Texto de opinião sobre as diferenças étnicas, religiosas, políticas e sociais

Martin Luther King, um conhecido ativista norte-americano, disse num dos discursos que deu: “Tenho um sonho que os meus quatro pequenos filhos viverão, num dia, numa nação, onde não serão julgados pela cor da sua pele, mas pela qualidade do seu caráter.”

         Primeiramente, eu concordo com a opinião de Martin Luther King. Eu também quero que os meus futuros filhos cresçam num mundo onde não se é discriminado nem pelo seu tom de pele, nem pelas suas escolhas políticas e religiosas e nem pela sua condição social. Nós somos todos iguais e, para além disso, o que importa verdadeiramente é o carácter das pessoas.

         Por outro lado, devido a certos comportamentos de pessoas negras, a raça “branca” tende a rotular todos os “negros” como criminosos ou ladrões. Isso é errado, não é por um negro ou cigano ter uma ação incorreta que todos os ciganos ou negros têm essas atitudes.

         Digo o mesmo em relação a pessoas de diferentes religiões, não é por uma pessoa judia fazer algo incorreto que todos os judeus são agressivos. Isso depende do carácter das pessoas e não das suas escolhas de vida.

         Concluindo, penso que não devemos rotular as pessoas pelas suas escolhas ou características, devemos, sim, criticar construtivamente pelas atitudes. Termino dizendo que este tema ainda é muito discutido nos tempos de hoje.

 Inês Jesus Ferreira,  9ºA

Opinião: A Liberdade

  Será a liberdade uma vontade de realizarmos algo a cada momento? Ou será uma conquista de momentos fundamentais para vivermos uma plena liberdade?

  Muitos lutaram e morreram por quererem mais liberdade. Exercemos a liberdade através das nossas escolhas, mas nem todas as escolhas podem ser feitas, não porque não queremos, mas, sim, porque não podemos, como por exemplo, ao nascermos, não podemos escolher as nossas características físicas. Com o passar do tempo ficamos cada vez mais senhores da nossa vida e a ter de escolher a roupa que vestir, “escolher” a nossa vida profissional, o clube de futebol, etc.

   Infelizmente, nem tudo é um mar de rosas e várias pessoas morreram por querer ter liberdade. Temos o exemplo de Malala que foi vítima de um atentado por defender o direito das meninas de irem à escola no seu país. Sendo que nos dias de hoje as meninas frequentam a escola.

   Temos, outro exemplo, o de Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher a votar em Portugal, tendo conseguido que as mulheres hoje em dia tenham o direito ao voto.

   Atualmente, já estamos um pouco mais avançados com o direito à liberdade, mesmo assim existem pessoas que não têm esses mesmos direitos, infelizmente.

André Loureiro, 12ºA

A reflexão existencial em Caeiro e em Reis

Uma das principais características da poesia de cada um dos heterónimos pessoanos é a reflexão existencial.

   Dois dos principais heterónimos pessoanos, Alberto Caeiro e Ricardo Reis, têm uma visão, acerca do tema da reflexão existencial, diferente um do outro. Alberto Caeiro, o poeta da natureza, acredita que vive num espaço bucólico, ou seja, num espaço onde as coisas acontecem de forma natural e fluída, algo que este demonstra no seu poema “O Guardador de rebanhos”, por exemplo. No entanto, Ricardo Reis, o poeta clássico, demonstra uma visão da reflexão existencial diferente, este acredita no destino, ou seja, não importa o que façamos porque as coisas, ou seja,  tudo está destinado a acontecer, e não há nada que se possa fazer para mudar isso. Um dos seus poemas que exemplifica de maneira clara esta sua visão é o poema “Vem sentar-te comigo, Lídia”, neste poema o “eu” lírico utiliza muitas vezes a palavra “rio” como metáfora da vida, isto é, independentemente do que aconteça, o rio vai continuar sempre a passar, a correr, e o seu destino vai ser o mar, ou seja, a vida é uma passagem e o nosso destino, inevitavelmente, é a morte e não há nada que se possa fazer para mudar esse fim.

   Concluindo, a visão destes dois heterónimos pessoanos acerca da reflexão existencial distingue-se, pois segundo Caeiro tudo acontece de forma natural e fluída, já segundo Reis tudo o que acontece já está destinado a acontecer e ninguém, nem nada, pode mudar isso.

Ana Filipa Serras Alexandre, 12ºA-L.H

O Natal está a chegar

No jardim de infância de Mação respira-se Natal.

Ultimam-se os preparativos para a festa das famílias. As crianças elaboram,  com prazer, os presentes que irão partilhar com os seus familiares.

Atividades realizadas na turma JMac4.

Professora Olga Pereira

Opinião: O futuro dos Livros

                Hoje em dia são poucos os jovens que preferem ler um livro em vez de estarem agarrados aos ecrãs. São poucos os jovens que têm prazer em ler um livro. Tal como alguns adultos que preferem gastar o seu tempo livre a ver televisão ou estar no telemóvel em vez de ler um livro.

                Na minha opinião, considero que num futuro longínquo vão deixar de existir livros em papel. Inclusive hoje em dia já temos outras opções, como livros digitais nos nossos telemóveis, tablets e computadores.

                Hoje em dia, são poucas as pessoas que leem um livro por prazer, apenas por obrigação o fazem. No meu caso, eu adoro ler, sempre que vou a algum lado levo um livro atrás, muita gente acha estranho, mas, quando tenho tempo livre leio, o que é raro numa pessoa da minha idade.

                Concluindo, penso que no futuro haverá livros, mas serão escassos, ou pouco vistos. Em vez dos livros em papel teremos livros digitais.  

Margarida Moleiro, 10ºB

Opinião: Os livros como os conhecemos vão acabar?

 A sobrevivência do livro em papel é um tema recorrente na sociedade atual. É frequente ouvirmos dizer que os livros cairão em desuso como consequência do papel cada vez mais importante que a tecnologia tem nas nossas vidas.

  Eu acredito que os livros são objetos intemporais e creio que estes tal como os conhecemos continuarão a existir, nunca desaparecerão. É sabido que os humanos têm o hábito de se apegar bastante aos objetos que usam mais e o livro não é exceção, até porque os livros foram cruciais como principal forma de comunicação humana e divulgação de ideias, este hábito da utilização dos livros dificilmente cairá em desuso até porque estes são cada vez mais um objeto da moda, já que o gosto pelo antigo é como uma moda eterna e a tendência é de que os livros passarão gradualmente a ser um objeto antigo. Dou como exemplo os relógios, que já sofreram uma revolução tecnológica enorme e que hoje em dia podem ter tantas funcionalidades que a maioria de nós nem imagina, ainda assim é muito mais comum vermos pessoas a usar relógios de ponteiros.

  Concluindo, penso que sim, que os livros sobreviverão, apesar da provável diminuição da sua utilização. Ainda assim, espero e prevejo que este instrumento que já nos proporcionou tanta sabedoria o continuará a fazer durante muito mais tempo.

Martim Marques, 10ºB

Formação Prática de “Tag-Rugby

No passado dia 18 de junho realizou-se no pavilhão Gimnodesportivo da Escola Sede uma formação prática da modalidade Tag-Rugby.

Contou com a presença do diretor técnico da zona centro, da Federação Portuguesa de Râguebi, o professor Carlos Polonio, e teve o apoio na dinamização dos professores  David Facucho, Gorete Melo e Cláudia Olhicas. A formação visou promover, na escola, uma vertente do râguebi que apresenta menos contacto físico, e  por isso, se torna mais adaptada ao contexto escolar. Foi realizada com os alunos das turmas que finalizaram as atividades letivas e com as que tinham inscritas no seu horário, nesse dia, a disciplina de Educação Física. A formação foi também alargada aos alunos do 4º ano do primeiro ciclo, tendo a mesma sido realizada nas instalações da Escola Básica do 1º Ciclo de Mação. 
Cumpriu-se o plano de contingência da escola, pelo que todas as turmas passaram pela experiência separadamente. No total foram 200 os alunos que tiveram a oportunidade de experimentar uma modalidade diferente do habitual.

Foi um dia de muita prática desportiva com uma modalidade que cativou bastante os nossos alunos. 

Palavra final de agradecimento à Federação Portuguesa de Râguebi por todo o material gentilmente oferecido à nossa escola para futura implementação curricular.


Professor David Facucho Caldeira

Celebração do Dia Internacional da Dança

Caminhada ao Cabeça da Cruz – no dia Europeu do Melanoma

No passado mês, no dia 11 de maio de 2021, entre as 13h30m e as 15h10m, a turma do 8ºB, no âmbito da disciplina de Educação Física, em articulação com o Projeto de Educação para a Saúde, realizou uma caminhada, de quase 10 km, ao Cabeço da Cruz, Mação.

Antes de dar início à caminhada, a professora Cláudia Olhicas, reforçou a importância deste tipo de atividade como fator importante para a saúde, identificando os seus benefícios e alertou os alunos para a importância do uso do protetor solar, como medida preventiva dos riscos e malefícios decorrentes da exposição solar (neste dia assinalou-se o dia Europeu do Melanoma, o cancro mais agressivo de pele existente).

Quando chegámos ao Cabeço da Cruz,  registámos vários momentos, fotograficamente, para nunca nos esquecermos daquele dia tão divertido e degustámos um pequeno lanche. 

Foi uma aula diferente, em tempos de pandemia, mas tentando sempre cumprir as medidas de segurança (distanciamento social, utilização de máscara e desinfeção das mãos), pois acima de tudo queremos que a nossa vida volte o mais rápido possível à normalidade e que a pandemia termine com a maior brevidade possível!

Inês Martins Delgado, 8ºB

Página de um diário

Mação,24 de março 2012

Querido Diário!

Tudo começou na quinta-feira depois do almoço. Estava sentada a ler um livro debaixo de uma árvore. Eu sabia que não estava só, pois vi uma sombra a mexer-se. Quando eu olhei, vi que era uma menina que estava a chorar. Perguntei o que se tinha passado. Ouvi atentamente a conversa. Disse-me que um rapaz a tinha agredido. Não conseguia parar de tremer e o seu coração batia mais a cada minuto que passava. Depois fiquei ali uns minutos a consolá-la. Também recomendei que fosse fazer queixa do rapaz ao senhor Diretor, para que não voltasse a acontecer. Minutos depois o sr. Diretor chamou a atenção ao rapaz e disse-lhe que nunca mais o queria ver a maltratar as pessoas.

Até amanhã diário.

Leonor Pimenta, 8ºB