Final de Ano

Festa de despedida

Há tradições que já não são o que eram, outras continuam a sê-lo, outras ainda são reinventadas e acrescentadas.

A turma B do 8º ano conseguiu fazer um três em um – não foi só o nosso Ronaldo 😉 : lição 100 (há muito tida, mas recuperada pela comemoração), festa de aniversário de uma aluna e comemoração da última aula com festa de despedida feliz, pois não se trata de um “Adeus”, mas de um “até para o ano”!

Votos de excelentes prestações para os alunos que realizarão exames e de boas férias a todos os alunos!

Até breve, caros alunos!

 

Professora Anabela Ferreira

Anúncios

Uma obra crítica

 

Os Maias como obra crítica

                A obra Os Maias de Eça de Queirós é, sem dúvida, das obras a que melhor espelha uma sociedade numa época precisa.

Eça pretendia demonstrar a sociedade lisboeta decadente no século XIX, cujos episódios se relacionam com o subtítulo da obra, Episódios da vida romântica. O autor da obra criou vários personagens-tipo que ilustravam, por exemplo, a educação tradicional portuguesa, o ultrarromantismo, a educação britânica, o jornalismo, o novorriquismo, entre outros. O título da obra Os Maias remete para uma história romântica entre dois irmãos.

Considero que o escritor optou por escolher uma forma muito inteligente de demonstrar a sociedade naquela época. Para esse efeito utilizou: a descrição pormenorizada, a enumeração e a adjetivação que dão à obra uma riqueza literária.

A meu ver, Eça demonstra muito bem e com grande eficiência os ideais naturalistas, que são por sua vez: o meio ambiente, a educação e a hereditariedade. O criador da obra consegue criticar (usando personagens-tipo) a educação, por exemplo, contrapõe a educação de Carlos com a de Eusebiozinho, a educação britânica com a tradicional portuguesa.

Eça de Queirós na sua obra demonstra também a necessidade da sociedade lisboeta do século XIX, de se querer impor e ascender socialmente através do uso do chique e da luxúria, como é demonstrado no episódio de hipódromo e do jantar no Hotel Central.

Concluindo, na minha opinião, o livro Os Maias tem um enorme valor crítico que está presente em toda a obra. Eça conseguiu de forma bela e inteligente criticar a sociedade portuguesa evidenciando bem os seus costumes e defeitos.

 

Maria Margarida, 11ºA

 

Biblioteca Escolar

Encontra-se a decorrer na biblioteca da Escola Sede a Feira do Livro Usado.
Professor António Bento

Poesia Visual

 

Foto do professor António Bento

 

Durante o estudo do texto lírico, as turmas A e B do 8º ano elaboraram poemas visuais.

Destes trabalhos alguns integraram uma pequena exposição que esteve patente na biblioteca da escola sede do Agrupamento.

O gosto dos alunos e a sua criatividade revelaram que os nossos jovens estão despertos para a poesia, os seus significados e para a sua beleza.

 

 

Professora Anabela Ferreira

Comentário literário

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Conto “Natal” de Miguel Torga
Na minha opinião, considero este texto bastante importante, pois passa uma mensagem muito significativa sobre o Natal e a vida das pessoas que não têm família ou dinheiro ou por vezes ambas as coisas, como neste caso.
Considerei, ao início, que este texto fosse um pouco monótono e igual a tantos outros já vistos, pois este tema –O Natal – é um tema bastante comum, mas enganei-me, pois até a linguagem do texto, para mim, a considerei acessível a pessoas de várias faixas etárias. O desfecho do texto foi também muito interessante, especialmente porque não estava à espera que acabasse deste modo.
Posso concluir que este texto transmite algumas coisas importantes e uma delas é prestar mais atenção às pessoas, pois, por vezes, sentem-se sozinhas e sem ninguém e deveríamos sempre ajudá-las e fazer o nosso melhor para que se sentissem bem. Em geral, penso que toda a gente deveria ler este conto, pois ensina-nos a olhar com outros olhos para estas pessoas sem família ou com muitas dificuldades.

Mariana Mendes, 8ºB

Opinião

 

 

Influência dos modelos de beleza

 

 

O ideal de beleza feminino é algo antigo, é uma construção social que varia de época para época.

O padrão de beleza já variou imenso, as figuras femininas já foram consideradas perfeitas com um índice de gordura maior do que apresentam agora. Atualmente, as figuras excessivamente magras que dominam os circuitos da moda funcionam como padrão de beleza.

Considero que, no século XXI em que nos encontramos, as principais influências dos modelos de beleza são as redes sociais e as figuras públicas que nelas se expõem, manipulando e seduzindo as figuras femininas que anseiam ficar como elas.

Por vezes pessoas mais débeis e menos estruturadas fomentam comportamentos miméticos que resultam em situações de anorexia e bulimia.

Certas pessoas para ascenderem socialmente sujeitam-se a qualquer tipo de comportamento, mesmo que esse não seja o mais adequado.

Na minha opinião, o ideal de beleza feminino não deveria ser um mero e inútil padrão físico, mas sim um padrão espiritual e de cultura. O nosso corpo não deveria ser algo que usássemos para nos vincarmos no mundo da moda ou para termos uma postura social altiva. O nosso carácter, atitude e bondade é que deveria ser, seguramente, uma arma para nós mulheres nos afirmarmos no mundo.

A anorexia e a bulimia são problemas sérios que afetam a nossa sociedade e as suas vítimas são pessoas que não se conseguem integrar no meio ao seu redor e, por isso, tentam aparentar o ideal feminino imposto pela sociedade.

Os circuitos da moda deveriam ser mais abrangentes e não tipificar e rotular medidas para as figuras masculinas e/ou femininas serem aceites.

Concluindo, o ideal de beleza feminino já se alterou e continua a alterar. No meu ponto de vista, as redes sociais, assim como as figuras públicas, deveriam combater esta tipologia sobre a influência dos modelos de beleza.

 

Maria Margarida, 11ºA

Agrupamento Solidário

 

 

 

 

“Mochilas Solidárias: Achas que a tua Turma podia incluir mais um aluno?”

 

A Educação não é a preparação para a vida, é a própria vida…” (Raquel Parente, 12º A). E, na intenção de contribuir, um pouco, para que algumas crianças em Cabo Verde possam sonhar e condignamente crescer na sua Vida Escolar, a turma do 12º A, a convite da Diretora de Turma, desafiou todas as turmas da escola a colaborar com a iniciativa “Mochilas Solidárias: Achas que a tua Turma podia incluir mais um aluno?”, campanha do projeto Cabo Verde, Associação juvenil dos Álamos, em Lisboa – projectocaboverde.wixsite.com. Nesta campanha era pedido a cada turma, interessada, a composição de uma mochila com materiais escolares e afins, para crianças dos 5 aos 17 anos. O desafio lançado pela turma do 12º A foi garantidamente um sucesso pois superaram-se as expectativas, conseguindo-se a composição, na sua maioria com materiais novos, de 29 mochilas, número acima das turmas existentes na escola Básica 2,3 Ciclos c/ Ensino Seundário de Mação. Angariaram-se ainda 20 estojos, alguns brinquedos, bonecas e várias mochilas vazias. A entrega das Mochilas Solidárias, à Associação Juvenil dos Álamos, realizou-se na semana de término das aulas para o 12º Ano, na nossa Escola, a uma representante da Associação. A entrega em Cabo Verde poderá posteriormente ser acompanhada no site da Associação, por altura do verão! Está atento!

 

A Turma do 12º A agradece o envolvimento das turmas 5.º A (4 mochilas), 5.º B (1 mochila), 6.º A (2 mochilas), 6.º B (2 mochilas), 6.º C (1 mochila), 7.º B (1 mochila), 8.º A (1 mochila), 8.º B (1 mochila), 9.º A (1 mochila), 9.º B (1 mochila), 10.º A (1 mochila), 10.º B (2 mochilas), 10.º C (2 mochilas), 11.º A (2 mochilas), 11.º B (1 mochila), 12º A (2 mochilas) e 12º C (1 mochila). Agradece ainda ao Agrupamento de Educação Física (1 mochila), à Professora Graça Dias (1 mochila) e ao Clube Europeu e Agrupamento de Educação Física (1 mochila). Agradece igualmente ao Professor José Gonçalves, à Professora Ana Montargil, às Assistentes Operacionais, Rosário Casola e Ana Alves pelos materiais oferecidos e ainda a todos os Diretores de Turma, Professores e Assistentes Operacionais envolvidas que, de coração, se envolveram nesta iniciativa.

“E que o mundo mágico da infância…  acompanhe, SEMPRE, os meninos de Cabo Verde!” (Ana Vicente, 12º A)

 

A professora Cláudia Olhicas