Solidariedade no Agrupamento

CAMINHADA SOLIDÁRIA – “AJUDAR CAMINHANDO”

30 DE MAIO 2018

No final do segundo período, alunos do 10º B, motivados pela professora de Educação Física, organizaram uma venda de iguarias, integrada na Escola Aberta, com a qual se angariou o valor de 81 euros e 50 cêntimos, que reverterá na íntegra para o Guardião do Tejo, Sr. Arlindo Consolado Marques. A este valor acresce a quantia de 93 euros e 50 cêntimos angariada recentemente com a caminhada Solidária, “Ajudar Caminhando”, a qual igualmente dinamizada por alguns alunos da turma do 10º B, e pela professora de Educação Física. “Ajudar Caminhando” decorreu na passada semana, dia 30 de maio de 2018, na localidade de Ortiga.

Não foram muitos os participantes, contudo a caminhada de 5 km fez-se repleta de entusiasmo, alegria, boas energias, e de memórias para mais tarde recordar!

Professora e alunos agradecem a todos os que caminharam por uma causa onde o mote foi a Solidariedade e a todos os que contribuíram e não puderam estar presentes! Obrigada à Câmara Municipal de Mação, pelo transporte, ao Carlos, do Grupo de Animação Turística da Incógnita, pelas sábias orientações, e ao Padrinho do Evento, Sr. Arlindo Marques, pela sensibilização para os problemas do nosso Tejo.

A professora Cláudia Olhicas

Anúncios

Um bem maior

 

Um bem maior

            O conhecimento histórico contribui em grande número para a preservação dos valores culturais e éticos de um povo, pois leva-nos à valorização de tudo o que antes era algo em que nem se pensava.

O tempo passou e com isto muita coisa mudou, os valores foram levados muito mais a sério, as pessoas têm mais direitos e são mais respeitadas, mas, através do conhecimento do passado, tudo tem sido mais preservado com o intuito de que assim se mantenha.

No nosso antes, muitas pessoas e até muitas sociedades tinham hábitos que podiam até ser normais aos seus olhos, porém, para nós, hoje em dia, tudo seria bizarro.

Por conseguinte, isto não são apenas acontecimentos de um dito passado, mas também de um presente que infelizmente ainda predomina em muitos e muitos países e sociedades, por isso muito do que nos resta é aproveitar e agradecer os valores de que usufruimos.

 

Mª João Delgado, 11ºA-CT

No futuro cabemos todos

Tecnologias em Comunicação: Tecnologias em Comunicação. tecnolcomunic.blogspot.com
Tecnologias em Comunicação:
tecnolcomunic.blogspot.com

Nos últimos tempos somos todos os dias bombardeados com novas tecnologias: fogões elétricos, aspiradores automáticos, tablets que juntam as tecnologias de computadores e telemóveis e até casas e carros controlados por controlo remoto. A adesão às novas tecnologias tem sido feita em peso. Isto não significa que aqueles montinhos de metal, por muito inteligentes que sejam, substituam as pessoas. Isso é impossível; apenas acontecerá se os humanos deixarem.
O impacto das tecnologias na nossa vida não nos irá tornar mais inteligentes ou mais ignorantes.
Por um lado, o uso das novas tecnologias no trabalho tem ajudado muitos profissionais, simplificando o seu trabalho, mas nunca substituindo-os. Por exemplo, nos hospitais, o uso das máquinas ventiladoras ajuda os doentes a respirarem melhor, mas não significa que o doente esteja bem. Os médicos e enfermeiros são indispensáveis em tratamentos e recuperações. As máquinas mantêm as vidas, mas não lhes dão consolo e carinho, coisa que só um humano consegue fazer.
Por outro lado, há quem use as novas tecnologias para puro divertimento, como consolas, jogos de computador, filmes, redes sociais, entre outros. Prova disso é o tempo que muitas crianças e jovens passam em frente a televisões e consolas. Eles não se tornam ignorantes por estarem a jogar, mas sim por perderem demasiado tempo com o que não lhes ensina nada. Há crianças inteligentes que também jogam com consolas.
Concluindo, as pessoas não se tornam mais ou menos inteligentes, mais ou menos capazes por aderirem às novas tecnologias. Tudo depende da forma como gerem o tempo em contacto com as máquinas em contraste com o tempo que gastam comunicando com as pessoas.

Joana Mousaco,
12ºA

Ajudar ainda é grátis!

www.africanewsagency.co.uk Ebola to last 'at least six months' - MSF Geneva, 16 Aug - (ANA) - The outbreak of Ebola in West Africa
http://www.africanewsagency.co.uk
Ebola to last ‘at least six months’ – MSF Geneva- (ANA) – The outbreak of Ebola in West Africa

Diz-se que o mundo anda uma calamidade. Mas porquê? O mundo não anda uma calamidade, as pessoas é que o tornam assim, quase virado de pernas para o ar.
Atualmente, as pessoas e o planeta têm sido alvos de diversos problemas. Entre eles podem-se destacar problemas atmosféricos, económicos, sociais, entre muitos outros. Se não fosse a solidariedade de centenas de voluntários, estes problemas agravar-se-iam bastante.
Por um lado, a nível mundial, podemos considerar calamidades a pobreza, a fome e as doenças presentes em muitos países de África. É urgente ajudar esses seres humanos. Um exemplo desta ajuda é a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF). Estes profissionais de saúde largam as suas famílias para enfrentar climas diferentes, estilos de vida novos e encarar situações, muitas vezes extremas, como várias doenças infeciosas.
Noutro ponto de vista, podemos considerar calamidades a nível nacional, as amplas alterações climáticas verificadas nos últimos anos. Durante o verão fazem-se sentir vagas de calor que levam à difícil época de incêndios florestais; durante o inverno, as tempestades, a abundante chuva e os ventos fortes deixam qualquer um “de cabeça perdida” com os estragos que provocam. Aqui, também é extremamente importante a solidariedade para que nestes tudo volte ao normal. Prova disto é o trabalho que os bombeiros voluntários exercem ano após ano. Durante o verão, enfrentam chamas e condições absurdas para proteger o que não é deles sequer. Durante o inverno trabalham arduamente limpando estradas, cortando árvores caídas, entre outros haveres, sem receberem um cêntimo a mais para o fazerem.
Concluindo, se todos ajudarmos um pouco que seja fazemos a diferença, no mundo. Hoje por eles, amanhã por nós!

Joana Mousaco,
12ºA

 

Injustiças

a-lupa-de-alguem.blogs.sapo.pt
a-lupa-de-alguem.blogs.sapo.pt

As injustiças na sociedade, segundo a minha opinião

 

Eu vou falar-lhes dos comportamentos incorretos ou pouco cívicos com que eu diariamente me deparo.

Considero este assunto importante porque devemos ter sempre presentes na nossa vida as regras da boa educação, como por exemplo: não faltar ao respeito aos mais velhos e não passar à frente na fila do almoço.

Eu penso que estes dois exemplos de atitudes incorretas que eu considero condenáveis são os mais frequentes.

A falta de respeito para com os mais velhos advém, muitas vezes, do facto de os mais velhos não conseguirem fazer as coisas tão bem como os mais novos. Mas é graças a eles que cá estamos, hoje.

E ao passar à frente na fila do almoço também se está a faltar à educação às pessoas que foram para a fila mais cedo e as quais têm de esperar mais tempo para almoçar porque a fila à sua frente aumentou, logo aumentou o tempo de espera na fila. Na nossa escola, existem duas filas: a dos alunos e a dos docentes e funcionários. Ambas devem ser respeitadas.

Para terminar, tenho a dizer e a realçar que devíamos ter sempre as regras da boa educação presentes na nossa cabeça.

Texto elaborado por: Tiago Fernandes, 8ºA

Imigração ilegal

lampedusa-www.portugues.rfi.fr
lampedusa-www.portugues.rfi.fr

Imigração ilegal e direitos humanos

               Cada vez mais o número de imigrantes ilegais aumenta, pessoas de diversos países subdesenvolvidos procuram melhores condições de vida noutros países.

            Muitas das vezes são mulheres grávidas e até crianças que partem em condições miseráveis dando o resto do dinheiro que tinham para conseguirem sair em busca de uma vida melhor para si e para os seus filhos.

            Destas viagens grande parte termina mal, com acidentes e mortes, muitas vezes devido a necessidades banais como acender uma fogueira para o seu próprio aquecimento ou devido às más condições do transporte ou à sobrecarga do mesmo.

            Os poucos que conseguem chegar ao seu objetivo enfrentam ainda muitas dificuldades, podem conseguir entrar no país ilegalmente e viver a vida que procuravam, mas também correm o risco de serem descobertos, sendo, na maior parte dos casos, repatriados.

            Imigrantes ilegais são pessoas como qualquer outra, por isso também têm os seus direitos, tanto à vida como a terem um tratamento digno e condições apropriadas e necessárias ao seu bem-estar, assim, apesar das suas situações, também merecem todo o apoio e as condições necessárias.

Cláudia Coluna, 11ºA

Écologie VI

Écologie
Notre planète est détruite, de sorte que nous devons la préserver.
Nous devons respecter la nature et la politique des trois R-réutiliser, réduire et recycler.
Voici quelques étapes à suivre:
* Rouler à vélo au lieu d´’utiliser la voiture;
* Ne pas jeter d’ordures dans les forêts;
* Ne pas polluer les rivières et les ruisseaux;
* Recycler;
* Réduire votre consommation;
* Ne pas couper des arbres sans autorisation;
* Réduire la pollution des usines;
* Ne gaspiller pas l’eau;
* Ne pas gaspiller l’électricité;
Si tous respectons ces mesures, nous ferons de notre planète un endroit plus propre et plus sûr ….
S’il vous plaît aider la planète…

Travail élaboré par :
Patrícia Esteves, Nº12 , 9ºB

Projeto + FRUTA + SAÚDE

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos de Mónica Maia 10º A

No âmbito da área curricular de Formação Cívica, três alunos da turma A, do 10º ano, o António, a Cláudia e a Marta do curso Científico Humanístico de Ciências e Tecnologias, mostraram aos seus colegas do 5º ano a importância de seguir uma alimentação saudável e de praticar desporto com o projeto + FRUTA + SAÚDE, enquadrado no tema da Educação para a Saúde, em estudo nas aulas de Formação Cívica. No início do mês de fevereiro, os alunos do 10º ano deslocaram-se às salas dos três quintos anos da escola sede para passar um powerpoint com dois filmes inspirados nos clássicos infantis O Capuchinho Vermelho e A Branca de Neve e os Sete Anões, adaptados de forma a mostrar exemplos de estilos de vida saudáveis, com a personagem do lobo mau a praticar desporto na floresta e os sete anões a saborear uma bela sopa de legumes… A fechar a apresentação, os alunos do 10º ano distribuiram uma maçã a cada um dos alunos das turmas de 5º ano. A fruta foi oferecida pela cantina escolar do agrupamento.  No final ainda houve tempo para pedir aos mais pequenos que tecessem alguns comentários sobre a atividade:

Gostei muito da apresentação, os colegas explicaram bem, continuem assim.

A alimentação saudável é para as pessoas comerem coisas boas, e para não comerem doces nem gorduras.

A alimentação saudável é para as pessoas aprenderem a comer fruta e antes lavá-la.

 Eu aprendi que devemos comer bem mas sem exageros e também que devemos fazer exercício físico. Gostei da apresentação.

Eu aprendi que ser saudável, não é só comer, mas também fazer exercício, e que a alimentação é importante para a vida. Podemos comer um bocado de tudo, mas o que faz bem é a fruta. Ex;. Banana, morango, etc.

Texto de Sílvia Ramadas

Comentários de alunos do 5º A, B e C