Reportagem

 

Turistas a mais em Lisboa?

                O turismo em Portugal, e especialmente em Lisboa, tem vindo a aumentar exponencialmente assim como todos os tipos de negócio ligados, direta ou indiretamente ao turismo.

Segundo o “lobal Destinations Cities Index”, da Mastercard, entre 2009 e 2016 houve um crescimento de 7,4% no número de visitantes internacionais que pernoitam na cidade, colocando assim Lisboa no “top” 5 das cidades europeias com o crescimento mais rápido.

Um outro estudo afirma que a grande maioria dos lisboetas, 90%, está satisfeita ao ver o número de turistas na cidade aumentar de dia para dia. Contudo, ainda existem 10% dos lisboetas inquiridos que se mostram insatisfeitos com o aumento de visitantes internacionais na cidade.

O ponto de vista destes 10% de pessoas inquiridas é completamente compreensível e visível por toda a cidade.

Por exemplo, devido à grande ocupação da capital portuguesa por parte de cosmopolitas e não só, a inflação de preços no setor da habitação subiu bastante nestes últimos anos e consequentemente o número de antigos habitantes da cidade que ficaram sem a sua casa, devido à grande procura de grandes empresas de construção e de hotelaria aumentou. Outro grande problema que estes inquiridos apontam é a “Invasão dos Tuk- Tuks”.

O trânsito na cidade tem ficado cada vez mais caótico, devido aos Tuk-Tuks– veículos de três rodas que, consoante os modelos, podem transportar até seis pessoas em visitas guiadas-que circulam por toda a metrópole, especialmente, nos bairros históricos, provocando incómodos na vida das populações ali residentes e originando várias queixas, como, por exemplo, o ruído e a poluição produzida por estes veículos, por parte dos moradores de várias freguesias da cidade. Em 2015, a freguesia de Santa Maria Maior juntou-se aos subscritores de uma petição que visava o controlo de Tuk-Tuks em Alfama. O presidente da junta reivindicava ainda o controlo da circulação destes veículos noutras zonas da freguesia.  Acabaram por conseguir a proibição da circulação destes veículos em algumas ruas da zona do Castelo. Foram ainda aplicadas regras a este meio de transporte, como, por exemplo, a proibição de transporte de bagagens.

Devido a este crescente interesse, por parte de estrangeiros no nosso país, o investimento em Portugal tornou-se mais atrativo. Segundo o relatório do Fórum Económico Mundial, Portugal encontra-se na 14º posição mundial, num ranking sobre os mercados mais atrativos para negócios no setor das viagens e turismo. Existem até países, como é exemplo a Turquia, que anunciaram investimentos no mercado nacional, neste caso um conjunto de investimentos no valor de 300 milhões de euros, em turismo, habitação, entrada no capital de um estaleiro naval do Norte e no terminal do Barreiro.

Contudo, a maioria dos nossos compatriotas lisboetas está bastante contente com a acessão de turistas que visitam a cidade.

Lisboa, assim como muitas outras cidades, aplica uma taxa turística de 1 euro por noite até ao valor máximo de 7 euros (7 noites seguidas por dormida e por hóspede). Esta medida entrou em vigor no dia 1 de janeiro de 2016.

Segundo um relatório do Instituto Nacional de Estatística a atividade de alojamento turístico em Portugal (hotelaria, turismo no espaço rural e alojamento local) registou 21,3 milhões de hóspedes e 59,4 milhões de dormidas, portanto pode concluir-se que os proveitos totais e os de aposento do setor de alojamento turístico ascenderam, respetivamente, a 3,1 mil milhões de euros e 2,3 mil milhões de euros. Sendo o turismo, atualmente, um grande setor que contribui bastante para a economia do país, estes grandes números pressupõem um crescimento na economia nacional que irá criar novos projetos, estudos, equipamentos ou infraestruturas que produzam impacto direto ou indireto na promoção e qualidade do turismo na cidade de Lisboa numa perspetiva de crescimento sustentável a longo prazo.

O turismo contribui também para a diminuição da taxa de desemprego, o que apenas traz benefícios para o nosso país. Por exemplo, se caminharmos pela Rua Augusta, é quase incontável o número de pequenas lojas de comércio local e de performances de rua, que penso contribuírem tanto para a imagem da cidade de Lisboa como para o aumento do rendimento de inúmeras famílias e indivíduos.

De acordo com um estudo realizado pela “Intercampus” revela que 91% dos residentes e para 80% dos que trabalham em Lisboa a cidade “tem hoje mais vida”. Há ainda 73% da população lisboeta que concorda com a afirmação “o turismo tem-me ajudado a sentir mais orgulhoso em relação a Lisboa“.

 

 

 Mónica Silva, 10ºA

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s