Alunos do 8º ano têm tido aulas diferentes e mais divertidas

Joana Santos, uma das jornalistas mais jovens do jornal digital mediotejo.net, licenciou-se em Jornalismo e Comunicação no Instituto Politécnico de Portalegre. Desde pequena gosta de ler jornais e escrever, mas confessa que nunca pensou vir a ser jornalista na sua vida adulta.

No dia 21 de outubro, na Escola EB 2,3 e Secundária de Mação, os alunos do 8.ºano, na aula de Português, estiveram “À conversa com…” a jornalista Joana Santos, que falou sobre o seu trabalho, e respondeu às questões dos alunos. O objetivo destes jovens era ouvir na primeira pessoa como é ser jornalista num mundo cada vez mais digital.
Joana começou a sua carreira em 2016, e faz jornalismo nos concelhos de Mação, Vila de Rei, Tomar e Constância. Foi com grande à vontade que Joana começou por falar sobre a sua vida vida profissional, respondendo às várias perguntas, não deixando de questionar os alunos sobre o que era para eles o jornalismo, sintetizando que “é a partir do jornalismo que temos acesso à notícia, aos acontecimentos da atualidade. É essencial para estarmos informados, todavia devemos ser críticos perante a informação que recebemos através dos media“.
De seguida, perante a curiosidade dos adolescentes, foi hora de responder à questão “O que são as Fake News ?”. “Elas são o maior obstáculo para os jornalistas, porque qualquer notícia pode ser fake. O jornalista terá de ter certezas, daí a necessidade de fazer muita pesquisa. O jornalista tem de ser inteligente e crítico, de forma a filtrar a informação. A informação tem de estar documentada e confirmada por fontes credíveis. Todavia, as Fake News tornaram-se uma das nossas maiores rivalidades nos dias que correm, pondo em causa o papel do jornalista numa sociedade que vive em ritmos alucinantes e que absorve informação de forma rápida e imediata, muitas vezes sem aprofundar”. Esclareceu os alunos que pensavam que eram criadas pelos jornalistas para atrair a atenção ou até para causar polémica sobre algum assunto, mas não é bem assim. Qualquer pessoa pode criá-las, com o intuito de instalar polémicas, sem conhecimento de causa e desinformado, seja profissional da área ou não. O próprio cidadão comum, de forma automática e inconsciente, consegue fazer proliferar fake news sem questionar a veracidade dos factos que lhes são apresentados, partilhando-os e tomando-os como verdades absolutas.
Durante cerca de uma hora, a jornalista mostrou bastante entusiasmo ao falar da sua profissão e manteve um diálogo interessante com os alunos, tendo deixado boa impressão. Cativou, com toda a certeza, alguns jovens para o seu trabalho.

Entrevista
Interessou-se pelo mundo dos Media desde criança?
Sim, posso confessar que tinha um rádio onde gravava cassetes a imitar os jornalistas e os pivôs dos telejornais. Sempre gostei muito de ler jornais, revistas e houve sempre o hábito de assistir e comentar notícias em família. Julgo que daí surgiu o interesse.

O que a levou a ser jornalista?
Posso dizer que não foi paixão à primeira vista. Eu gostava de muitas áreas, mas interessava-me pela escrita, pela nossa língua e pela disciplina de português. Foi no ensino secundário que decidi escolher do jornalismo e coloquei-me esse desafio, de ingressar numa área da comunicação, também na lógica de crescimento pessoal e de aprendizagens diversas.

O que mais gosta no mundo do jornalismo?
O que mais gosto é contactar de perto com as pessoas e tentar compreender a situação por que estão a passar. Dar a conhecer o que de bom ou mau se faz, e de alguma forma estar a contribuir para a evolução de uma região ou de uma problemática, sempre com vista a manter informados os leitores e ajudar na manutenção da sua opinião pública.

Acha difícil conciliar a vida pessoal com a vida profissional?
O jornalismo é um trabalho árduo, e sim, é difícil conciliar a vida pessoal com a vida profissional. Primeiro o jornalista não tem horário, estão sempre a acontecer coisas, e nós temos que estar lá. A nossa agenda muda constantemente, e “o bichinho” está sempre ativo, até nas férias e folgas, sendo difícil desligarmo-nos da atualidade. É uma profissão de compromissos, é algo que nós vivemos intensamente e é feita de muitos sacrifícios.

Gosta do jornalismo regional?
Gosto de fazer jornalismo regional/local. No meu caso, não só por me identificar com a nossa região e porque me permite ainda hoje conhecer pessoas, cantos e recantos que até então me passavam despercebidos. Mas também mostrando que, ao contrário do que muita gente pensa, acontecem muitas coisas e fazem-se coisas muito boas aqui. Ao trabalhar neste meio, mostro-lhes que estão errados. No jornalismo regional, nós estamos no local onde a notícia acontece e temos uma relação de proximidade, um privilégio que outros meios não têm.

Qual é o concelho de que mais gosta?
Bem, é difícil. Acho que não consigo dizer o que mais gosto … mas, sem dúvida, que Mação me cativa e nutro um carinho especial, uma vez que é um dos concelhos que acompanho ininterruptamente desde que ingressei na profissão.

“Às vezes o jornalista é considerado o chato, mas sim, temos de ser chatos, porque temos que pesquisar e investigar para conseguirmos uma boa notícia ou para conseguirmos comprovar a informação, termos provas/factos a fim de a divulgar. ” Joana Santos

8.º ano
(Texto final elaborado com excertos de vários trabalhos
apresentados pelos alunos.)

rbt

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s