Criatividade

O Amor Proibido

Há muitos anos, numa terra encantada, viviam duas famílias que guardavam um grande ódio, uma pela outra. Eram elas a família Bastos, uma família rica e muito poderosa que investia na compra e venda de gado e a família Brito, que era igualmente poderosa e que investia no mesmo negócio. Em 1998, organizou-se a décima-segunda feira de gado, e nessa feira havia um leilão onde as duas famílias tinham por hábito participar anualmente. Nesta altura, ainda se davam bem, e iam todos juntos.

O patriota da família era o senhor Artur Bastos, era casado com a dona Júlia e tinham um filho: o Alexandre. Já na família Brito, a matriarca era a dona Cidália, que era casada com o senhor Horácio e também tinham uma filha: a Michelle. Nessa feira de 1998, o gado do senhor Artur tinha sido “drogado” e não estava em condições de ser vendido e o da dona Cidália estava perfeito e ficou em primeiro lugar. O Artur, cego de raiva, decidiu que a Cidália tinha sido a culpada, apesar de não ter tido culpa alguma. E com esta guerra, o amor de Alexandre e Michelle ficará condenado.

Mal se aborreceram, a família Brito emigrou para França onde a Michelle conheceu um rapaz chamado Jacques. O Alexandre e a sua família permaneceram em Portugal, e foi então que conheceu melhor uma rapariga chamada Dalva por quem se apaixonou e com quem teve um filho chamado Patrick. Passados 10 anos, os Brito decidiram voltar à sua terra e voltar a participar na feira.

Chegado o dia da feira, as duas famílias decidiram ir à feira e inevitavelmente a Michelle e o Alexandre encontraram-se, trocaram uns sorrisos e a chama daquele amor que nunca tinha morrido, voltou a acender-se e desde esse dia começaram a encontrar-se às escondidas.

Quando ambas as famílias descobriram o que se andava a passar, de tudo fizeram para que eles se separassem, mas o amor deles foi mais forte e nem com todas as armadilhas que lhes preparam eles se separaram.

Para que pudessem ficar juntos, o Alexandre e a Michelle juntaram-se para arranjarem provas de que não tinha sido a Cidália que há dez anos teria envenenado o gado, e tanto que lutaram e procuraram que conseguiram provas de que não só não tinha sido a Cidália que tinha envenenado o gado, mas sim o Jacques e a Dalva que afinal eram uns velhos amigos da Michelle e do Alexandre e que eram completa e loucamente apaixonados por eles e como sabiam que, se as famílias se indispusessem, o amor deles ficaria condenado, agiram. Assim que o Artur descobriu a verdade, expulsou a Dalva de casa e obrigou-a a dar a guarda do pequeno Patrick à Michelle e ao Alexandre e fez as pazes com a Cidália. E assim o amor venceu.

Maria Carolina Saraiva Matos, 8ºB

Página de um diário

Ortiga, 25 de março de 2021

Boa noite, diário,

Hoje foi o dia do meu aniversário, um dia muito especial comemorado ao lado da minha família, que são os mais especiais para mim. Comemoramos todos na casa da minha avó com uma carnezinha grelhada que é do melhor que há.

Infelizmente, não pude ter a presença dos meus amigos, pois a Covid não o permite, o que é triste. Recebi muitos presentes especiais, mesmo dos meus amigos à distância, mas nada se compara ao carinho que recebi da minha família e ao que os meus familiares fizeram por mim.

Espero que guardes isto, diário, para no futuro eu relembrar.

Simão Maia, 8ºB

Página de um diário

Mação,24 de março 2012

Querido Diário!

Tudo começou na quinta-feira depois do almoço. Estava sentada a ler um livro debaixo de uma árvore. Eu sabia que não estava só, pois vi uma sombra a mexer-se. Quando eu olhei, vi que era uma menina que estava a chorar. Perguntei o que se tinha passado. Ouvi atentamente a conversa. Disse-me que um rapaz a tinha agredido. Não conseguia parar de tremer e o seu coração batia mais a cada minuto que passava. Depois fiquei ali uns minutos a consolá-la. Também recomendei que fosse fazer queixa do rapaz ao senhor Diretor, para que não voltasse a acontecer. Minutos depois o sr. Diretor chamou a atenção ao rapaz e disse-lhe que nunca mais o queria ver a maltratar as pessoas.

Até amanhã diário.

Leonor Pimenta, 8ºB

Dia Europeu das Línguas 2020 – Falar com mais de 60 línguas diferentes

Europa: tão pequena e tão grande!

O continente europeu conglomera cerca de 50 países, 27 dos quais fazem parte da União Europeia. Assim, na Europa são falados mais de 60 idiomas diferentes, entre línguas oficiais, regionais e dialetos do povo.

Com vista a promover o multilinguismo e incentivar os cidadãos europeus a aprender novas línguas, foi instituído, por iniciativa conjunta do Conselho da Europa e da Comissão Europeia, o Dia Europeu das Línguas (DEL), que se celebra, todos os anos, no dia 26 de setembro, e se comemorou pela primeira vez em 2001.

Deste modo, e como todos os cidadãos devem conhecer o mundo que os rodeia os alunos da escola pesquisaram as diversas línguas e expressões idiomáticas em português, espanhol, francês e inglês, com o objetivo de melhorar a sua cultura e aprendizagem.

Foi um desafio do Departamento de Línguas aos alunos do Agrupamento que fizeram pesquisas sobre expressões idiomáticas e a expressão “Olá! Fala comigo!” em várias línguas da Europa com o objetivo de dar a conhecer a pluralidade linguística deste continente. Aqui fica o resultado! Diverte-te a aprender!…

Texto e fotos de Anaísa Marques, 12ºA

Desafio: Cartas de Náufragos

 

Lancei o desafio seguinte aos alunos da turma B do 7º ano na disciplina de Português:

Imagina que és um sobrevivente do naufrágio de um navio que transportava um tesouro.

Escreve uma carta em que relates a uma pessoa tua amiga o que aconteceu durante a viagem. No teu texto, deves incluir uma descrição do tesouro. Respeita os aspetos formais da carta.

Assina a carta com a expressão «Um amigo» ou «Uma amiga».

O teu texto deve ter um mínimo de 180 e um máximo de 240 palavras.

Publico aqui alguns dos textos elaborados.

Professora: Anabela Ferreira

II Naufrágio, Diane Bonjour

 

Brasil, julho de 1925

 

   Olá, minha amiga,

   Como tu sabes, eu embarquei num navio para tentar ir para o Brasil. Este acabou por naufragar e eu sou a única sobrevivente, mas a meio do caminho encontrámos um tesouro, um tesouro que estava dentro de um baú de madeira escura com partes douradas. Antes de o navio naufragar, conseguimos abrir o baú e ele tinha muitas moedas e barras de ouro, muitos colares e pulseiras de pérolas, joias de diamantes, de esmeraldas, de rubis, de ouro, de prata e muitos outros minérios que eu nem sabia da existência, tinha duas tiaras e duas coroas muito bonitas, anéis de ouro, anéis com diamantes e no fundo tinha um diamante enorme em cima daquelas almofadas vermelhas e por baixo das almofadas tinha um mapa de um tesouro que indicava um X numa parte do Brasil e, por sorte, consegui resgatar o mapa do navio e, para ter ainda mais sorte, passou por mim um barco com marinheiros que iam para o Brasil e que me trouxeram até aqui. Desde que cheguei que ando à procura daquele tesouro.

   Quando eu encontrar este tesouro, eu envio-te outra carta, mas enquanto isso, espero que estejas bem e deseja-me sorte para eu encontrar este novo tesouro rapidamente.

   Beijinhos e deseja-me sorte.

                                                                                                                                         Uma amiga.

Beatriz Brites, 7ºB

 

Infância

 

A minha infância

Quando era mais nova, não podia estar quieta, tinha de estar sempre a fazer algo.

Eu adorava correr, saltar, brincar, …adorava também ir para a escola e poder brincar com os meus amigos, nós brincávamos à apanhada, às escondidas, às plantações, aos polícias e ladrões, entre outras coisas.

Tínhamos sempre alguma coisa para fazer, o pior era quando estava a chover e tínhamos de ir para dentro de um pavilhão, nós odiávamos estar fechados lá dentro, queríamos ir lá para fora brincar.

Nos fins de semana em que não ía aos meus avós, adorava fazer festas de pijama e ou ir dormir à casa de amigas era super-divertido.

Às vezes, ía passear com a minha família, íamos às compras, íamos à praia, entre outras atividades.

Nos meus tempos livres, eu costumava pintar Mandalas, dançar, ir à piscina, ver televisão, entre outras coisas.

Mas os meus passatempos preferidos eram brincar com o meu irmão e ir andar de bicicleta, era assim que passava o meu tempo.

Nessa altura, a minha mãe tinha uma florista e então, quando eu saía da escola, tinha de ir para lá, pois o meu pai estava a trabalhar ainda. Ao lado da loja, havia um parque com rampas onde eu e o meu irmão mais velho costumávamos andar de skate e jogar à bola.

E foi assim a minha infância.

 

Jéssica Moucho, 7ºA

A room with a view I

A room with a view  trata-se de uma atividade proposta pela docente de Inglês aos alunos da turma B, do 7ºano. Inserida na unidade 5 – My World, pretende-se que esta atividade lúdico-pedagógica motive os alunos para que tirem uma fotografia da janela do seu quarto. A foto deve apresentar uma legenda em Inglês e indicar o local que ilustra.

Aqui tens a primeira. Enjoy it!

Nature in bloom after a cold winter!

Cardigos, May 2020

Inês Delgado, 7º B