Texto de opinião

Texto de Opinião

     O filme que escolhi é “Harry Potter e o Calice de Fogo” cujos intervenientes são: Harry, Hermione, Ron, alguns professores de Hogwards e o Lord Voldemort.

O filme é original, tem uns bons gráficos e ideias originais, não tenho nada negativo a apontar. Trata-se de um filme de qualidade.

Eu classifico-o com 9 pontos numa escala de 1 a 10. Recomendo.

 

Duarte Barreta, 8ºA

Anúncios

Texto de opinião

Flash Vidas

 

São poucos os programas que conseguem colar o espetador à televisão logo no primeiro programa, é o caso do programa “Flash Vidas” apresentado por Lara Afonso o qual relata a vida de todas as celebridades.

Na minha opinião, o aspeto positivo é conhecer a infância de qualquer celebridade que por vezes chega a emocionar qualquer pessoa.

Os aspetos negativos são sem dúvida os escândalos chocantes expostos para todo o público visualizar.

Para concluir, resta-me dizer que se trata de um programa que aborda exclusivamente celebridades e as histórias fascinantes que cativam qualquer telespetador.

 

Mariana Mousaco, 8ºB

Clube do Leitor – Novo horário

 

 

A importância do conhecimento histórico

A importância do conhecimento histórico

         Num determinado povo ou região é muito importante o conhecimento da sua história para a preservação dos valores culturais e éticos desse povo em específico.

A história serve para relembrar algo que aconteceu anteriormente, seja há muito ou pouco tempo. Por isso é que se diz qua “a história é testemunha do passado…”. Esta é algo que vai ficar para sempre, vai passar de geração em geração, acrescentando-se novos acontecimentos à medida que o tempo passa. A história é algo que deve ser preservado e devidamente aprofundado, com o objetivo de preservar os valores culturais e éticos de um povo.

Um povo, como por exemplo, os Índios têm uma religião específica, têm uma determinada cultura e costumes. O que os faz, atualmente, ter esses valores culturais e éticos é a história, ou seja, o passado, pois foi este que os fez ser como são hoje em dia, dando, assim seguimento às gerações anteriores.

Em suma, deve existir uma grande importância do conhecimento histórico, de modo a preservar os valores culturais e ético de um povo.

 

 

Daniel Patrício, 11ºA

 

A História: memórias e antepassados

 

A História: memórias e antepassados

A história do mundo, do planeta, da vida terrestre, da vida humana teve um início, bem lá no fundo dos nossos antepassados. E é graças a essa história e ao facto de se perpetuar no tempo e na memória humana que sabemos o que aconteceu nos tempos antigos, sabemos quais os factos e vivências que nos antecederam e que nos trouxeram até aqui, ao presente.

É-nos verdadeiramente importante e pertinente possuir os conhecimentos históricos, principalmente aqueles que remetem para a nossa cultura e para o nosso povo. É com este conhecimento que podemos continuar com as “nossas” tradições, com os “nossos” hábitos e com os “nossos” próprios valores: tudo aquilo que na Antiguidade se foi criando, evoluindo, até chegar a nós. E somos nós, orgulhosamente, que temos de dar continuidade a tudo isto para que não fique perdido no tempo.

Suponhamos que os nossos familiares não nos tinham ensinado nada sobre valores culturais e éticos, e que não havia livro nem texto que restasse para contar a história dos povos, quais iriam ser as nossas inclinações culturais e éticas? Pois, provavelmente não sabemos responder, até porque, muito provavelmente, sem a preservação dos valores que nos constituem enquanto povo, hoje não seriamos nós mesmos, não seríamos uma só nação, unida pela língua materna e pelos costumes.

Para concluir, podemos afirmar que a história é o que nos enuncia o passado e nos ensina a ser quem somos! A história são memórias e antepassados…

 

 

Clara Minhoto, 11ºA

Projeto de divulgação de textos originais

O projeto ideal

Quando eu tinha por volta de treze anos, eu era subdelegado de turma e à nossa espera tinha o projeto que ainda ninguém sabia e ia ser divulgado em setembro.

Nesse próprio dia, eu estava muito feliz para conhecer esse tal projeto.

Quando chegou a hora, fomos lá. Quem nos falou nesse projeto foi o senhor diretor e disse umas palavras breves e rápidas:

– Bom dia, este projeto é para os alunos do 8º ano e também para o delegado e subdelegado.

Eu fiquei muito feliz e depois dos outros irem embora o senhor diretor disse-nos:

– O projeto serve para vocês melhorarem a vossa cultura e é para no fim de semana irem a Lisboa,  à praia da Caparica, porque vai estar lá a escritora Sophia de Mello Breyner Andresen e para vos acompanhar terão a professora Anabela Ferreira.

No fim de semana, fomos para o autocarro e quando eu soube que a delegada estava doente fiquei preocupado e aflito, eu não podia ser o único aluno. Convidei o André Loureiro para ir comigo e ele aceitou.

Quando chegamos lá, ficamos espantados com a enorme vista, via um quilómetro de mar, areia limpa, sem vidros enterrados e estava lá ninguém a não serem nós e a escritora.

Depois falamos com a escritora, organizamos as nossas prioridades e ela mostrou gostar tanto de nós que foi comprar-nos um gelado.

Quando vínhamos para regressar, um ladrão abordou a escritora no seu carro. Eu e o André fomos a correr e depois o André atirou-se para cima do carro e o ladrão bateu com o carro contra o muro.

Finalmente, tudo acabou bem. E foi assim a minha aventura.

Mateus Vicente, 8ºB

“A LEONOR VEIO ENSINAR-NOS A SERMOS PESSOAS MELHORES” (NEUZA DIAS E BRUNO OLIVEIRA)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em 5 de janeiro de 2017, este jornal deu conta da morte da pequena Leonor. Tinha 5 anos quando lhe detetaram a doença, uma doença grave, daquelas que nunca nos apraz pronunciar. Lutou veemente até ao dia em que as suas forças sucumbiram. A sua luta teve início a 22 de abril de 2016 e terminou na manhã de 10 de dezembro de 2016. Durou pouco mais de 7 meses. Em agosto não lhe davam tempo de vida, e ela, Leonor, uma grande Guerreira, foi-se mantendo entre nós! Como costumo dizer, permaneceu connosco como que, para preparar os seus mais queridos amigos, os Pais, Neuza Dias e Bruno Oliveira, para a despedida. E se eles lutaram! Lutaram com todas as suas forças!

Os alunos do 12º A, movidos por uma vontade enorme de ajudar a Leonor com os tratamentos, organizaram o CONCERTO SOLIDÁRIO POR TI LEONOR, realizado a 15 de Outubro de 2016, no Cineteatro de Abrantes, com o qual se angariou 5265 euros, depositados na conta da princesa Leonor no dia 19 de novembro de 2016. Esta iniciativa sensibilizou centenas de CORAÇÕES MAIORES.

LUTÁMOS ao lado de quem mais a amou, com toda a determinação e com todo o nosso acreditar, mas não fomos capazes… E hoje, passados quase 8 meses da sua morte, agrada-me partilhar publicamente que os seus Pais, Neuza Dias e Bruno Oliveira, são hoje PESSOAS MELHORES. Tenho-os acompanhado!

Pouco tempo depois da morte da Princesa Guerreira, em 18 de janeiro de 2017, os pais da Leonor doaram ao CRIA a cama articulada e elétrica e a respetiva cadeira de rodas da Leonor. A cama tinha sido uma oferta do Sr. Domingos Chambel da TRM (empresa de Tratamento de Revestimentos de Metais LDA) e a cadeira uma oferta do Sr. Paulo Neto (Companhia de Seguros Fidelidade). A mãe da Leonor, pouco tempo antes da doação, questionou-me se haveria de doar esses equipamentos a um particular ou ao CRIA e optou-se pelo CRIA já que os mesmos poderiam servir para dar apoio a mais do que uma pessoa. Depois disso fizeram uma doação de livros ao IPO, que lhe tinham sido oferecidos pelo grupo Leya, que lhos oferecera por intermédio de um pedido em nome dos alunos do 12º A. Desde aí têm acompanhado casos de doentes com problemas oncológicos. Deste acompanhamento, o mais recente é feito a uma menina que, com 21 anos, luta há mais de 15 meses contra a doença. Esta menina, de seu nome Beatriz Estoira Coelho, do distrito de Santarém, precisa hoje de muita ajuda. Os pais da Leonor têm acompanhado a situação, agora mais de perto, e fizeram no corrente mês uma transferência de 750 euros para a conta da Beatriz que, por mês gasta mais de 3000 euros em medicação. (Se pretender contribuir para ajudar a Beatriz poderá fazê-lo através do NIB: 0045 5152 40290055179 86 / IBAN: PT50-0045 5152 4029 0055 1798 6).

Não me esqueço nunca da conversa que tive com a mãe da Leonor no dia do velório. Apesar de estarmos ali no ambiente mais terrível de todos, de grande dor, a mãe da Leonor só dizia: “nós queremos ajudar pessoas aqui da zona, do distrito de Santarém, que tenham problemas semelhantes”. Hoje, a mãe da Leonor faz parte também de um grupo solidário, por Pedrógão Grande. Os pais da Leonor contribuíram para a 1ª entrega de bens feita no dia 29 de junho de 2017, em Pedrógão Grande. A mãe da Leonor esteve no terreno, nesse dia a entregar os bens recolhidos em Mação e em Abrantes e a confortar todos aqueles que perderam tudo ou quase tudo: terrenos, casas, familiares e amigos… A próxima ação solidária por Pedrógão Grande é no próximo dia 28 de julho de 2017 e também desta vez iremos contar com o contributo destes maravilhosos seres.

Aprender a amar os outros, acredito eu, foi a mensagem que a pequena Leonor lhes veio deixar. Espero puder dar-vos conta de outros atos que nos façam perceber que a Neuza e o Bruno são hoje, mais do que nunca, seres de Corações Maiores.

A professora Cláudia Olhicas de Jesus