Reportagens

Feira dos Santos | Mação

Fez dia 1 de novembro 217 anos que Mação recebe a tradicional Feira dos Santos.

Esta feira é muito popular na região pela tradição que é e pela diversidade de produtos que lá podemos encontrar.

Perto do Jardim Municipal estavam os cereais e os frutos secos; na parte histórica de Mação, as latoarias, as árvores de frutos, as flores, os queijos, os panos para a apanha da azeitona e outros materiais agrícolas.

No Largo dos Bombeiros encontra-se muita variedade de equipamentos, desde utensílios agrícolas a tratores.

Esta feira é tão especial para quem é de Mação e para quem faz uma viagem para poder visitar porque podemos presenciar uma recriação de um mercado à moda antiga, numa tenda montada exclusivamente para este efeito, junto ao Largo dos Combatentes, onde Associações, Instituições de Solidariedade Social e Escolas apresentam bancas recheadas de produtos caseiros, artesanais e agrícolas. O que se procura mais neste espaço são os tradicionais Bolos dos Santos, broinhas, pão caseiro, legumes, ervas aromáticas, frutos secos que as pessoas conseguem adquirir muito mais baratos do que nos outros locais.

Pela quantidade de gente que esta Feira dos Santos movimenta, podemos concluir que é uma feira muito reconhecida pela população do concelho e até de outros concelhos mais próximos.

Bernardo Claro, 10º A

 

 

 

Anúncios

Escola Aberta 2015-2016

SONY DSC

Clicar na foto para ver a reportagem fotográfica completa.

O fim do segundo período escolar trouxe, como vem sendo habitual, um dos pontos mais altos de todo o ano escolar do nosso agrupamento de escolas: a Escola Aberta.

Ao longo de três dias, quarta, quinta e sexta-feira, toda a comunidade escolar pode apresentar todo o seu trabalho à comunidade maçaence.

Foram três dias de exposições, de atividades desportivas, de torneios de jogos, de dança, de contacto com equipamentos gentilmente trazidos à nossa escola pela GNR, pelos Bombeiros Voluntários de Mação, de palestras promovidas pelos nossos alunos e por convidados que à nossa escola se deslocaram. Enfim, foram dias de aprender de uma forma diferente, tirando partido dos conhecimentos adquiridos ao longo do ano e agora partilhados com todos.

Deles aqui fica a reportagem fotográfica, como testemunho do trabalho desenvolvido e da capacidade de realização dos nossos alunos.

Neste momento de férias escolares a equipa deste teu/seu jornal deseja-te/lhe um bom descanso.

Texto e fotos de: professor João Pinheiro

ATIVIDADE EM CONTEXTO HOSPITALAR APRENDER A SER…. MAIS SOLIDÁRIO, MAIS AUTÓNOMO, MAIS…

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Foi no âmbito de um projeto de turma intitulado “Ao encontro de Mudanças e Desafios”, integrado no grande tema da Escola “CreS(c)er com Autonomia e Cultura”, que os alunos do 11º A (Amélia Silva; Ana Carolina Marques; Gonçalo Martins; Inês Pereirinha; João Matos; João Pires; João Delgado; Leonor Bento; Mónica Marques; Pedro Estrela; Rui Costa; Rodrigo leitão; Rodrigo Brízida; Mariana Rosa; Rafaela Rei e Daniela Martins) estiveram no Hospital de Abrantes, nas interrupções letivas do carnaval, precisamente no dia 8 de fevereiro de 2016, a  interagir com Doentes, Equipas de Enfermagem e de Assistentes Operacionais. Esta “ação de solidariedade” desenvolvida pelos alunos junto dos Doentes dos serviços de Medicina I, II, III e IV e de Ortopedia I e II tornou, com certeza, este dia especial não só para os alunos como também para os Doentes, Familiares e Profissionais que connosco colaboraram.

Desde o ouvir das histórias contadas pelos doentes; o acompanhá-los na leitura; os jogos, quinestésicos, de memória e raciocínio, entre outros; a música; o canto; as ajudas às Assistentes Operacionais no período da refeição nos serviços de Ortopedia; bem como as ajudas na mobilização dos doentes foram atividades e ações que foram sendo concretizadas ao longo do dia.

Esta atividade, inicialmente prevista para quatro horas estendeu-se a 6 horas, e mais não fosse o tempo…

Como objetivos pretendia-se a aprendizagem pelo estímulo e pela experiência de desafios diferentes, o desenvolvimento de competências, melhorando assim a autonomia dos alunos e acima de tudo e como grande desiderato proporcionar a quem se encontra hospitalizado momentos de descontração, fazendo-os sorrir e principalmente transmitir-lhes esperança.

Como Diretora de Turma não poderia estar mais FELIZ! A atividade foi bem conseguida, contudo seriam ainda precisas outras tantas 6 horas, aproximadamente, para que as últimas atividades canto/música pudessem ter sido concretizadas em todos os serviços por onde passámos.

Não querendo engrandecer em demasia as atividades desenvolvidas pelos alunos desta turma, não poderia deixar de retratar dois episódios vividos, que merecem ser contados, foram muitos…

Para refletir…

Já no período da tarde, depois de iniciadas as atuações musicais, não entendemos ser oportuno tocar/cantar para dois doentes de uma das enfermarias do serviço de medicina já que as situações clínicas destes eram muito complicadas. Passámos então para a enfermaria seguinte e desta para a anterior por solicitação de uma familiar que, de lágrimas caídas e entre palavras e gestos de afetos (abraçando uma das alunas da turma), pediu para irmos cantar para o seu avô… um dos tais doentes para quem achámos inoportuno cantar. Sem palavras assim todos ficámos… e, comovidos, lá voltaram os nossos alunos à tal enfermaria para cantar e tocar para quem muito frágil se encontrava. Infelizmente não houve feedback da parte dos doentes, por não conseguirem mesmo… mas os familiares enternecidos, entre lágrimas, sorriram!

Outro episódio que quero ainda partilhar convosco foi o rasgar de um pequeno sorriso… muito difícil, mas que aconteceu apenas no final da atuação musical da Amélia Silva, do João Pires e do João Delgado. Uma senhora, com um acidente vascular cerebral, esteve praticamente sem reação durante uma atuação musical, e no final, com muita, muita dificuldade, lá conseguiu esboçar um pequeno sorriso e por debaixo do lençol uma das suas mãozinhas tremelicava, porque o que ela queria mesmo era levantá-la e dizer-nos adeus quando já estávamos de saída. Infelizmente não conseguiu, notando-se contudo o seu esforço. Não há dúvida que a musicoterapia, “arrisco-me a dizer”, faz milagres e contribui para melhorar até o dia-a-dia de quem se encontra Doente.

Cabe-me agora expressar publicamente os meus sinceros agradecimentos ao Diretor do Agrupamento de Escolas Verde Horizonte, Dr. António Almeida, pelo vislumbrar da importância de um projeto desta natureza e pela prontidão em permitir a realização do mesmo; ao Presidente do CHMT, Dr. Carlos Andrade Costa, igualmente pela confiança colocada na viabilização do projeto; à Dra. Anabela Vaz, do Gabinete de Gestão CHMT, pelo excelente acompanhamento à iniciativa, pela simpatia e por acreditar nestes jovens; ao Coordenador Chefe da Equipa de Enfermagem do Hospital de Abrantes, Enfermeiro António Pinto, pela receção no dia e disponibilidade demonstrada. E por fim, e não menos importante, quero agradecer às Sra.(s) Enfermeiras Chefes, Piedade Pinto, Helena Carvalho e Fernanda Andrade e às suas equipas/pessoal Assistente Operacional, pela dedicação, disponibilidade e bom humor, entre os afazeres diários difíceis… prontificaram-se sempre para nos orientar e acompanhar nas atividades desenvolvidas.

Aproveitando os agradecimentos, deixo ainda os parabéns aos “meus meninos do 11º A” pela brilhante entrega a este projeto, que ainda agora gatinha… FORAM MARAVILHOSOS! E em março de 2016 lá estaremos novamente, desta vez, no Hospital de Torres Novas, nos serviços de Pediatria, Nefrologia e Cardiologia.

Esta passagem pelo Hospital de Abrantes apesar de dura em emoções foi, sem quaisquer dúvidas, muito gratificante, pela mensagem que passámos, pelos mais simples gestos e rasgar de sorrisos, pelo feedback de quem nos recebeu, entre eles Familiares e Doentes, e por contribuir para tornar os alunos do 11º A mais capazes…

Obrigada a Todos!

A Professora: Cláudia Olhicas de Jesus

VISITA DO SR. MINISTRO DA EDUCAÇÃO

Este slideshow necessita de JavaScript.

(Clica aqui para veres a reportagem fotográfica completa.)

No passado dia 10 de dezembro, o sr. Ministro da Educação e Ciência, prof. Doutor Nuno Crato visitou o Agrupamento.

Do programa constava a inauguração das novas instalações na Escola Básica de Mação, seguida de uma sessão, no auditório da Escola Sede, subordinada ao tema: Projeto de Partilha Pedagógica com Timor.

Cerca das 16:40h, o sr. Ministro, juntamente com outras individualidades, nomeadamente o sr. Diretor Geral dos estabelecimentos Escolares, Dr.José Alberto, professores oriundos de Timor, acompanhados dos respetivos Diretores de Escola chegaram à escola Básica de Mação.

Na sala polivalente do bloco C, os alunos do ensino pré-escolar e 1º ciclo brindaram todos os presentes com a apresentação de algumas músicas de Natal, seguindo-se a apresentação dos discursos do sr. Presidente da Câmara Municipal de Mação e o sr. Ministro da Educação. A visita às instalações da Escola Básica encerrou esta primeira etapa.

Seguidamente, todos os presentes foram recebidos no auditório da escola sede do Agrupamento. Esta sessão iniciou-se com a bonita declamação de um poema de Fernando Pessoa, pela aluna Clara do 7º ano, seguindo-se a Francisca Correia, que, brilhantemente, entoou três fados. A sessão prosseguiu com a apresentação, pelo Diretor, José António Almeida, dos principais projetos que norteiam a vida do Agrupamento e também com uma retrospetiva da presença do professor timorense, Carlito Ximenes Fernandes, no Agrupamento, à qual se seguiu um emocionado discurso do próprio Carlito. A emoção de todos os presentes era grande, as lágrimas não brilhavam só nos olhos dos professores timorenses… Todos quiseram partilhar as suas experiências e vivências, o reconhecimento e gratidão estiveram presentes nas palavras e corações dos professores timorenses. Afinal, viveram tantas coisas novas, aprenderam tanto, sentiram tanto…

A visita terminou com um jantar no Restaurante pedagógico do Agrupamento, confecionado e servido pelos alunos dos cursos de Cozinha e Serviços de Restauração. O sr. Ministro teve oportunidade de constatar, «in loco», que estes cursos profissionais não funcionam bem apenas nas escolas profissionais, também as escolas direcionadas para outras ofertas educativas os podem ministrar com excelência.

As emoções estavam longe de terminar. Em local de destaque, encontrava-se um bolo que pretendia homenagear os dois países: Portugal e Timor, através do desenho das bandeiras de ambos os países.

No dia 19 de dezembro estes professores timorenses partirão rumo às suas famílias e país. Desejamos que este Projeto de Partilha possa ter continuidade no futuro e, a estes profissionais, que não esqueçam o que aprenderam e possam, tanto quanto possível, replicar estes conhecimentos junto da comunidade timorense!

A Todos um Feliz Natal!

Texto: professora Rufina Costa

Fotos: professor João Pinheiro

e

professora Margarida Cardoso

Sarau Cultural de Fim de Ano

DSC09802wtmk, upload feito originalmente por pinheirodeabrantes.

A parte letiva do ano 2011-2012 terminou ontem com um magnífico Sarau Cultural, no Cine-Teatro de Mação, que viu a sua lotação máxima esgotada mais uma vez!

Como podem ver pela reportagem fotográfica que aqui se apresenta (clicar para ver todas as fotos), a atividade foi um verdadeiro sucesso. Podemos dizer que foi um verdadeiro estrondo cultural!

A sua realização contou com a participação entusiástica de todos os elementos da comunidade escolar: alunos, professores, auxiliares de ação educativa,  bem como de várias entidades, das quais destacamos a Câmara Municipal de Mação e a Associação de Pais e Encarregados de Educação da nossa escola.

Mais uma vez ficou demonstrado que, com o empenho de todos, podemos construir um futuro melhor para os nossos jovens, pois a brincar pode-se aprender bastante.

Por este ano as atividades letivas e extra-curriculares chegaram ao fim. Desejo a todos, em nome de todos os que contribuíram para levar a vós este jornal, uma ótima preparação para a realização dos exames que se iniciam na próxima segunda-feira, bem como a sua ótima realização, seguidas de umas retemperadoras e merecidas férias. Para aqueles que agora as iniciam, que elas comecem em grande e que assim continuem.

Não deixem de espreitar para este vosso jornal pois, ao longo das férias, serão aqui colocadas algumas novidades…

Até sempre…

Texto e fotos: professor João Pinheiro

P.S. Era giro se deixasses um comentário a esta notícia a contar-nos o que achaste do Sarau. Clica em: Deixar comentário para fazeres isso. Obrigado.

Última reportagem de férias

As minhas férias

Eu, tal como muita gente no mundo, adoro as férias. Tive umas férias que adorei. Começámos, eu e a minha família, as nossas férias no princípio de Agosto e acabámos no fim do mês, deu um total de vinte e seis dias de férias; a acampar, a ir à praia, a visitar museus, a experimentar comidas novas ou diferentes, a trazer lembranças e a aprender coisas verdadeiramente interessantes.
Na minha opinião, existem vários tipos de férias: as boas e as más. As férias más, são aquelas em que se passa os dias a trabalhar, o que é completamente o contrário das minhas, as quais eu considero boas.
Existem ainda as férias “secantes” que já são mais raras, porque chamam-se férias, mas nem isso são. Férias “secantes” são passar todo o dia a estudar ou a trabalhar e só se pára para comer, é no fundo uma espécie de castigo por alguma coisa que não se conseguiu, como, por exemplo, não se ter passado de ano.
No que me diz respeito, vou tentar sempre não ter férias “secantes”, não sei se isso será possível, mas uma coisa eu sei, as minhas férias foram óptimas.

Leonardo Costa, 8ºB

Reportagem de férias

Férias de Verão

As minhas férias começaram por uma semana no Algarve (Armação de Pêra). Terra que nem conhecia e passei a conhecer. Toda aquela imensidão de praia maravilhosa em que, enquanto lá estive, de manhã estava maré baixa e depois, à tardinha, ficava alta. Todos aqueles barcos que embarcavam para uma longa e douradora viagem e aqueles que delas chegavam. Aquele sol que brilhava intensamente deixando cair sobre as pessoas um bronze e por vezes até um “escaldão” juntamente com a brisa do mar. Já de noite, tudo mudava, o calor do sol tornara-se o frio da noite (ficando um tempo estável), o reflexo da lua que pairava sobre o mar. E não ficava por aqui, havia sempre animações, tais como: concertos; pessoas a fazer de estátua (fazendo-o para ganhar algum dinheiro; jovens dando espectáculos de acrobacia…Havia também pessoas a vender artigos (bonecos, balões, algodão doce, pipocas…); pessoas que faziam pulseiras, caricaturas, pintura…
Assim passei parte das minhas férias.

Tânia Marques, 8ºB