A importância do conhecimento histórico

A importância do conhecimento histórico

         Num determinado povo ou região é muito importante o conhecimento da sua história para a preservação dos valores culturais e éticos desse povo em específico.

A história serve para relembrar algo que aconteceu anteriormente, seja há muito ou pouco tempo. Por isso é que se diz qua “a história é testemunha do passado…”. Esta é algo que vai ficar para sempre, vai passar de geração em geração, acrescentando-se novos acontecimentos à medida que o tempo passa. A história é algo que deve ser preservado e devidamente aprofundado, com o objetivo de preservar os valores culturais e éticos de um povo.

Um povo, como por exemplo, os Índios têm uma religião específica, têm uma determinada cultura e costumes. O que os faz, atualmente, ter esses valores culturais e éticos é a história, ou seja, o passado, pois foi este que os fez ser como são hoje em dia, dando, assim seguimento às gerações anteriores.

Em suma, deve existir uma grande importância do conhecimento histórico, de modo a preservar os valores culturais e ético de um povo.

 

 

Daniel Patrício, 11ºA

 

Anúncios

A História: memórias e antepassados

 

A História: memórias e antepassados

A história do mundo, do planeta, da vida terrestre, da vida humana teve um início, bem lá no fundo dos nossos antepassados. E é graças a essa história e ao facto de se perpetuar no tempo e na memória humana que sabemos o que aconteceu nos tempos antigos, sabemos quais os factos e vivências que nos antecederam e que nos trouxeram até aqui, ao presente.

É-nos verdadeiramente importante e pertinente possuir os conhecimentos históricos, principalmente aqueles que remetem para a nossa cultura e para o nosso povo. É com este conhecimento que podemos continuar com as “nossas” tradições, com os “nossos” hábitos e com os “nossos” próprios valores: tudo aquilo que na Antiguidade se foi criando, evoluindo, até chegar a nós. E somos nós, orgulhosamente, que temos de dar continuidade a tudo isto para que não fique perdido no tempo.

Suponhamos que os nossos familiares não nos tinham ensinado nada sobre valores culturais e éticos, e que não havia livro nem texto que restasse para contar a história dos povos, quais iriam ser as nossas inclinações culturais e éticas? Pois, provavelmente não sabemos responder, até porque, muito provavelmente, sem a preservação dos valores que nos constituem enquanto povo, hoje não seriamos nós mesmos, não seríamos uma só nação, unida pela língua materna e pelos costumes.

Para concluir, podemos afirmar que a história é o que nos enuncia o passado e nos ensina a ser quem somos! A história são memórias e antepassados…

 

 

Clara Minhoto, 11ºA

Interculturalidade

Os refugiados

Atualmente no nosso mundo fala-se muito dos refugiados. São as notícias que dão no mundo inteiro.
Os refugiados têm saído muito dos seus países para a Europa, a União europeia tem acolhido muita gente. Mas algumas pessoas estão a vir para cá de barco e morrem afogadas, outras vêm dentro de camiões cheios de gente e morrem por falta de ar.
Essas pessoas fogem do seu país por causa da guerra e porque querem arranjar melhores condições de vida e um trabalho bem pago.
O meu país, por exemplo, está a oferecer alojamento, trabalho, comida e roupas a alguns refugiados. Muitos países europeus já estão a fechar às suas fronteiras para que não entrem mais refugiados no seu país.
Desde que os refugiados começaram a vir para a Europa, tem havido conflitos em alguns países. Algumas pessoas concordam com a vinda deles porque lhes podem ensinar um pouco da sua cultura e porque têm pena deles. Já outras não dizem o mesmo, dizem que para acolher refugiados mais vale apoiar os sem-abrigo do seu país.
Quanto a mim, considero que devemos ajudar estas pessoas, mas também concordo com que não devemos acolher muita gente porque gasta-se mais dinheiro com os refugiados do que com a população do próprio país.

Filipe Correia Serra, 9ºA

HORIZONTES – JORNAL ESCOLAR

Nasceu, na passada Quinta-feira, com o peso de 32 páginas cheias de notícias do nosso Agrupamento e com o alto patrocínio da Câmara Municipal de Mação, o irmão mais novo deste vosso jornal on-line. Chama-se Horizontes e nele podes encontrar algumas notícias que já foram abordadas aqui, bem como outras novas e passatempos para te divertires. Se ainda não tens o teu, não te esqueças de perguntar pelo Horizontes da próxima vez que fores à escola.
Texto e fotos: João Pinheiro