Desafio: Cartas de Náufragos

 

dias de Tempestade, Montague Dawson

 

Lancei o desafio seguinte aos alunos da turma B do 7º ano na disciplina de Português:

 

Imagina que és um sobrevivente do naufrágio de um navio que transportava um tesouro.

Escreve uma carta em que relates a uma pessoa tua amiga o que aconteceu durante a viagem. No teu texto, deves incluir uma descrição do tesouro. Respeita os aspetos formais da carta.

Assina a carta com a expressão «Um amigo» ou «Uma amiga».

O teu texto deve ter um mínimo de 180 e um máximo de 240 palavras.

Publico aqui alguns dos textos elaborados.

Professora: Anabela Ferreira

 

 

Angola, 12 de julho de 1515

Amiga,

escrevo-te esta carta, pois vivi uma grande aventura.

Como sabes, faço parte de uma tripulação, andamos a viajar pelo mundo à procura de tesouros.

Estávamos a sair da India, com tesouros, principalmente especiarias, quando aconteceu. Encontrámos uma ilha. Parecia uma ilha desabitada.

Esta ilha era de facto desabitada, pois estava amaldiçoada. Só nos apercebemos disso quando estávamos a sair já com um grande tesouro, tínhamos levado ouro, prata, café, especiarias…

Quando quisemos sair da ilha, não conseguimos, pois estava fechada por um feitiço transparente.

Procurámos por toda a ilha pistas para sair dali. Mas a única coisa que havia era um enorme tesouro e alguma vegetação.

Então coloquei-me a pensar e cheguei à conclusão que devia ser um esconderijo, onde piratas escondiam os seus tesouros.

Tentei passar sem nenhum tesouro e consegui. Tinha descoberto o mistério. A única coisa que podíamos levar era umas pedras lindas, mas sem valor, e uns fios.

Já quase todos tínhamos passado, expeto o capitão, era muito ganancioso.

E, por isso, colocou ouro dentro de cocos. Conseguiu passar, mas depois apareceu um monstro, que nos atacou. Conseguimos fugir dele, mas todo o nosso tesouro desapareceu com o monstro. A única coisa que tinha ficado era os nossos colares, que eu tinha feito com as pedras e os fios.

Já em Angola, continuámos a nossa aventura, mas agora percebemos que os tesouros não eram o ouro, mas sim o que fazemos.

Até breve, uma amiga.

 

Inês Martins Delgado, 7ºB

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s