Sorrisos

Um gesto de simpatia

Numa manhã de primavera, pelas 8:30, as rádios RFM e Comercial decidiram juntar-se para fazer um gesto em torno das pessoas que estão no trânsito muito sonolentas.

Nós vínhamos no autocarro para a escola e ouvimos na rádio o desafio para acenarmos à pessoa ao lado, para que todas as pessoas estivessem em união e a fazer novas amizades. Todos começaram a acenar uns para os outros, a rir.

E foi assim que nos tornámos amigos e fizemos muitas mais amizades naquele trânsito e naquele autocarro.

Nós achámos que aquele gesto muito objetivo, pois era algo fora da realidade e não estávamos habituados a determinado gesto, pois sem aquele gesto nós provavelmente não seríamos amigos, foi importante. Pensámos que este gesto mudou a vida de muita gente, pois foi um gesto de simpatia, boa educação e alegria. E, se este gesto não tivesse acontecido, nós e muitas outras pessoas que aderiram ao desafio, não teriam feito novas amizades ou até algo mais e não se teriam unido.

Para concluir, com um simples gesto pode mudar o dia de muitas pessoas, como a nós mudou.

Faça a diferença acene, sorria, faça algum gesto diferente. Mude o dia de alguém.

 

Miguel Pedro e Joana Delgado, 8B

 

 

Anúncios

“Día de la Hispanidad”

“Día de la Hispanidad”

 

El 12 de octubre se conmemora el “Día de la Hispanidad”, o sea, el día de los países en los que se habla español como lengua oficial. Fue el 12 de octubre de 1492 cuando Cristóbal Colón, con la ayuda de los reyes católicos de España, llegó a América, instaurando ahí la lengua y cultura españolas.

En nuestro instituto no podíamos dejar de celebrarlo y, por eso, los alumnos de español se han puesto a trabajar y de ello ha resultado una exposición con las banderas de los 21 países hispanohablantes y una breve descripción, nombradamente, su capital, los lugares más conocidos, tradiciones de cada uno de los países y comidas  típicas. Los alumnos del 12ºcurso profesional han redactado también una receta típica de cada país.

Además, los alumnos de español han participado en un concurso de abanicos elaborados por los alumnos. Las vencedoras del concurso fueron Mariana Branco del 7ºC y Margarida Dias del 10ºA.

Los alumnos de español han elaborado también algunos abanicos que fueron distribuidos por la comunidad escolar.

A todos los que han participado o han visitado esta exposición, ¡Muchas gracias! y ¡Feliz Día de la Hispanidad!

Professora Liliana Correia

 

 “Día de los Muertos”

 “Día de los Muertos”

 

Los días 1 y 2 de noviembre se celebra en México el “Día de los Muertos”. Puesto que es una tradición tan arraigada en México y éste es uno de los países hispanohablantes, lo hemos celebrado también en nuestro instituto. Por la diversidad de celebraciones y para evidenciar la divergencia cultural, lo hemos hecho en articulación con la asignatura de francés, la cual celebró el  “Saint Toussaint” que es una festividad más católica en honor a los Santos.

Por otro lado, los mexicanos creen que las almas de los seres queridos que se fueron regresan de ultratumba durante el Día de Muertos. Por ello, se les recibe con una ofrenda (Altar de muertos) donde se coloca su comida y bebida favorita, fruta, calaveritas de dulce y, si fuese el caso, juguetes para los niños. También en nuestro instituto se ha realizado un altar de muertos, con sus elementos alusivos: el agua, el incenso, la sal, el papel picado, las calaveras, la comida, el pan de muerto, la cruz, las flores, las velas y la fotografía del difunto.

Los alumnos han hecho varias calaveras para esta exposición , incluso participaron en la construcción del personaje Catrina que es una calavera que representa una dama del alta sociedad mexicana.

En las clases de español, los alumnos han asistido a la película “Coco” que es una película de animación y describe muy bien el espíritu mexicano este día.

Professora Liliana Correia

PELO GUARDIÃO DO TEJO – Sr. Arlindo Consolado Marques

 

 

No passado dia 27, do mês de setembro, os alunos Beatriz Jesus, Daniela Pissarreira, Dinis Santos, Mariana Cardoso, Matilde Pinheiro e Jéssica Teixeira entregaram ao Guardião do Tejo, Sr. Arlindo Consolado Marques, a quantia de 180 euros, angariada no letivo transato, através de dois eventos onde o mote foi a solidariedade. Venderam-se iguarias durante a abertura da Escola Aberta e realizou-se uma caminhada pela Ortiga, junto ao Rio Tejo. Com estas atividades, pretendeu-se sensibilizar e alertar a comunidade para as práticas da Solidariedade e para os problemas decorrentes da poluição.

Mais uma vez agradecemos, alunos, docente de Educação Física, Cláudia Olhicas, e Agrupamento de Escolas Verde Horizonte, a todos os que contribuíram para ajudar o nosso Guardião do Tejo!

A Aluna  Jéssica Teixeira

Desporto

 

Futsal de Juvenis Femininos

 

Apesar de um início de competição difícil, com alguns resultados menos favoráveis, a equipa de Futsal de Juvenis Femininos, melhorou significativamente a sua prestação e isso refletiu-se nos últimos jogos disputados onde a equipa mostrou a sua garra.

O grupo é bastante unido, com alunas de vários anos letivos, incluindo alunas que pela idade (mais velhas ou mais novas) não podiam jogar, mas que estiveram sempre a acompanhar as colegas e a colaborar para o desenvolvimento da equipa.

Por proposta da equipa foi realizado no terceiro período um torneio de futsal feminino que visou a captação de mais alunas para a modalidade para o próximo ano letivo, objetivo esse plenamente cumprido. A participação das várias equipas e o espírito competitivo demonstrado foi de salutar, mas o mais importante foi o Fair-play e desportivismo presente.

É um grupo a manter com espaço para crescer!

 

Professora Teresa Barral

Solidariedade no Agrupamento

CAMINHADA SOLIDÁRIA – “AJUDAR CAMINHANDO”

30 DE MAIO 2018

No final do segundo período, alunos do 10º B, motivados pela professora de Educação Física, organizaram uma venda de iguarias, integrada na Escola Aberta, com a qual se angariou o valor de 81 euros e 50 cêntimos, que reverterá na íntegra para o Guardião do Tejo, Sr. Arlindo Consolado Marques. A este valor acresce a quantia de 93 euros e 50 cêntimos angariada recentemente com a caminhada Solidária, “Ajudar Caminhando”, a qual igualmente dinamizada por alguns alunos da turma do 10º B, e pela professora de Educação Física. “Ajudar Caminhando” decorreu na passada semana, dia 30 de maio de 2018, na localidade de Ortiga.

Não foram muitos os participantes, contudo a caminhada de 5 km fez-se repleta de entusiasmo, alegria, boas energias, e de memórias para mais tarde recordar!

Professora e alunos agradecem a todos os que caminharam por uma causa onde o mote foi a Solidariedade e a todos os que contribuíram e não puderam estar presentes! Obrigada à Câmara Municipal de Mação, pelo transporte, ao Carlos, do Grupo de Animação Turística da Incógnita, pelas sábias orientações, e ao Padrinho do Evento, Sr. Arlindo Marques, pela sensibilização para os problemas do nosso Tejo.

A professora Cláudia Olhicas

Agrupamento Solidário

 

 

 

 

“Mochilas Solidárias: Achas que a tua Turma podia incluir mais um aluno?”

 

A Educação não é a preparação para a vida, é a própria vida…” (Raquel Parente, 12º A). E, na intenção de contribuir, um pouco, para que algumas crianças em Cabo Verde possam sonhar e condignamente crescer na sua Vida Escolar, a turma do 12º A, a convite da Diretora de Turma, desafiou todas as turmas da escola a colaborar com a iniciativa “Mochilas Solidárias: Achas que a tua Turma podia incluir mais um aluno?”, campanha do projeto Cabo Verde, Associação juvenil dos Álamos, em Lisboa – projectocaboverde.wixsite.com. Nesta campanha era pedido a cada turma, interessada, a composição de uma mochila com materiais escolares e afins, para crianças dos 5 aos 17 anos. O desafio lançado pela turma do 12º A foi garantidamente um sucesso pois superaram-se as expectativas, conseguindo-se a composição, na sua maioria com materiais novos, de 29 mochilas, número acima das turmas existentes na escola Básica 2,3 Ciclos c/ Ensino Seundário de Mação. Angariaram-se ainda 20 estojos, alguns brinquedos, bonecas e várias mochilas vazias. A entrega das Mochilas Solidárias, à Associação Juvenil dos Álamos, realizou-se na semana de término das aulas para o 12º Ano, na nossa Escola, a uma representante da Associação. A entrega em Cabo Verde poderá posteriormente ser acompanhada no site da Associação, por altura do verão! Está atento!

 

A Turma do 12º A agradece o envolvimento das turmas 5.º A (4 mochilas), 5.º B (1 mochila), 6.º A (2 mochilas), 6.º B (2 mochilas), 6.º C (1 mochila), 7.º B (1 mochila), 8.º A (1 mochila), 8.º B (1 mochila), 9.º A (1 mochila), 9.º B (1 mochila), 10.º A (1 mochila), 10.º B (2 mochilas), 10.º C (2 mochilas), 11.º A (2 mochilas), 11.º B (1 mochila), 12º A (2 mochilas) e 12º C (1 mochila). Agradece ainda ao Agrupamento de Educação Física (1 mochila), à Professora Graça Dias (1 mochila) e ao Clube Europeu e Agrupamento de Educação Física (1 mochila). Agradece igualmente ao Professor José Gonçalves, à Professora Ana Montargil, às Assistentes Operacionais, Rosário Casola e Ana Alves pelos materiais oferecidos e ainda a todos os Diretores de Turma, Professores e Assistentes Operacionais envolvidas que, de coração, se envolveram nesta iniciativa.

“E que o mundo mágico da infância…  acompanhe, SEMPRE, os meninos de Cabo Verde!” (Ana Vicente, 12º A)

 

A professora Cláudia Olhicas

Opinião

A Idade Média e o fascínio que exerce na atualidade

 

Atualmente, as pessoas têm um grande fascínio pela Idade Média.

A Idade Média foi um período de grandes mudanças. Como o próprio nome indica, foi o período de tempo entre a antiguidade e os tempos atuais.

Sim, houve grandes mudanças, mas, na minha opinião, nada que pudesse causar assim tanto fascínio pela parte das pessoas na atualidade.

Eu penso que as maiores mudanças foram na língua, que teve uma enorme evolução, e continua a evoluir, e na cultura, que, não tanto como a língua, também evoluiu bastante.

Hoje em dia, em Portugal, fazem-se as chamadas feiras medievais, onde as pessoas se vestem a rigor, como antigamente e se divertem como antigamente. Considero que é bom “reviver” o passado, e mostrar, principalmente aos mais novos, como era viver naquela época, sem tecnologia como a de hoje em dia, sem liberdade como a de hoje em dia.

Atualmente, nós, os adolescentes, temos demasiada liberdade, comparada à que os nossos avós deram aos nossos pais, ou até mesmo à que os nossos bisavós deram aos nossos avós, e mesmo assim continuamos a reclamar do que temos.

Eu julgo que consigo entender o gosto pela Idade Média, mas o fascínio não.

 

Maria João Matos, 10ºA