Visita ao Centro de Ciência Viva de Constância

No dia 9 de janeiro de 2020, os alunos da turma MAC6 do quarto ano de Escola Básica de Mação deslocaram-se a Constância para aprender mais sobre o Sistema Solar.

Pudemos, em grupo, brincar e programar um robot – o Kubeto, com a ajuda de técnicos do Centro de Ciência Viva. Entramos no Planetário e apreciamos o céu noturno com estrelas, planetas, os movimentos da Terra, o nascer e o pôr do sol, os desenhos das constelações e a Via Láctea – uma espécie de caminho feito do leite que os anjos deixavam cair quando o levavam aos Deuses. Entramos na cabine de um avião a jato Lockeed T33 cedido pela Força Aérea Portuguesa e mexemos nos comandos. Pudemos também experimentar a sensação de rodar num giroscópio humano, equipamento concebido pela NASA para treinar pilotos e astronautas numa situação de descontrolo da nave. No final, observamos o parque exterior com a representação da Terra e de outros planetas.

Foi uma visita curta, numa manhã muito divertida onde aprendemos muito sobre o planeta onde habitamos. Depois da visita, elaboramos materiais que expusemos na nossa escola.

Turma Mac 6

(professor José Manuel Sequeira)

Notícias da L.E.C.A.

 

A História de Felisberto Tim-tim

          Era uma vez um menino chamado Felisberto Tim-tim.           Felisberto Tim-tim desejava ser um dos cavaleiros da Rainha, mas esse desejo acabou por não se realizar. Felisberto Tim-tim foi para casa muito triste a pensar em convidar os seus amigos para se animar, mas todos disseram que não podiam ir, naquela tarde. Ao lado da casa do Felisberto Tim-tim, havia um café, onde estavam sempre senhores a jogar às cartas muito animados.

Quando estavam a acabar as férias, encontrou um colégio muito bom, onde ele se conseguiu inscrever.

Naquela altura, eu também entrei naquele colégio e acabei por conhecer o Felisberto Tim-tim. Quando o vi fiquei impressionada por ele ser tão radical e tão severo.

Dirigi-me a ele e perguntei:

-Está tudo bem contigo?

-Mais ou menos! – respondeu Felisberto Tim-tim.

-E já agora como te chamas?- perguntou Felisberto Tim-tim.

-Eu chamo-me Josefina – respondi-lhe.

Passado algum tempo, numa visita ao Museu da Vida, acompanhados pelo Diretor do Colégio e pela nossa professora de História, eu e o Felisberto acabamos por fazer um disparate. E o Diretor muito aborrecido disse:

-Meninos! Quando voltarmos ao colégio estão de castigo.

Quando chegámos ao colégio, o Diretor nem teve tempo de falar connosco, porque nós fomos logo embora.

De seguida, Felisberto Tim-tim chegou a casa muito cansado, mas recebeu uma carta da Rainha a dizer:

-“Felisberto Tim-tim, se quiseres tentar ser um dos meus cavaleiros, convoco-te para estares em frente ao castelo pelas 15H:45M”.

Felisberto Tim-tim, muito feliz, não conseguia dormir naquela noite.

No dia seguinte, Felisberto Tim-tim foi à prova dos cavaleiros e eu acompanhei-o. Passadas muitas lutas na arena, só sobrou ele e um dos cavaleiros mais fortes existentes na terra. Mas felizmente para ele, e infelizmente para mim, ele ganhou e tornou-se um cavaleiro da Rainha. Nesse momento comecei a chorar, porque nunca mais o ia ver no colégio.

Enviei-lhe uma carta de agradecimento pelas brincadeiras e barafundas que fizemos juntos. A partir daí nunca mais o voltei a ver.

 

António Mendes e Miguel Leitão, 7ºB

Receitas do 12º C

 

INGREDIENTES

 

150 g de  Chocolate NESTLÉ CLASSIC® ao Leite
meia xícara (chá) de manteiga
3 ovos
2 gemas
meia xícara (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de farinha de trigo peneirada
8 bolas de Sorvete de Creme NESTLÉ® 2 L

MODO DE PREPARAÇÃO

1-Num recipiente refratário, derreta em banho-maria o Chocolate NESTLÉ CLASSIC e a manteiga.
2-Noutro recipiente, bata os ovos, as gemas e o açúcar até formar uma massa cremosa.
3-Adicione a mistura de Chocolate derretido e mexa bem.
4-Acrescente a farinha de trigo aos poucos e mexa delicadamente, até incorporar tudo.
5-Unte com manteiga e polvilhe com farinha de trigo 8 forminhas pequenas (10 cm de diâmetro) e distribua a massa entre elas.
6-Leve ao forno médio-alto (200°C), pré-aquecido, por cerca de 10 minutos. Desenforme ainda quente sobre pratinhos individuais e sirva a seguir, acompanhado de uma bola de Sorvete de Creme Gourmet.

DICAS:
– O forno deve estar bem quente no momento em que for colocar os bolinhos, para que fiquem cremosos por dentro e firmes por fora.
– Ao tirá-los do forno, o centro ainda deverá estar mole.

INGRÉDIENTS

150 g de lait au chocolat NESTLÉ CLASSIC®
une demi-tasse de beurre
3 œufs
2 gemmes
une demi-tasse de thé
1 tasse de farine tamisée
8 boules de crème glacée NESTLÉ® Cream 2 L

PREPARATION

1-Dans un récipient réfractaire, faire fondre le chocolat et le beurre NESTLÉ CLASSIC au bain-marie.
2-Dans un autre récipient, battre les œufs, les jaunes et le sucre jusqu’à la consistance crémeuse.
3- Ajouter le mélange de chocolat fondu et bien mélanger.
4-Ajouter la farine lentement et remuer doucement jusqu’à incorporation.
5-Mettre avec du beurre et saupoudrer de farine 8 petites casseroles (10 cm de diamètre) et répartir la pâte entre elles.
6- Cuire le four préchauffé à température moyenne-élevée (200 ° C) pendant environ 10 minutes. Démouler encore chaud dans des assiettes individuelles et servir ensuite, accompagné d’une boule de crème glacée Gourmet Cream.

CONSEILS:

– Le four doit être très chaud au moment où vous mettez les biscuits pour qu’ils soient crémeux à l’intérieur et fermes à l’extérieur. –
Lorsque vous les retirez du four, le centre doit toujours être mou.

Bebiana Farias e Fátima Bento, 12ºC

Notícias da L.E.C.A.

A viagem

Hoje vou-te contar uma história que se passou comigo, querida netinha. Há cerca de um ano atrás, eu, a senhora Noémia e o tio Ilídio fomos ao circo “Grupo de pessoas mais importantes do mundo que não falam” que se localizava no deserto do Saara. Fomos de avião e houve uma complicação. Uma das turbinas avariou, porque entrou para lá uma ave, mas felizmente conseguimos aterrar sãos e salvos, graças ao piloto mais velho que parecia o Pai Natal. Conseguiu salvar-nos, pois desde os seus 18 anos que era piloto.

Fomos de camelo até ao circo e, quando chegámos, já tinha começado. Então, fomos para o nosso lugar.

Tudo estava a correr bem, quando um trapezista se aleijou e teve de ir de camelo até ao hospital mais próximo. Mas rapidamente entrou outro trapezista.

E esta foi a viagem mais atribulada que eu já fiz.

Dorme bem netinha.

 

Mariana Barata e Ana Francisca, 7ºA

Deixem respirar os direitos humanos!

O Clube Europeu do Agrupamento de Escolas Verde Horizonte de Mação, este ano, vivenciou o Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 de dezembro, de forma diferente, pois a estrela foram os Direitos Humanos de 3ª Geração – Ambiente.

A exposição pretende ser um alerta à população escolar para a importância de respeitar e preservar o planeta em termos de sustentabilidade, pois não há PLANETA B!

A Equipa do Clube Europeu

Notícias da L.E.C.A.

 

A viagem que mudou uma vida

Ontem de manhã, estava eu a fazer o almoço, quando me lembrei da história do meu filho, que partiu numa viagem para descobrir a sua vocação.

Tudo começou há três anos atrás, quando ele foi gozado por ser careca e pescador. A partir daquele momento, ele percebeu que queria deixar de ser aquilo que era. Então, ele decidiu fazer uma viagem para descobrir a sua vocação e a cura para o seu problema (calvície). Antes de ele partir, eu entreguei-lhe uns selos mágicos. Estes selos tinham a magia de, quando ele tivesse um problema, escrever-me-ia uma carta que viria a voar até mim.

O meu filho, ainda careca, viajou por vários países, mas os seus favoritos foram: Portugal ,onde provou as melhores doçarias; a Espanha, onde apreciou as melhores danças; a França, onde viu os melhores monumentos; a Itália, país em que comeu as melhores pizzas. Foi lá que encontrou um cartaz que anunciava um torneio de tiro ao arco no deserto do Egito.

Então, pôs-se a caminho, para conhecer outro país e relembrar a sua infância quando jogava tiro ao arco comigo. Quando chegou, já estava a decorrer o torneio de tiro ao arco. Enquanto ele estava a apreciar o torneio, viu uma velhinha a ser mordida por uma cobra venenosa . No meio do pânico, a cadelinha da senhora idosa desapareceu. O meu filho foi ajudá-la e ouviu os médicos dizer-lhe que só tinha cinco dias de vida. A velhinha,  desesperada , viu que um homem careca queria ajudá-la e pediu-lhe para encontrar a sua cadela, que se chamava Lacy , porque queria vê-la antes de morrer .

Então ele seguiu o seu instinto para realizar o último desejo daquela pobre velhinha . Já estava à procura há dois dias e não encontrava nada. Com aquele desespero, o meu filho mandou-me uma carta, onde me pedia um conselho . Eu disse-lhe para ter calma e para procurar nas pirâmides, onde havia muitas armadilhas, mas ele seria capaz de ultrapassá-las.

Ele pensou no que eu tinha dito e foi até às pirâmides. Lá, o meu filho passou por vários enigmas. Até parecia que a pirâmide tinha sido construída como se fosse um labirinto. No fim de dez enigmas, ele conseguiu encontrar a assustada cadela Lacy. Como só faltavam doze horas, ele apressou-se a ir ter com a velhinha. Ao longo do caminho, cresceu uma grande amizade entre ele e a cadelita desprotegida. Quando eles chegaram junto da velhinha , ela viu que eles estavam muito amigos, então deu um último abraço à cadela e entregou-a ao meu filho. Ele aceitou-a e prometeu que ia cuidar muito bem dela.

Já estava a regressar, quando se apercebeu que não consegui a viver sem aquela cadela, começou a gostar cada vez mais de animais e decidiu que ia deixar de ser pescador e que ia ser veterinário. No dia seguinte, já perto da sua terra natal, ele notou que já tinha cabelo. Não percebeu como é que aquilo tinha acontecido, mas pensou que tinha sido por causa da sua boa ação.

Ainda hoje não se sabe como aconteceu aquele milagre.

 

Beatriz Rodrigues e Inês Delgado, 7ºB

Notícias da L.E.C.A.

 

Em Ler, Escrever e Contar com Arte, as turmas do 7º ano desenvolveram, entre outras, a atividade que partiu da realização de cubos e das suas planificações e culminou na elaboração de textos, passando pela revisão das categorias e estrutura do texto narrativo.

Aliando as competências de Matemática e de Português, tentando colmatar dificuldades manifestadas pelos alunos, complementando competências de socialização (trabalho de grupo), passando pelo uso das novas tecnologias e sempre numa perspetiva lúdica, chegou-se a vários textos que aqui se divulgam.

Regista-se o ambiente de trabalho saudável e o empenho dos alunos.

 

As professoras Glória Afonso e Anabela Ferreira

Selos Europeus de Qualidade eTwinning

 

Recentemente os projetos eTwinning The People in Our History, You Can Be a Hero, too! e We Wear What We Sing, coordenados e desenvolvidos pela professora Ana Sofia Pereira com as turmas dos 7º e 9º anos, respetivamente, foram galardoados com Selos Europeus de Qualidade eTwinning.

“Este prémio é concedido pelo Serviço Central de Apoio (CSS), sediado em Bruxelas, a professores em projetos que tenham sido indicados para Selo Europeu de Qualidade por, pelo menos, um Serviço Nacional de Apoio, após um processo de seleção. Cada Serviço Nacional de Apoio propõe um terço dos melhores projetos que tenham recebido um Selo Nacional de Qualidade com base na sua classificação. Os projetos devem ainda incluir pelo menos dois parceiros que tenham recebido o Selo Nacional de Qualidade.”

Aqui podem encontrar a lista de premiados. https://www.etwinning.pt/site/node/208

A todos os envolvidos neste processo, os mais sinceros Parabéns pelo trabalho desenvolvido!!

“La Toussaint”, a festa de todos os santos

No dia 1 de novembro, comemora-se em França La Toussaint  – o dia de todos os santos, também festejado no nosso país. Tanto em Portugal, como em França, é hábito prestar homenagem aos entes queridos que já partiram, pelo que os cemitérios se enchem de gente e de flores. 

Na nossa escola,  esta data foi assinalada com uma bonita exposição alusiva às suas tradições, com diversos trabalhos elaborados pelos alunos que estudam Francês. Eis mais algumas curiosidades sobre esta festa:

  • Nesta altura do ano, em que o outono já pinta de tons dourados a natureza e o primeiro frio se faz sentir, os alunos franceses podem gozar as suas primeiras férias escolares, durante um período de 15 dias.
  • Em Portugal, as crianças pedem bolinhos de porta em porta, no dia 1 de novembro, e deliciam-se com variadas e saborosas broas. E em França existe algum doce típico desta época? Os alunos de Francês foram pesquisar e descobriram que sim. Entre várias iguarias, destacam-se as deliciosas “niflettes“, um bolinho redondo feito à base de frutos secos, entre os quais as amêndoas e os pinhões.Por fim, aqui ficam alguns provérbios franceses alusivos a esta quadra:

             “Vent de Toussaint, terreur du marin.”

( Vento de “Toussaint”, o terror do marinheiro.)

           ” S’il fait du soleil à la Toussaint, l’hiver sera précoce”

( Se estiver sol no dia de “la Toussaint”, o inverno será precoce.)

À bientôt!

Professora: Clara Neves