A criança que fui

A criança que fui
Adormeceu
Entre as paredes da minha alma
É chama
Que se apagou
E não mais vislumbrei
Primavera que morreu
Nos sonhos que em mim lavrei
É pássaro ferido
No seu ninho aconchegado
Um poema esquecido
Pelas memórias há muito rasgado.

A criança que fui
Adormeceu
Não mais a consegui acordar
Mas ainda a procuro no peito
Em silêncio
Enquanto continuo a caminhar…

Clara Almeida

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: