 à 30 minutes.
  • 6: Couper le beurre en tranches et les placer alignées entre deux feuilles de papier sulfurisé.
  • 7: Rouler la pâte jusqu’à former un rectangle de 1 mm de hauteur.
  • 8: Réserver le beurre entre des feuilles de papier sulfurisé (dans un endroit frais).
  • 9: Étendre sur un comptoir fariné.
  • 10. Mettre le beurre sur la pâte et retirer la feuille de papier sulfurisé.
  • 11. Plier la pâte en quatre parties.
  • 12. Étendre et plier la pâte 5 à 6 fois pour créer de fines couches dans la pâte. Sacher que la pâte ne doit pas rétrécir et que le beurre ne doit pas fondre. Si cela se produit, remettre la pâte au réfrigérateur (maximum 30 minutes).
  • 13. Jeter les côtés de la pâte et observer les fines couches – le succès de la pâte réside dans la fusion parfaite de la pâte avec le beurre.
  • 14. Étaler la pâte parfaite en forme de rectangle. Faire une coupe longitudinale.
  • 15. Couper les triangles le long de la masse comme dans l’image.
  • 16. Rouler le croissant:
  • (1.) Étendre légèrement la pointe du triangle.
  • (2. )Couper la base du triangle
  • (3. )Rouler jusqu’à former un croissant
  • (4.) Tourner légèrement les pointes des croissants vers l’intérieur.
  • 17. Placer les croissants sur une plaque à pâtisserie recouverte de papier sulfurisé et laisser reposer 30 à 40 minutes. Badigeonner de jaune d’oeuf et cuire à 180 ° C pendant 20 minutes ou jusqu’à coloration dorée.
  • 18. Les croissants sont prêts à manger. Accompagner de confitures ou de pâte à tartiner.

 

 

Trabalho realizado por:

Daniel e Diana, Disciplina de Comunicar em Francês