Receitas do 12º C

 

INGREDIENTES

 

150 g de  Chocolate NESTLÉ CLASSIC® ao Leite
meia xícara (chá) de manteiga
3 ovos
2 gemas
meia xícara (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de farinha de trigo peneirada
8 bolas de Sorvete de Creme NESTLÉ® 2 L

MODO DE PREPARAÇÃO

1-Num recipiente refratário, derreta em banho-maria o Chocolate NESTLÉ CLASSIC e a manteiga.
2-Noutro recipiente, bata os ovos, as gemas e o açúcar até formar uma massa cremosa.
3-Adicione a mistura de Chocolate derretido e mexa bem.
4-Acrescente a farinha de trigo aos poucos e mexa delicadamente, até incorporar tudo.
5-Unte com manteiga e polvilhe com farinha de trigo 8 forminhas pequenas (10 cm de diâmetro) e distribua a massa entre elas.
6-Leve ao forno médio-alto (200°C), pré-aquecido, por cerca de 10 minutos. Desenforme ainda quente sobre pratinhos individuais e sirva a seguir, acompanhado de uma bola de Sorvete de Creme Gourmet.

DICAS:
– O forno deve estar bem quente no momento em que for colocar os bolinhos, para que fiquem cremosos por dentro e firmes por fora.
– Ao tirá-los do forno, o centro ainda deverá estar mole.

INGRÉDIENTS

150 g de lait au chocolat NESTLÉ CLASSIC®
une demi-tasse de beurre
3 œufs
2 gemmes
une demi-tasse de thé
1 tasse de farine tamisée
8 boules de crème glacée NESTLÉ® Cream 2 L

PREPARATION

1-Dans un récipient réfractaire, faire fondre le chocolat et le beurre NESTLÉ CLASSIC au bain-marie.
2-Dans un autre récipient, battre les œufs, les jaunes et le sucre jusqu’à la consistance crémeuse.
3- Ajouter le mélange de chocolat fondu et bien mélanger.
4-Ajouter la farine lentement et remuer doucement jusqu’à incorporation.
5-Mettre avec du beurre et saupoudrer de farine 8 petites casseroles (10 cm de diamètre) et répartir la pâte entre elles.
6- Cuire le four préchauffé à température moyenne-élevée (200 ° C) pendant environ 10 minutes. Démouler encore chaud dans des assiettes individuelles et servir ensuite, accompagné d’une boule de crème glacée Gourmet Cream.

CONSEILS:

– Le four doit être très chaud au moment où vous mettez les biscuits pour qu’ils soient crémeux à l’intérieur et fermes à l’extérieur. –
Lorsque vous les retirez du four, le centre doit toujours être mou.

Bebiana Farias e Fátima Bento, 12ºC

Deixem respirar os direitos humanos!

O Clube Europeu do Agrupamento de Escolas Verde Horizonte de Mação, este ano, vivenciou o Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 de dezembro, de forma diferente, pois a estrela foram os Direitos Humanos de 3ª Geração – Ambiente.

A exposição pretende ser um alerta à população escolar para a importância de respeitar e preservar o planeta em termos de sustentabilidade, pois não há PLANETA B!

A Equipa do Clube Europeu

VIAGEM A FRANÇA/PROJETO ETWINNING

A aprendizagem de um idioma é uma preciosa ferramenta, uma ponte que permite atravessar fronteiras rumo à descoberta de outros povos e culturas, uma chave que abre a porta do conhecimento e do sucesso…
No presente ano letivo, os alunos de Francês do 3º Ciclo e Curso Profissional de Cozinha e Pastelaria – 11ºB – vão ter a oportunidade de participar num projeto inovador que promove uma inovadora e profícua interação entre escolas nacionais e internacionais: o Etwinning. O seu nome é “Atravessar fronteiras, alargar horizontes!”
Esta iniciativa nasceu do desejo de realizar uma viagem a França, promovendo, deste modo, a prática, o gosto pela descoberta da língua francesa e o conhecimento de novas culturas.
Para além da partilha de experiências, pesquisas e conhecimentos, o principal objetivo deste projeto é alargar horizontes, num ambiente comunicativo que, decerto, promoverá, de forma divertida e criativa, o desenvolvimento de competências no domínio da língua e cultura francesas, através de um trabalho colaborativo em intercâmbio com jovens de outros estabelecimentos escolares, nacionais e estrangeiros. De momento, o projeto irá desenvolver-se em parceria com a Escola Secundária Manuel Fernandes de Abrantes e também com alunos de Francês, Língua Estrangeira, de uma escola de Itália.
Esta iniciativa nasceu do desejo manifestado pelos nossos alunos de realizar mais uma viagem a França. Deste modo, embarcaremos, em conjunto com outras escolas, numa viagem real e/ou virtual com destino a Paris, “la Ville Lumière”, entre outras divertidas paragens.
Se o entusiasmo é grande, o resultado será, certamente, inesquecível!

As professoras: Clara Neves e Ana Gameiro

Texto Criativo

O livro viajante

 

Era uma vez um livro, mas não era um livro qualquer! Uma bíblia!

Essa bíblia era utilizada em muitas missas em Fátima (Portugal) até que se fartou daquela vida e decidiu que queria explorar o mundo, especialmente igrejas e bibliotecas.

Um certo dia, à noite e com muito vento, a bíblia saiu do seu local habitual e fez-se à aventura. Começou a bater as suas páginas como um pássaro e lá foi ela!

Viajou muito! Fez vários e vários amigos e amigas! Até que chegou a França! À Catedral de Notre-Dame, onde conheceu um livro especial! Um dicionário francês.

A bíblia e o dicionário andaram muito tempo juntos, visitaram a Torre Eiffel, o museu do Louvre e foram-se apaixonando um pelo outro.

Dez anos depois, já casados e com três filhos, a bíblia e o dicionário estavam em sua casa (Catedral de Notre-Dame) quando um incêndio começou. Eles, aflitos e à procura dos filhos, voaram dali para fora e foram ter ao sítio favorito dos seus pequenotes, perto do rio Sena.

Ao verem que estavam lá todos e bem de saúde voltaram à antiga vida da sua mãe (bíblia) que foi apresentar o mundo a todos eles!

E viveram felizes até à atualidade em que ainda andam à descoberta do Mundo!

 

 

João Durão, 10ºA

“La Toussaint”, a festa de todos os santos

No dia 1 de novembro, comemora-se em França La Toussaint  – o dia de todos os santos, também festejado no nosso país. Tanto em Portugal, como em França, é hábito prestar homenagem aos entes queridos que já partiram, pelo que os cemitérios se enchem de gente e de flores. 

Na nossa escola,  esta data foi assinalada com uma bonita exposição alusiva às suas tradições, com diversos trabalhos elaborados pelos alunos que estudam Francês. Eis mais algumas curiosidades sobre esta festa:

  • Nesta altura do ano, em que o outono já pinta de tons dourados a natureza e o primeiro frio se faz sentir, os alunos franceses podem gozar as suas primeiras férias escolares, durante um período de 15 dias.
  • Em Portugal, as crianças pedem bolinhos de porta em porta, no dia 1 de novembro, e deliciam-se com variadas e saborosas broas. E em França existe algum doce típico desta época? Os alunos de Francês foram pesquisar e descobriram que sim. Entre várias iguarias, destacam-se as deliciosas “niflettes“, um bolinho redondo feito à base de frutos secos, entre os quais as amêndoas e os pinhões.Por fim, aqui ficam alguns provérbios franceses alusivos a esta quadra:

             “Vent de Toussaint, terreur du marin.”

( Vento de “Toussaint”, o terror do marinheiro.)

           ” S’il fait du soleil à la Toussaint, l’hiver sera précoce”

( Se estiver sol no dia de “la Toussaint”, o inverno será precoce.)

À bientôt!

Professora: Clara Neves

 

 

 

 

 

 

Lendas

 

A Lenda de São Gens

Diz a lenda que há muitos anos atrás um grande incêndio queimou todos os pinheiros e vegetação da zona, à exceção de um determinado monte, onde o topo do monte continuou verdejante. Quando os aldeões se dirigiram ao local para verificar o acontecimento invulgar, encontraram uma imagem de São Gens, a quem atribuíram o milagre.
A imagem do santo foi levada para uma capela. Mas, no dia seguinte, tinha desaparecido tendo reaparecido no topo do monte, o processo repetiu-se no dia seguinte, mas o resultado foi o mesmo, desta forma os aldeões depressa perceberam que o santo queria permanecer no topo do monte e decidiram construir uma capela para lhe prestar homenagem.
No início da construção da capela o santo resolveu retribuir ao povo com um novo milagre e do meio do monte brotou água em abundância. Esta nova nascente corria pelos vales formando uma nova ribeira.
Não foi preciso muito tempo para que a água começasse a gerar conflito, de facto todas as povoações vizinhas queriam desviar o curso da ribeira de forma a serem abastecidas por esta água milagrosa. De forma a acabar com a confusão, São Gens realizou ainda um novo milagre. A água deixou de correr pelos vales, e apenas passou a aparecer na bacia da fonte, de onde desapareceria de imediato, quando transbordava. Durante o ano inteiro, a água continua a correr sem nunca sair da bacia da fonte. Esta água é apreciada pelas populações vizinhas. É-lhe atribuído o poder de dar apetite a quem dele tem falta.

Existe ainda, nos dias de hoje, uma romaria em honra de São Gens. Tradicionalmente era celebrada no dia 11 de janeiro, mas atualmente é festejada no sábado seguinte. Nesta romaria prova-se a água e também é costume benzer uns bolos secos semelhantes aos que se fazem no dia de todos os santos. Esta é a única altura do ano em que a capela pode ser visitada.

 

Lenda recolhida e adaptada por Inês Delgado, 7ºA

 

 

 

Lendas

A POMBINHA

     

Há já muitos anos faleceu uma mulher em Mação, deixando uma filha que vivia com o seu pai.

Este possuía uma horta no sítio do Vale Longe, vale muito fundo, rodeado de pinhais, que lhe davam um aspeto triste e misterioso. Certo dia, a filha foi à mesma horta colher hortaliça, viu sair dos pinhais uma pomba de cor escura que, esvoaçando ao redor dela, ora se adiantava, ora se atrasava, até que desapareceu nos pinhais dando gemidos. A rapariga assustou-se; mas não disse a ninguém o que lhe sucedera. Por mais duas vezes foi ao Vale Longe e acontecia sempre a mesma coisa, chegando a pomba a pousar sobre o cesto da hortaliça que ela trazia à cabeça; por isso, ao chegar a casa, contou ao pai tudo o que lhe acontecera e disse-lhe que não voltava mais ao Vale Longe. O pai, impressionado com a narrativa da filha, aconselhou-a a que voltasse ao local, que nada temesse, porque ele a seguiria de perto para a afastar e que ao aparecer-lhe proferisse as palavras que se costumam proferir quando alguma aparição misteriosa ocorre.

Assim foi. No dia seguinte, lá foi a rapariga para a horta e quando lhe apareceu a pomba escura, ela disse:

 

      “- Se és alma do outro mundo diz o que queres que te faça, mas se és o demónio eu te arrenego em nome do Padre, do Filho e do Espírito Santo!”, benzendo-se ao mesmo tempo.

E logo a pomba lhe respondeu:

      “- Eu sou a alma de tua mãe e não posso entrar no Céu por não ter cumprido a promessa de mandar dizer uma missa para eu poder gozar da bem-aventurança eterna.”

Depois do sucedido, a filha contou ao pai o que acontecera. No dia seguinte, o pai mandou dizer missa na capela do Espírito Santo, durante a qual a filha viu a mesma pomba andar esvoaçando ao redor do padre. Terminada a missa, a pomba escura transformou-se numa pomba branca

 

como a neve, veio pousar no colo da rapariga, beijou-a, levantou voo e sumiu-se subindo pelos ares fora. Era a alma da mãe que, agradecida, a beijava e agora já livre de encargos ia ver a face de Deus.

 

 

Texto adaptado por mim com base no original de Francisco Serrano e retirado do livro Elementos Históricos e Etnográficos de Mação, 2ªedição, 1998, páginas 157, 158

 

Inês Jesus Ferreira, 7º A 

A Lenda que Perdura na Capela de São Gens

 

Há anos atrás, num monte repleto de pinheiros e de matagais, houve um violento incêndio. Esse incêndio consumiu tudo exceto o cume desse mesmo monte onde sobreviveram apenas algumas touças de torça e alguns pinheiros, que continuaram verdejantes no meio daquela imagem cinzenta.

Algumas pessoas, curiosas, subiram até ao cume do monte para perceber o que se tinha passado. Encontraram então uma pequena laje, com a imagem de São Gens, crendo que o cume do monte não ardeu devido ao seu milagre. Pegaram na imagem e colocaram-na na Capela de São Mateus. No dia seguinte, repararam que o Santo tinha desaparecido da Capela de São Mateus e aparecido, como milagre, na laje que fora encontrada no dia anterior. O Santo voltou para a capela, mas, no dia seguinte, desapareceu novamente e foi encontrado mais uma vez na laje no alto do monte.

Com estes acontecimentos as pessoas interpretaram que São Gens estava a transmitir uma mensagem e que no cimo do monte teria e ser construída uma capela.

 

Jéssica Maria Nunes Moucho, 7º A

 

 

 

Objetivos

 

Mar Português

“Mar Português” é um dos mais belos poemas da Mensagem de Fernando Pessoa, que se engloba na segunda parte: Mar Português, curiosamente o título do poema… É um poema bastante interessante e com uma qualidade inigualável.

Os versos “Valeu a pena? Tudo vale a pena / Se a alma não é pequena” remetem para o sofrimento das mães que choraram a partida dos seus filhos, “quantas mães choraram”; para os filhos que rezaram para que os seus pais regressassem a casa vivos e de saúde, apesar de muitas vezes ser em vão, “Quantos filhos em vão rezaram” e para as futuras noivas, que não tiveram a oportunidade de se casar, devido à morte dos seus amados e futuros maridos, “Quantas noivas ficaram por casar”. Infelizmente, o que foi referido anteriormente foi uma realidade, que provocou um grande sofrimento a todos aqueles que tinham familiares e amigos a bordo.

Será que valeu a pena tanto sofrimento de modo a obter os objetivos? No meu ponto de vista, tudo vale a pena, porque para se alcançar algo de grandioso na vida é necessário sofrimento e espírito de sacrifício e, no final, a recompensa é superior a tudo o resto. Por exemplo, se lutarmos por aquilo que queremos chegaremos sempre ao objetivo final e quando se olhar para trás será possível verificar que valeu a pena todo o sofrimento. A insistência é algo muito positivo porque, por exemplo, se abdicarmos dos objetivos, haverá um arrependimento do que poderia ser feito e não foi.

Em suma, no meu ponto de vista, o esforço e a coragem para obter o que se quer é sempre algo muito positivo. É claro que tudo na vida implica sofrimento e dor, mas a recompensa será muito maior e vantajosa e, no fim, “Tudo vale a pena / Se a alma não é pequena”.

 

Daniel Patrício, 12ºA

Apreciação crítica a um cartoon

Que semelhanças

Este cartoon representa Donald Trump e Adolf Hitler em diálogo, mostrando apenas traços físicos característicos destas pessoas, com um balão de fala interligado entre elas. Como Donald Trump e Adolf Hitler são de épocas diferentes, o plano de fundo também é diferente, sendo que o de Donald Trump representa as tecnologias de hoje em dia, e o de Adolf Hitler, sendo branco, poderá representar o papel, que era a forma de comunicação da sua altura.

Na representação de Donald Trump, os aspetos físicos que fazem lembrar este homem são o cabelo loiro, o subtom de pele avermelhado e o seu fato azul, camisa branca e gravata vermelha. No retrato de Adolf Hitler ressalta o seu bigode e o seu fato bordeau com o símbolo nazi.

Este cartoon representa que, apesar destes serem de épocas da história completamente diferentes, têm princípios muito semelhantes. Adolf Hitler exterminou milhões de judeus, e pessoas com o tom de pele mais escuro, pois queria que a Alemanha tivesse apenas pessoas ideais, ou seja, pessoas com um tom de pele claro, olhos claros e loiras de preferência. Donald Trump é o atual presidente dos Estados Unidos da América, e apesar de não as exterminar, é contra as pessoas de pele negra, é homofóbico e extremamente nacionalista, ao ponto de mandar construir um muro na fronteira dos Estados Unidos da América com o México, com receio que os mexicanos passem a fronteira.

O cartoon demonstra como Donald Trump é parecido com Adolf Hitler nalguns aspetos da sua vida, fazendo parecer que estes se comunicaram para que Donald Trump fizesse o que fez e continua a fazer.

Concluindo, gostei muito deste cartoon, porque representa muito bem a vida dos estado-unidenses e do resto do mundo.

Maria João Matos, 11ºA