AMOR NÃO RIMA COM DOR!

A violência doméstica é uma das temáticas da área de Cidadania e Desenvolvimento que tem merecido uma atenção muito particular por parte dos alunos do Curso Profissional de Estética.  Deste modo, nas disciplinas de Português e de Inglês, os discentes realizaram, em articulação curricular (DAC), diversas atividades que deram voz às suas preocupações e anseios sobre estra atual e preocupante realidade.  Os trabalhos realizados figuraram numa exposição intitulada  “ Amor não Rima com Dor”/ “Love  isn’t pain” que no dia 14 de fevereiro, especialmente dedicado ao amor e aos afetos, marcou destacável presença no átrio do pavilhão B, junto à secretaria.

Por entre balões pretos e vermelhos, em que foram registados sugestivos slogans de apelo à não violência conjugal, ou apenas frases que exprimiam o genuíno sentimento amoroso, foram expostos singelos cartazes em que, de forma expressiva,  se definia em inglês o que é e o que não é considerado amor: “love is…” ; “Love isn’t…”

Em português, surgiram, também, elucidativos anúncios de sensibilização contra a violência conjugal, apelando à denúncia dos maus tratos físicos e/ou psicológicos e indicando a APAV (Associação Portuguesa de Apoio à Vítima) como resposta à dor e sofrimento de tantas vítimas.

Numa altura em que, apesar das inúmeras campanhas de sensibilização contra a violência doméstica, as estatísticas da mesma continuam a aumentar a um ritmo assustador, pretendeu-se com esta atividade demonstrar que também na escola muito se pode fazer para combater esta atroz realidade, porque… a educação, o conhecimento e a informação são as armas mais poderosas para combater a violência!

As professoras Clara Neves, Mónica Santos

e os alunos do Curso Profissional de Estética

 

La Chandeleur … a Festa dos Crepes

P_20200205_110204-COLLAGE

“La Chandeleur é uma festa religiosa cristã que celebra a Apresentação de Cristo no Templo, quarenta dias após o seu nascimento. O seu nome deriva da palavra “chandelle” (vela). Conta-se que para recompensar os peregrinos acabados de chegar a Roma, o Papa Gelásio I (492-496) ordenava a distribuição de crepes.

Atualmente, La Chandeleur celebra-se em França a 2 de fevereiro, mas ao longo de todo o mês, confecionam-se e comem-se crepes, com os amigos, em casa e na escola.

Esta deliciosa tradição francesa foi, há semelhança de outros anos, festejada também na nossa escola no passado dia 6 de fevereiro, com a preciosa colaboração dos alunos do 11º e 12 ano do Curso Profissional de Cozinha e Pastelaria que se disponibilizaram para confecionar deliciosos crepes que deliciaram miúdos e graúdos ao longo de todo o dia.

P_20200205_110204

Nas aulas de Francês do 3º Ciclo e de Comunicar em Francês dos cursos profissionais, os alunos elaboraram cartazes sobre esta tradição e pesquisaram receitas de crepes e provérbios populares alusivos a esta festividade, partilhando os seus trabalhos no projeto eTwinning – “Traverser des Frontières, élargir les horizons”!

P_20200205_104729

Vive les crêpes, vive La Chandeleur !

As professoras Clara Neves e Ana Gameiro

VISITA DE ESTUDO AO PALÁCIO NACIONAL DE MAFRA

No passado dia 30 de janeiro, pelas 9h00 da manhã, as turmas do 12ºA e 12ºB (curso profissional de Técnico de Cozinha/Pastelaria e Curso Profissional de Técnico de Mecatrónica) foram presenteados com um dia de aulas diferente, embarcando num autocarro que os esperava à entrada da escola, rumo ao imponente e majestoso Palácio Nacional de Mafra. Acompanhados pelas docentes Clara Neves, Isabel André, Graça Dias e João Castanho, os alunos puderam, apesar da chuva, vento e frio, explorar os infindáveis meandros deste grandioso monumento, que constitui o espaço físico central de Memorial do Convento, de José Saramago, obra que integra o programa da disciplina de Português. Também foi possível assistir à representação de uma peça de teatro, baseada neste romance saramaguiano e encenada pela companhia Éter.
Mandando construir por D. João V, o Magnânimo, o Palácio Nacional de Mafra, símbolo da arquitetura barroca em Portugal e Património Mundial da Humanidade, é constituído pelo Palácio Real, pela Basílica e por um grande Convento franciscano, atualmente sede da Escola Prática de Infantaria. Um dos magníficos tesouros do palácio é a grandiosa biblioteca, com cerca de quarenta mil volumes, escritos em várias línguas. Curiosamente, a conservação deste grandioso espólio literário conta com a preciosa ajuda de uma colónia de pequenos morcegos que, ao longo dos anos, elegeu como moradia este requintado espaço.
A visita foi conduzida por uma simpática guia que, de forma hábil e motivante, foi fornecendo diversos e curiosos esclarecimentos sobre o Palácio, sempre em articulação com a história narrada em Memorial do Convento. Deste modo, foi possível perceber as diferenças entre a realidade subjacente à construção deste magnífico monumento e a ficção apresentada pelo autor.
Foi no interior do palácio, que se assistiu à representação da peça de teatro Memorial do Convento, momento este que superou as expetativas dos alunos, pela forma divertida e original como os atores deram vida às personagens e enceraram os principais acontecimentos da obra.
Alunos e professores fizeram um balanço extremamente positivo desta atividade quer pelos excelentes momentos de diversão e de convívio vivenciados, quer pelo seu valioso contributo para a consolidação de conteúdos programáticos que abrangeram não só a disciplina de Português, como também, no caso dos cursos profissionais, a disciplina de Área de Integração e as áreas de Mecatrónica e de Cozinha/Pastelaria. Na memória de todos ficará, certamente, a história de um magnífico monumento nacional que, no esplendoroso século XVII, constituiu a glória de um rei, mas também o sacrifício extremo dos trabalhadores que o ergueram, heróis estes que o nosso Nobel da literatura, José Saramago, fez questão de homenagear em Memorial do Convento.

                                                                      Professoras Clara Neves e Isabel André

VIII CONCURSO DE POSTAIS DE NATAL – OS VENCEDORES…

Em dezembro de 2019, o Agrupamento de Francês realizou a oitava edição do Concurso de Postais de Natal, para os alunos do 3ºCiclo, sendo de realçar o envolvimento entusiástico dos alunos nesta atividade. Os postais elaborados, primaram, na sua maioria, pela beleza, diversidade de matérias e criatividade, tendo ficado expostos no átrio do Bloco B, junto à secretaria, até ao dia 14 de janeiro. Nessa data, um júri constituído pelas docentes de Francês (Clara Neves e Ana Gameiro) e pela docente de Educação Visual (Camila Fernandes) procedeu à seleção dos vencedores do primeiro, segundo e terceiro prémios, por ano de escolaridade. Eis os resultados:

5ème Année (7º ano)

1er Prix – Mina Duque (7ºA)

2ème Prix – Denisa Mendes (7ºB)

3ème Prix – Mª Carolina Matos (7ºB)

7º ano

4ème Année (8º ano)

1er Prix – Rita Marques  (8ºB)

2ème Prix – André Martins (8ºB)

3ème Prix – Gustavo Santos (8ºB)

8º ano

3ème Année (9º ano)

1er Prix – Salvador Tavares  (9ºA)

2ème Prix – Lígia Mendonça (9ºA)

3ème Prix – Liliana Costa  (9ºA)

9º ano

As docentes responsáveis congratulam-se pelo sucesso desta atividade e felicitam todos os alunos que nela participaram, pela sua dedicação, criatividade e entusiasmo!

BONNE ANNÉE 2020 À TOUS!

A professora Clara Neves

SORTEIO DO CABAZ DE NATAL – AGRUPAMENTO DE FRANCÊS

 

No dia 17 de dezembro, foi feito o tão desejado sorteio do Cabaz de Natal organizado pelas docentes e alunos de Francês que, no próximo dia 1 de abril de 2020, embarcarão numa viagem rumo a França, para visitar a esplêndida cidade de Paris – “La Ville Lumière”.

A feliz contemplada com o magnífico Cabaz de Natal, recheado de vários e deliciosos produtos, recolhidos pelos alunos, foi a D. Cristina Maria Marques Dias.

O prémio foi-lhe entregue no mesmo dia, pelas docentes Clara Neves e Ana Gameiro.

A verba recolhida através desta atividade contribuirá para diminuir os custos da viagem a realizar.

Obrigada a todos os que, de alguma forma, deram o seu contributo e à senhora D. Cristina Dias os nossos parabéns!

Professora Clara Neves

VIAGEM A FRANÇA/PROJETO ETWINNING

A aprendizagem de um idioma é uma preciosa ferramenta, uma ponte que permite atravessar fronteiras rumo à descoberta de outros povos e culturas, uma chave que abre a porta do conhecimento e do sucesso…
No presente ano letivo, os alunos de Francês do 3º Ciclo e Curso Profissional de Cozinha e Pastelaria – 11ºB – vão ter a oportunidade de participar num projeto inovador que promove uma inovadora e profícua interação entre escolas nacionais e internacionais: o Etwinning. O seu nome é “Atravessar fronteiras, alargar horizontes!”
Esta iniciativa nasceu do desejo de realizar uma viagem a França, promovendo, deste modo, a prática, o gosto pela descoberta da língua francesa e o conhecimento de novas culturas.
Para além da partilha de experiências, pesquisas e conhecimentos, o principal objetivo deste projeto é alargar horizontes, num ambiente comunicativo que, decerto, promoverá, de forma divertida e criativa, o desenvolvimento de competências no domínio da língua e cultura francesas, através de um trabalho colaborativo em intercâmbio com jovens de outros estabelecimentos escolares, nacionais e estrangeiros. De momento, o projeto irá desenvolver-se em parceria com a Escola Secundária Manuel Fernandes de Abrantes e também com alunos de Francês, Língua Estrangeira, de uma escola de Itália.
Esta iniciativa nasceu do desejo manifestado pelos nossos alunos de realizar mais uma viagem a França. Deste modo, embarcaremos, em conjunto com outras escolas, numa viagem real e/ou virtual com destino a Paris, “la Ville Lumière”, entre outras divertidas paragens.
Se o entusiasmo é grande, o resultado será, certamente, inesquecível!

As professoras: Clara Neves e Ana Gameiro

Sem pontapés na gramática!

2. Coitado do número treze!

Treuze ou treze?!

Há falantes da nossa língua que ao pronunciarem este número cardinal – 13 – alongam a primeira sílaba em ditongo: treuze. Este desvio à norma deve-se, provavelmente, a algum regionalismo. No entanto, e regionalismos à parte, apesar de todo o respeito que merecem, todos nós aprendemos na escola as normas vigentes. Assim sendo, a norma de 13, tanto na oralidade como na escrita, é treze, sem ditongo…

Para bem falares e bem escreveres não percas a próxima rubrica de Sem Pontapés na Gramática.

Até para a semana e… cuidado com a língua!

As professoras: Clara Neves e Ana Gameiro

“La Toussaint”, a festa de todos os santos

No dia 1 de novembro, comemora-se em França La Toussaint  – o dia de todos os santos, também festejado no nosso país. Tanto em Portugal, como em França, é hábito prestar homenagem aos entes queridos que já partiram, pelo que os cemitérios se enchem de gente e de flores. 

Na nossa escola,  esta data foi assinalada com uma bonita exposição alusiva às suas tradições, com diversos trabalhos elaborados pelos alunos que estudam Francês. Eis mais algumas curiosidades sobre esta festa:

  • Nesta altura do ano, em que o outono já pinta de tons dourados a natureza e o primeiro frio se faz sentir, os alunos franceses podem gozar as suas primeiras férias escolares, durante um período de 15 dias.
  • Em Portugal, as crianças pedem bolinhos de porta em porta, no dia 1 de novembro, e deliciam-se com variadas e saborosas broas. E em França existe algum doce típico desta época? Os alunos de Francês foram pesquisar e descobriram que sim. Entre várias iguarias, destacam-se as deliciosas “niflettes“, um bolinho redondo feito à base de frutos secos, entre os quais as amêndoas e os pinhões.Por fim, aqui ficam alguns provérbios franceses alusivos a esta quadra:

             “Vent de Toussaint, terreur du marin.”

( Vento de “Toussaint”, o terror do marinheiro.)

           ” S’il fait du soleil à la Toussaint, l’hiver sera précoce”

( Se estiver sol no dia de “la Toussaint”, o inverno será precoce.)

À bientôt!

Professora: Clara Neves

 

 

 

 

 

 

Aposentação da professora Joaquina Esteves

IMG_9030

 

O início do presente ano letivo ficou marcado pela despedida da professora Joaquina Esteves . Tendo obtido a sua aposentação oficial no dia 5 de setembro, a docente, que lecionava as disciplinas de Português e Francês, concluiu a sua longa carreira ao serviço dos alunos e da escola pública, podendo enfim gozar um merecido descanso, em recompensa da bela e valiosa missão que decidiu abraçar ao longo da sua vida – o ensino.

No seu último dia na escola, foi com muita emoção e um misto de alegria e tristeza que se despediu dos colegas com quem trabalhou ao longo dos últimos anos, sentindo já algumas saudades dos inesquecíveis momentos passados com colegas e com os alunos de quem tanto gostava, mas com um sorriso de agradecimento nos lábios!

Para a professora Joaquina, que sempre nos brindou com o seu sorriso, amabilidade e simpatia, muitas felicidades para esta nova etapa que agora se inicia e um “até sempre”!

Profª Clara Neves

 

 

 

E CHEGOU O NATAL…

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Natal chegou e inundou o Agrupamento com o seu espírito alegre, colorido e festivo, neste final de período! Os alunos de Francês e Espanhol deram uma pequena ajuda para intensificar a vivência desta quadra festiva, construindo um enorme pinheiro de Natal feito com as suas próprias mãos. Para o enfeitar, foram decoradas múltiplas bolinhas com os vários símbolos natalícios, em francês e espanhol. O entusiasmo de ver “nascer” esta original árvore revelou-se de tal forma contagiante que envolveu vários elementos da comunidade educativa – professores e funcionários -que, sempre que podiam, contribuíam com mais uma mãozinha ou uma bolinha para dar forma à magnífica árvore! Finalmente, a obra de arte nasceu e ficou belíssima porque resultou do envolvimento e dedicação de todos!

As docentes de Francês e Espanhol elaboram ainda molduras natalícias e balões de fala com mensagens nas respetivas línguas que proporcionaram ótimos momentos de diversão e convívio entre os colegas na sala dos professores!

Foi um final de período em que se viveu a magia e alegria desta quadra, proporcionando   uma maior proximidade entre todos os elementos da comunidade educativa!

Para todos…

Joyeux Noël !

Feliz Navidad!

 

As professoras,

Clara neves e Ana Rute Fonseca