Poesia

As palavras

São azuis como o céu e as águas brilhantes dos rios, dos lagos e do mar

Voam como as aves que rasgam o céu indo para Sul

Planam como os papagaios de papel dourado

Sopram como o vento nas tempestades

Flutuam como os dentes de leão

Aquecem todos os que as ouvem como o Sol e a fogueira

Com elas escrevo saúde, amor, família, planeta e sonhos.

A minha história num poema…

 

Texto poético coletivo, 7ºA

 

Receitas do 12ºB

Croissant

 

ingrédients

300g de farine sans levure;

140 ml d’eau;

140 ml de lait demi-écrémé;

55 g de sucre en poudre;

40g de beurre non salé;

11 g de levure de boulanger;

12 g de sel;

280 g de beurre non salé;

1 jaune d’oeuf M.

 

Les procédures

MASSE:

  • 1 : sur un large et lisse banc, mettre la farine en tas puis faire une tombe au milieu. Ajouter le lait lentement.
  • 2 : Ajouter le beurre et la levure et le crumble, ajouter tous les ingrédients progressivement.
  • 3 : Engager des mouvements concentriques.
  • 4 : Commencer à travailler la pâte à deux mains jusqu’à ce qu’elle soit homogène.
  • 5: Former une boule et placer-la dans un bol large et profond. Couvrir avec du film alimentaire. Laisser le bol à la température ambiante et laisser-le lever pendant 15 à 30 minutes.
  • 6: Couper le beurre en tranches et les placer alignées entre deux feuilles de papier sulfurisé.
  • 7: Rouler la pâte jusqu’à former un rectangle de 1 mm de hauteur.
  • 8: Réserver le beurre entre des feuilles de papier sulfurisé (dans un endroit frais).
  • 9: Étendre sur un comptoir fariné.
  • 10. Mettre le beurre sur la pâte et retirer la feuille de papier sulfurisé.
  • 11. Plier la pâte en quatre parties.
  • 12. Étendre et plier la pâte 5 à 6 fois pour créer de fines couches dans la pâte. Sacher que la pâte ne doit pas rétrécir et que le beurre ne doit pas fondre. Si cela se produit, remettre la pâte au réfrigérateur (maximum 30 minutes).
  • 13. Jeter les côtés de la pâte et observer les fines couches – le succès de la pâte réside dans la fusion parfaite de la pâte avec le beurre.
  • 14. Étaler la pâte parfaite en forme de rectangle. Faire une coupe longitudinale.
  • 15. Couper les triangles le long de la masse comme dans l’image.
  • 16. Rouler le croissant:
  • (1.) Étendre légèrement la pointe du triangle.
  • (2. )Couper la base du triangle
  • (3. )Rouler jusqu’à former un croissant
  • (4.) Tourner légèrement les pointes des croissants vers l’intérieur.
  • 17. Placer les croissants sur une plaque à pâtisserie recouverte de papier sulfurisé et laisser reposer 30 à 40 minutes. Badigeonner de jaune d’oeuf et cuire à 180 ° C pendant 20 minutes ou jusqu’à coloration dorée.
  • 18. Les croissants sont prêts à manger. Accompagner de confitures ou de pâte à tartiner.

 

 

Trabalho realizado por:

Daniel e Diana, Disciplina de Comunicar em Francês

Exposição “Perspetiva Cónica do Quadrado”

 

Esteve patente entre os dias 27 e 31 de janeiro a exposição com o tema “Perspetiva Cónica do Quadrado” com trabalhos do 9º ano, da turma B, estes realizados na disciplina de educação visual.

Os alunos utilizaram para a sua concretização várias técnicas, tendo esta unidade de trabalho como objetivo a perceção do objeto em 3D a partir de um ponto de vista do observador.

Professora Camila Fernandes

Notícias da L.E.C.A.

In Contos de Encantar

 

Pulgas e Pulguinhas

            Era apenas um dia numa tarde de novembro em Ferreira do Zêzere, quando a Joana decidiu adotar um cão, pois morava sozinha e queria companhia .

Mas como ela não era muito decidida, ligou à mãe para perguntar se podia ir com ela:

-Vá lá, mãe, é só desta vez, eu juro!

-Está bem, filha, mas já devias tomar as tuas próprias decisões.

Quando a mãe chegou a casa dela, começaram por escolher onde iriam.

-Serra da Estrela.

-Não, muito longe – prosseguiu a mãe.

-Abrantes, pode ser?

-Hum… acho que sim.

-Ainda bem.

Chegaram a Abrantes, elas escolheram o cão e foram embora.

-Au, au  – ladrava o cão alegremente.

-Fizemos bem em adotar este pastor alemão – comentavam as duas.

Todavia, entrou em casa, já sozinha, e esqueceu-se de lhe dar banho e ele estava cheio de pulgas e pulguinhas.

Jantaram e tinha chegado a hora de ir dormir. Como era o primeiro dia com o cão, dormiu com ele na sua cama.

Escaparam-se horas e horas, o despertador tocou, levantou-se e tomou o pequeno-almoço, sentou-se no sofá e esperou o cão acordar.

-Hahaha – ria ela enquanto assistia à televisão – o que é isto,… estou cheia de comichão …, devia de ter dado banho ao cão!…

Como ela era comichosa , preguiçosa e corajosa , passou a dar , todos os dias , banho ao cão.

 

Inês Jesus Ferreira, 7ºA

Notícias da L.E.C.A.

A CRISE MAIS INESPERADA

Elianor vivia numa tribo no deserto do Saara, na qual era rainha. Infelizmente, passava-se por uma crise de fome (tanto os humanos, como os animais).

Quando, subitamente, lhe apareceu uma alcateia de lobos esfomeados, que perseguiam os elementos da tribo até à morte.

-Minha duquesa, estão a aproximar-se animais famintos, que podem comer tudo e todos. – disse o conselheiro.

-Eu ordeno-vos que migrem para Portugal, lá haverá comida e bebida suficientes para nós.- decretou a minha irmã.

E assim foi, refugiaram-se na serra da Estrela. Mas, antes, pararam numa mercearia perto de lá.

-Onde posso encontrar alimento? – perguntou ela.

-Segue em frente, no corredor à direita. – respondeu a senhora da mercearia desconfiada.

Continuaram a migração, até que avistaram uma montanha.

-Deve ser aqui! – exclamou um membro da tribo.

-Avancemos.

(Que história bizarra!)

Subiram ao cimo da serra, onde encontraram o Pai Natal e o

Génio da Lâmpada.

-O que são vocês? – perguntou o grupo.

-Ainda não nos conhecem? –murmuraram os dois.

-Aaahh! É o gordinho que rouba leite e bolachas às crianças e o outro é uma manta azul que flutua e que vem de uma lâmpada velha e enferrujada. – prosseguiu o massagista da rainha.

-Shiuu! Calem-se plebe! Quero ouvir o que eles têm a dizer.

-Para provarmos que vocês são mentirosos, iremos, daqui a uma semana, conceder quantos desejos vocês quiserem!

E passou-se uma semana, e lá estavam eles à espera do Pai Natal e do Génio da Lâmpada.

-Vossa excelência – disse o conselheiro – eu acho que eles nos enganaram.

-Não, jamais! Esperem mais um pouco.

Passaram horas e sem sinal deles!

Será que eles foram mentirosos?

 

 

Inês Jesus Ferreira e Diana Oliveira, 7ºA

 

Festa da Francofonia no Agrupamento

La France Chez Nous é a atividade que marcará a segunda semana de março, de 9 a 13 – com um ciclo de cinema em francês. Na terceira semana – no dia 19 de março – será a vez da gastronomia francesa, celebrada com a doçaria típica no dia dos crepes.

O Agrupamento de Francês e o Clube de Francês colocarão à disposição da comunidade escolar cerca de 500 minutos de cinema e um dia de doçaria.

O auditório da escola-sede será o palco do Ciclo de Cinema em Francês – com o visionamento de dois filmes passados em três dias: “Qu’est-ce qu’on a fait au Bon Dieu?” – um casal católico francês vê as suas quatro filhas casarem com homens de diferentes religiões e origens. Este filme, com 1 hora e 37 minutos de duração, de Philippe de Chauveron e Guy Laurent, edição de 24 julho de 2014 (em Portugal), Francês, será apresentado com legendas em português – e “Ratatouille” – um rato que sabe cozinhar faz um acordo com um jovem cozinheiro que trabalha num restaurante famoso. Filme com a duração de 1 hora e 51 minutos, de Brad Bird e Jan Pinkava, de 15 de agosto de 2007 (Portugal), realizado nos EUA, mas dobrado em francês, apresentado com legendas em português.

O acompanhamento dos alunos será realizado pelo respetivo professor que possui a turma no seu horário.

Será dada prioridade às turmas das disciplinas de Francês e de Comunicar em Francês.

Quanto à celebração do palato, a doçaria francesa comparecerá no Dia dos Crepes (e da Galette des rois) .

A tabela infra esclarece da distribuição das horas do evento cinematográfico e das turmas envolvidas.

 

  Segunda dia 9 de março Quinta dia 12 Sexta dia 13
9-9.50   10ºC, 10ºB, 11ºB  
9.55-10.45
 
13.50-14.40 9ºA, 9ºB, 12ºB   8ºA
14.45-15.35
15.45-16.35 7ºA   7ºB, 8ºB
16.40-17.30

 

Venham comemorar connosco a Festa da Francofonia!

 

 

A Coordenadora do Agrupamento de Português, Francês e Espanhol,

 Anabela Ferreira.

Concurso Nacional de Leitura 2019/2020

Fase Municipal

 

4 de fevereiro às 10h e 30m

Decorreu no Auditório Elvino Pereira

 

1º ciclo6 alunos

-Catarina Filipa Lourenço da Silva

-Clara Campos Pereira Fernandes Cardoso

-Mafalda Sofia Lourinho Martins da Silva

-Miguel Piçarreira Fernandes

-Sofia Alexandra Cordeiro Matias

-Vasco Miguel Pires Nicolau

 

Obra a concurso:

A Menina que Queria Salvar os Livros de  Klaus Hagerup‎.

 

2º ciclo-6 alunos

5º ANO:

Turma B
-Ana Claro; nº 1;
-Beatriz Lopes; nº 4;

 

6º ANO:

Turma, A
-Madalena Estrela.
Turma, B
-Catarina Cerdeira; nº 5;
-Clara Loureiro; nº 6;
-Sofia Cabrita; nº 17.

Obra a concurso:
O Barco das Crianças de Mário Vargas Llosa

 

 

3º ciclo- 6 alunos

7º ANO:

Turma, A
– Jéssica Moucho; nº 7;
-Martim Estrela; nº 13;

Turma, B
– Maria Carolina Matos; nº 11;

9º ANO:

Turma, A
-Ângelo Silva;nº2;
Turma, B
-Margarida Saramago; nº 11;
-Rafael Lobo; nº 13.

Obras a concurso:
Os livros que devoraram o meu pai – A estranha e mágica história de Vivaldo Bonfim de Afonso Cruz

 

 

Secundário-3 alunos

Turma 10ª A

-Saúl Santos; nº 7;
-Mariana Mousaco; nº
– Sancha Ramadas; nº 20

Obra a concurso:
O Pintor Debaixo do Lava-Loiças de Afonso Cruz

 

Júri: Perpétua Marques, Vereadora Margarida Lopes e a autora convidada Evelina Gaspar.

 

Professor António Bento

Notícias da L.E.C.A.

 

O Acidente Inesperado

            Luísa morre num acidente de carro na A23, após a colisão com uma grande carrinha preta, que fugiu sem prestar declarações, fazendo-se passar por pessoas importantes, deixando-me com o meu tio Ilídio.

Enquanto explicava a triste história a meu neto Sharovski, ele interrompeu-me perguntando:

– E encontraram-nos?

– Não, mas prometi vingança! – expliquei-lhe eu.

– Então, será feita, amanhã de manhã.

No dia seguinte, partimos sem rumo, só voltaríamos com a prometida vingança. Após longa viagem, encontrámos uma carrinha preta com várias semelhanças, e aproximámo-nos dela. Estávamos cada vez mais perto, até que começámos a reconhecer algumas caras.

-Tio, o que fazes aí? – disse eu.

-É o meu trabalho, e nessa altura eu ainda não estava integrado nesta sociedade.

– Mas porque é que decidiste entrar nela, depois do que aconteceu?

– À procura de provas, mas sem sucesso!

– Porque não nos contaste?

– Não tive coragem… – justificou-se.

– Somos família, devias ter confiado! – Disse o meu neto desapontado.

– Desculpem-me.

– Nós perdoamos-te, pois já foi há muito tempo e já não tem muita importância teres escondido, só tens que prometer que da próxima irás confiar em nós. Juntos podemos mais contra as injustiças.

– Prometo…

 Inês e Luana, 7ºA

Receitas do 12ºB

 

CROQUE MONSIEUR

INGREDIENTES:

  • 8 fatias de pão de forma
  • 1 chávena de queijo ralado
  • 4 fatias de presunto
  • 4 fatias de fiambre
  • 4 fatias de queijo
  • 1 pacote de béchamel
  • b mostarda
  • b tomilho

 

CONFEÇÃO:

  1. Pré-aqueça o forno a 200°C;
  2. Coloque no tabuleiro do forno as fatias de pão de forma para que tostem ligeiramente, cerca de 5 minutos;
  3. Retire depois o pão do forno e unte cada fatia com a mostarda;
  4. Por cima, coloque uma fatia de presunto, outra de queijo e ainda outra de fiambre;
  5. Cubra com outra fatia de pão de forma e coloque na travessa de ir ao forno;
  6. Regue com o béchamel e polvilhe com o queijo ralado;
  7. Leve ao forno a gratinar, por cerca de 10 minutos;
  8. Selecione agora a grelha superior e deixe que ganhe um ligeiro tom dourado por cima;
  9. Antes de servir, polvilhe as sanduíches com raminhos de tomilho ou salsa picada (opcional).

 

 

 

CROQUE MONSIEUR

 

INGRÉDIENTS:

  • 8 tranches de pain
  • 1 tasse de fromage râpé
  • 4 tranches de jambon
  • 4 tranches de jambon
  • 4 tranches de fromage
  • 1 botte de béchamel
  • qb de moutarde
  • qb de thym

 

CONFECTION:

  1.   Préchauffez le four à 200°C;
  2.   Placez les tranches de pain dans la plaque à four de manière à les faire griller légèrement, environ 5 minutes;
  3.   Retirez le pain du four et graisser chaque tranche avec de la moutarde;
  4.   Sur le dessus, mettre une tranche de jambon, un autre de fromage et un autre de jambon;
  5.   Couvrir avec une autre miche de pain et placer dans un plat allant au four;
  6.   Arroser de béchamel et saupoudrer de fromage râpé;
  7.   Cuire au four pendant environ 10 minutes;
  8.   Maintenant, sélectionnez la grille du haut et laissez-la prendre une légère teinte dorée dessus;
  9.  Avant de servir, saupoudrez les sandwichs de branches de thym ou de persil haché (facultatif).

TRABALHO ELABORADO POR:

DANIELA MATOS, JOANA LEITÃO e MARIA GOMES, 12º B.

 

Notícias da L.E.C.A.

 

A História de Felisberto Tim-tim

          Era uma vez um menino chamado Felisberto Tim-tim.           Felisberto Tim-tim desejava ser um dos cavaleiros da Rainha, mas esse desejo acabou por não se realizar. Felisberto Tim-tim foi para casa muito triste a pensar em convidar os seus amigos para se animar, mas todos disseram que não podiam ir, naquela tarde. Ao lado da casa do Felisberto Tim-tim, havia um café, onde estavam sempre senhores a jogar às cartas muito animados.

Quando estavam a acabar as férias, encontrou um colégio muito bom, onde ele se conseguiu inscrever.

Naquela altura, eu também entrei naquele colégio e acabei por conhecer o Felisberto Tim-tim. Quando o vi fiquei impressionada por ele ser tão radical e tão severo.

Dirigi-me a ele e perguntei:

-Está tudo bem contigo?

-Mais ou menos! – respondeu Felisberto Tim-tim.

-E já agora como te chamas?- perguntou Felisberto Tim-tim.

-Eu chamo-me Josefina – respondi-lhe.

Passado algum tempo, numa visita ao Museu da Vida, acompanhados pelo Diretor do Colégio e pela nossa professora de História, eu e o Felisberto acabamos por fazer um disparate. E o Diretor muito aborrecido disse:

-Meninos! Quando voltarmos ao colégio estão de castigo.

Quando chegámos ao colégio, o Diretor nem teve tempo de falar connosco, porque nós fomos logo embora.

De seguida, Felisberto Tim-tim chegou a casa muito cansado, mas recebeu uma carta da Rainha a dizer:

-“Felisberto Tim-tim, se quiseres tentar ser um dos meus cavaleiros, convoco-te para estares em frente ao castelo pelas 15H:45M”.

Felisberto Tim-tim, muito feliz, não conseguia dormir naquela noite.

No dia seguinte, Felisberto Tim-tim foi à prova dos cavaleiros e eu acompanhei-o. Passadas muitas lutas na arena, só sobrou ele e um dos cavaleiros mais fortes existentes na terra. Mas felizmente para ele, e infelizmente para mim, ele ganhou e tornou-se um cavaleiro da Rainha. Nesse momento comecei a chorar, porque nunca mais o ia ver no colégio.

Enviei-lhe uma carta de agradecimento pelas brincadeiras e barafundas que fizemos juntos. A partir daí nunca mais o voltei a ver.

 

António Mendes e Miguel Leitão, 7ºB