Escrita Criativa

 

Aventura numa ilha

Num belo dia de sol, em época de Verão, a Felisberta e o Rogério foram dar um belo passeio de barco o mar, quando, de repente, veio uma tempestade tremenda, andaram às voltas e voltas e foram parar a uma ilha deserta.
  Quando os recém casados lá chegaram ficaram assustados, pois não tinham nada para comer nem sabiam onde estavam. Ouviram uma voz assustadora vinda do meio da ilha que dizia “Seus gatunos, vêm-me roubar o ouro!”, pois quem estava a falar era uma mulher que andava naquela ilha há anos, à procura do tão valioso ouro.
A Felisberta e o Rogério tentaram pegar no seu barco e fugir, pois estavam cheios de medo daquela voz assustadora, vinda do meio da ilha, pegaram no barco puseram-no na água, mas foi logo ao fundo com os grandes estragos que tinha feito a tempestade.
A mulher, que se chamava Miquelina, era a tal mulher assustadora –  musculada, corajosa, não lá muito simpática e era perigosa. Felisberta e Rogério não tiveram alternativa, pois estavam com fome e tiveram de entrar na ilha misteriosa para ver se havia alguma coisa para comer.
O Rogério e a Felisberta separaram – se para encontrar comida, o Rogério deu de caras com um buraco no meio de um monte muito brilhante, curioso foi até esse buraco e encontrou  um belo tesouro, pegou numa coroa de pérolas e diamantes e deu-a à sua querida Felisberta. Quando Miquelina ouviu dizer que o Rogério ofereceu uma coroa a Felisberta, que era do tesouro que ela tanto procurara, foi ter com o Rogério e perguntou-lhe onde tinha encontrado aquele ouro. Ele disse-lhe que foi na montanha  da ilha, ela foi lá, encontrou o tal ouro que tanto desejava. Contudo, começou a sentir a terra a tremer, pois aquela montanha era um vulcão.   Miquelina começou a correr o mais rápido que conseguia com as bolsas cheias de ouro e muitas outras preciosidades.
Para terminar, Rogério, Miquelina e Felisberta começaram a cortar troncos de árvores para construírem uma canoa e fugirem, Miquelina, cheia de ouro, mal se conseguia mexer, então, tirou o ouro que estava com ela, acabou de construir a canoa e depois fugiram. Miquelina que estava há anos naquela ilha pelo ouro, tinha-se esquecido dele, e assim nunca mais ficou rica como tanto desejou, mas salvou o bem mais precioso de todos – a sua própria vida.
Diogo Pombo, 9ºB
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s