La Saint-Valentin à l’école de Mação – l’amour et l’amitié partout!

Pour les élèves de l’École Secondaire de Mação, le 14 février c’est l’occasion de célébrer l’amour, l’amitié, le bonheur et la tolérance. Tout au long de la journée, élèves et professeurs de Français et d’Espagnol ont fêté la Saint Valentin, la fête des amoureux!

En classe, des mots à apprendre par cœur, lectures, activités ou travaux manuels ont été organisés autour de ce thème: décoration d’une boîte à lettres; réalisation de jeux avec des cœurs; élaboration de poèmes, de petits messages, de lettres d’amour ou d’affection pleines de compliments, de reconnaissance et de confidences, à destination de son amoureux(euse), de ses amis, de ses copains de classe…

Pour en faire de jolies cartes, les élèves ont aussi profité de cette occasion pour, pendant les cours de Français et d’Espagnol, compléter un petit exercice concernant les qualités et les défauts que l’ami(e) /amoureux(euse) idéal(e) doit ou ne doit pas avoir.

Toutes les cartes ont été postées dans un exposant plein d’affection, décoré aux couleurs de la Saint Valentin, et toutes les lettres d’amour ou d’amitié, avant d’être distribuées par les “messagers du coeur” , ont été placées dans la boîte de l’amour qui était pleine de doux mots!

Ce fut une journée pleine de romantisme, de joie et de bons sentiments.

L’année prochaine il y en a plus!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Les professeurs: Ana Gameiro et Clara Neves

Sem pontapés na gramática…

Pousar ou posar?! Hoje, vais ficar a saber mais sobre esta particularidade linguística.

Pousar e posar são casos de paronímia, isto é, são palavras semelhantes, quer na grafia, quer no som, mas possuem origem e significado diferentes.

Utilizá-las corretamente faz parte do nosso dever enquanto falantes da nobre “língua de Camões”, também conhecida como “a última flor do Lácio”, expressão usada no soneto Língua Portuguesa, do escritor brasileiro Olavo Bilac.

Mas partamos para a análise linguística de ambos os vocábulos.

O sentido que se atribui a pousar faz referência a algo que se encontra no ar e que está prestes a tocar a superfície. Por essa razão, pousamos os talheres sobre a mesa, pousamos um embrulho no chão, presenciamos uma aeronave a pousar ou a aterrar na pista…

Por sua vez, posar, cuja origem estreita laços com a língua francesa, faz referência ao ato de permanecer imóvel numa determinada posição.

Assim sendo, deverás ter sempre em mente que pousar significa “chegar à superfície” ao passo que posar significa “fazer pose”.

Nota bem:

O avião pousa na pista.

 O gato posa para a fotografia.

Para bem falares e bem escreveres, não percas o próximo artigo deste Sem Pontapés na Gramática.

Até para a semana e… cuidado com a língua!

As professoras,

Ana Gameiro e Clara Neves

Poesia

As palavras

São azuis como o céu e as águas brilhantes dos rios, dos lagos e do mar

Voam como as aves que rasgam o céu indo para Sul

Planam como os papagaios de papel dourado

Sopram como o vento nas tempestades

Flutuam como os dentes de leão

Aquecem todos os que as ouvem como o Sol e a fogueira

Com elas escrevo saúde, amor, família, planeta e sonhos.

A minha história num poema…

 

Texto poético coletivo, 7ºA

 

Receitas do 12ºB

Croissant

 

ingrédients

300g de farine sans levure;

140 ml d’eau;

140 ml de lait demi-écrémé;

55 g de sucre en poudre;

40g de beurre non salé;

11 g de levure de boulanger;

12 g de sel;

280 g de beurre non salé;

1 jaune d’oeuf M.

 

Les procédures

MASSE:

  • 1 : sur un large et lisse banc, mettre la farine en tas puis faire une tombe au milieu. Ajouter le lait lentement.
  • 2 : Ajouter le beurre et la levure et le crumble, ajouter tous les ingrédients progressivement.
  • 3 : Engager des mouvements concentriques.
  • 4 : Commencer à travailler la pâte à deux mains jusqu’à ce qu’elle soit homogène.
  • 5: Former une boule et placer-la dans un bol large et profond. Couvrir avec du film alimentaire. Laisser le bol à la température ambiante et laisser-le lever pendant 15 à 30 minutes.
  • 6: Couper le beurre en tranches et les placer alignées entre deux feuilles de papier sulfurisé.
  • 7: Rouler la pâte jusqu’à former un rectangle de 1 mm de hauteur.
  • 8: Réserver le beurre entre des feuilles de papier sulfurisé (dans un endroit frais).
  • 9: Étendre sur un comptoir fariné.
  • 10. Mettre le beurre sur la pâte et retirer la feuille de papier sulfurisé.
  • 11. Plier la pâte en quatre parties.
  • 12. Étendre et plier la pâte 5 à 6 fois pour créer de fines couches dans la pâte. Sacher que la pâte ne doit pas rétrécir et que le beurre ne doit pas fondre. Si cela se produit, remettre la pâte au réfrigérateur (maximum 30 minutes).
  • 13. Jeter les côtés de la pâte et observer les fines couches – le succès de la pâte réside dans la fusion parfaite de la pâte avec le beurre.
  • 14. Étaler la pâte parfaite en forme de rectangle. Faire une coupe longitudinale.
  • 15. Couper les triangles le long de la masse comme dans l’image.
  • 16. Rouler le croissant:
  • (1.) Étendre légèrement la pointe du triangle.
  • (2. )Couper la base du triangle
  • (3. )Rouler jusqu’à former un croissant
  • (4.) Tourner légèrement les pointes des croissants vers l’intérieur.
  • 17. Placer les croissants sur une plaque à pâtisserie recouverte de papier sulfurisé et laisser reposer 30 à 40 minutes. Badigeonner de jaune d’oeuf et cuire à 180 ° C pendant 20 minutes ou jusqu’à coloration dorée.
  • 18. Les croissants sont prêts à manger. Accompagner de confitures ou de pâte à tartiner.

 

 

Trabalho realizado por:

Daniel e Diana, Disciplina de Comunicar em Francês

Aprender Ciência Experimentando

No dia 12 de fevereiro de 2020, nós, alunos da turma MAC6 do 4º ano, da Escola Básica de Mação, experimentámos Ciência no laboratório do Agrupamento. E que empolgante foi sermos cientistas por uma tarde!

Com a professora Helena Aparício pudemos aprofundar as matérias que já estudámos. Experimentámos a dilatação de gases usando água quente, uma garrafa de plástico e um balão. Verificámos que quando a garrafa é aquecida, o vapor de água faz encher um pouco o balão, porque a garrafa era pequena.

Para a dilatação dos sólidos, usámos uma lamparina, fósforos, uma pinça de madeira, um cadeado e uma chave. Quando aquecemos a chave presa na pinça, verificámos que já não entrava no cadeado porque tinha dilatado por ação do calor.

Quando passámos aos líquidos, usámos duas tinas de vidro: uma com água fria e outra com água quente. Adicionámos 4 gotas de corante em cada tina e observámos que o corante se espalhava mais depressa na água quente.

Gostámos muito de fazer estas experiências e esperamos repetir.

Turma MAC6 do 4º ano da E.B de Mação

Professor José Manuel Sequeira

Visita à Controlauto – Viver o passado no presente

Dado que recordar é viver, durante o dia de hoje, nós, alunos da turma MAC6 do 4.º ano da Escola Básica de Mação, fizemos apelo à memória, observando fotos e relembrando experiências marcantes que nos levaram de volta ao passado!

E foi no meio de risos contagiantes e olhares resplandecentes que revivemos um momento especial: a ida, a 21 de novembro de 2019, ao Centro de Inspeções de Mação, onde, a transbordar de entusiasmo, de ouvidos e olhos bem abertos, aprendemos como é feita uma inspeção automóvel!

Ali, foram-nos explicadas as fases das inspeções. Vestimos um colete cor de laranja para estarmos bem visíveis e começámos por ver o compartimento do motor. Foi ligado o conta-rotações, foi medida a temperatura do motor e efetuado o teste de gases no opacímetro. Também observámos os testes feitos aos cintos de segurança, às portas, fechos, vidros e escovas limpa-vidros. Observámos o teste às luzes com a ajuda do regloscópio para ver a intensidade dos máximos, médios e mínimos, assim como a verificação dos piscas. Depois, passámos por um quadrado que verificou o estado da direção – o ripómetro.

De seguida, passámos para a observação do teste da suspensão, onde são verificados os amortecedores roda a roda. A seguir, já em cima da fossa, foi efetuado o teste dos travões no frenómetro, primeiro à frente, depois atrás. Fomos para dentro da fossa, para debaixo do carro, e observámos o veículo por baixo: vimos o tubo de escape, as panelas, o depósito de combustível, o pneu suplente, as proteções e os braços da suspensão. Foi-nos explicado que depois de verificado o estado do veículo é emitida uma ficha de cor verde, se estiver tudo bem, ou uma ficha de cor vermelha, se o automóvel não estiver totalmente em condições.

Foi uma tarde muito agradável, durante a qual pudemos aprender coisas novas e diferentes e ainda recebemos uns brindes.

Turma MAC6 do 4.º ano (E.B. de Mação)

Professor: José Manuel Sequeira

Exposição “Perspetiva Cónica do Quadrado”

 

Esteve patente entre os dias 27 e 31 de janeiro a exposição com o tema “Perspetiva Cónica do Quadrado” com trabalhos do 9º ano, da turma B, estes realizados na disciplina de educação visual.

Os alunos utilizaram para a sua concretização várias técnicas, tendo esta unidade de trabalho como objetivo a perceção do objeto em 3D a partir de um ponto de vista do observador.

Professora Camila Fernandes

Notícias da L.E.C.A.

In Contos de Encantar

 

Pulgas e Pulguinhas

            Era apenas um dia numa tarde de novembro em Ferreira do Zêzere, quando a Joana decidiu adotar um cão, pois morava sozinha e queria companhia .

Mas como ela não era muito decidida, ligou à mãe para perguntar se podia ir com ela:

-Vá lá, mãe, é só desta vez, eu juro!

-Está bem, filha, mas já devias tomar as tuas próprias decisões.

Quando a mãe chegou a casa dela, começaram por escolher onde iriam.

-Serra da Estrela.

-Não, muito longe – prosseguiu a mãe.

-Abrantes, pode ser?

-Hum… acho que sim.

-Ainda bem.

Chegaram a Abrantes, elas escolheram o cão e foram embora.

-Au, au  – ladrava o cão alegremente.

-Fizemos bem em adotar este pastor alemão – comentavam as duas.

Todavia, entrou em casa, já sozinha, e esqueceu-se de lhe dar banho e ele estava cheio de pulgas e pulguinhas.

Jantaram e tinha chegado a hora de ir dormir. Como era o primeiro dia com o cão, dormiu com ele na sua cama.

Escaparam-se horas e horas, o despertador tocou, levantou-se e tomou o pequeno-almoço, sentou-se no sofá e esperou o cão acordar.

-Hahaha – ria ela enquanto assistia à televisão – o que é isto,… estou cheia de comichão …, devia de ter dado banho ao cão!…

Como ela era comichosa , preguiçosa e corajosa , passou a dar , todos os dias , banho ao cão.

 

Inês Jesus Ferreira, 7ºA

Notícias da L.E.C.A.

A CRISE MAIS INESPERADA

Elianor vivia numa tribo no deserto do Saara, na qual era rainha. Infelizmente, passava-se por uma crise de fome (tanto os humanos, como os animais).

Quando, subitamente, lhe apareceu uma alcateia de lobos esfomeados, que perseguiam os elementos da tribo até à morte.

-Minha duquesa, estão a aproximar-se animais famintos, que podem comer tudo e todos. – disse o conselheiro.

-Eu ordeno-vos que migrem para Portugal, lá haverá comida e bebida suficientes para nós.- decretou a minha irmã.

E assim foi, refugiaram-se na serra da Estrela. Mas, antes, pararam numa mercearia perto de lá.

-Onde posso encontrar alimento? – perguntou ela.

-Segue em frente, no corredor à direita. – respondeu a senhora da mercearia desconfiada.

Continuaram a migração, até que avistaram uma montanha.

-Deve ser aqui! – exclamou um membro da tribo.

-Avancemos.

(Que história bizarra!)

Subiram ao cimo da serra, onde encontraram o Pai Natal e o

Génio da Lâmpada.

-O que são vocês? – perguntou o grupo.

-Ainda não nos conhecem? –murmuraram os dois.

-Aaahh! É o gordinho que rouba leite e bolachas às crianças e o outro é uma manta azul que flutua e que vem de uma lâmpada velha e enferrujada. – prosseguiu o massagista da rainha.

-Shiuu! Calem-se plebe! Quero ouvir o que eles têm a dizer.

-Para provarmos que vocês são mentirosos, iremos, daqui a uma semana, conceder quantos desejos vocês quiserem!

E passou-se uma semana, e lá estavam eles à espera do Pai Natal e do Génio da Lâmpada.

-Vossa excelência – disse o conselheiro – eu acho que eles nos enganaram.

-Não, jamais! Esperem mais um pouco.

Passaram horas e sem sinal deles!

Será que eles foram mentirosos?

 

 

Inês Jesus Ferreira e Diana Oliveira, 7ºA

 

Adeus, férias natalícias!

Mais umas férias chegaram ao fim. Podiam ter continuado? Para muitos alunos da turma a resposta é afirmativa, mas também há alguns que estão contentes por estar de volta às aulas.
Passou-se o Natal e o ano de 2019 chegou ao fim… E quanto a presentes?! Será que todos ficaram satisfeitos com as prendas que receberam? A maioria dos alunos acha que, apesar da azáfama, o Pai Natal foi bastante generoso, pois, como sabem, teve a ajuda preciosa das suas renas especiais, as únicas que conseguem voar para que ele possa entregar os presentes no dia certo e sem atrasos a todas as crianças do mundo. Mas… as coitadas das renas, com tanta correria e tanto trabalho, para além de cansadas, apanharam uma valente constipação, pois o tempo esteve bastante desagradável. Até houve uma tempestade!
Devido às baixas temperaturas que se fizeram sentir, o pobre Rodolfo, a única rena de nariz vermelho e luminoso, que guia o trenó através do nevoeiro, ficou com o nariz, imaginem, arroxeado! Coitado do Rodolfo! A rena Corredora, por sua vez, espirrava tanto que assustava as companheiras e a Empinadora, essa, tossia a toda a hora! A Raposa, o Cupido, o Trovão e o Cometa ficaram com o nariz entupido e os olhos lacrimejantes! Quanto ao Relâmpago e à Dançarina, mal conseguiam voar devido às dores musculares! Pobres renas!
Após terminarem esta sua tarefa, a distribuição de presentes, o Pai Natal e as suas nove renas voltaram para a Lapónia. No entanto, por cá, o frio continua e não faz intenções de se ir embora tão depressa! Logo, agasalhem-se, porque as gripes e constipações andam por aí à espreita! Talvez por isso grande parte de nós gostasse de continuar ao quentinho da lareira a aquecer os pés e a ler um bom livro. Sim, porque a leitura de um bom livro é muito importante: aumenta a cultura e a criatividade. Ah, e é tão bom voar nas asas da imaginação, não acham?!
Bom, voltemos ao principal assunto deste texto: o regresso à escola. A verdade é que o tempo de descanso acabou e a labuta do dia-a-dia regressou! Voltaram as aulas, os trabalhos escolares, as avaliações, o estudo diário e… o acordar de manhãzinha ao som do despertador! Mas voltaram também os colegas, as conversas agradáveis, os risos, as brincadeiras, os jogos, enfim, tantas outras coisas boas! Mais uma vez, estamos prontos para aprender, viver, crescer saudavelmente e esperar que o Pai Natal regresse, mas, desta vez, sem as renas adoentadas!
Para já, esperamos que o Novo Ano nos traga saúde, amor, carinho, amizade, sucesso e felicidade.

Com esperança no coração, desejamos a todos um Feliz 2020!

Os alunos do 6.ºA
(Prof.ª Ana Gameiro)