Estudante Ok

Numa aula de Organização Geral e Método foi lido o texto intitulado “Estudante OK” na turma do 6.º B.

Aqui fica um poema escrito pelas alunas Ana Rita Claro, Beatriz Barreta e Izilda Maseko alusivo ao tema.

                                    Estudante OK

Acordar de manhã

Vestir e calçar

Lavar os dentes…

E toca a andar!

Chego à escola,

E encontro os amigos,

É uma alegria

Estamos todos divertidos!

Começamos a escrever

Na Língua Portuguesa,

E logo em seguida,

O país e a sua beleza.

Já treinámos a História,

A seguir a Matemática,

Mas não se vão embora,

Ainda falta a parte prática!

Acabámos a corrida,

E a barriga já se queixa,

Vamos para o refeitório,

Comer uma ameixa.

Já de barrida cheia,

A tarde a aproximar,

Agora a Cidadania

Para o dia acabar!

Chego a casa

Cansada de trabalhar. 

Vou dormir uma sesta

Para no dia seguinte continuar!

Ana Rita Claro N.º 1, Beatriz Barreta N.º 3 e Izilda Maseko N.º 9  do 6. ºB

De uma Sala de Aula para um Agrupamento

Tudo se iniciou com uma proposta da Professora Luísa Morgado, no âmbito da disciplina de Direito, proposta esta, que passou pelo debate com todos os membros da turma de Línguas e Humanidades do 12.º Ano, relativamente à temática da Tauromaquia.

E porquê o alargamento ao resto dos alunos constituintes do Secundário? Os pontos de vista divergiram bastante entre nós e isso suscitou a nossa curiosidade de conhecer os pontos de vista de outros jovens. 

É aqui, que reunidos e articulando todas as opiniões expressas com as benesses tecnológicas criámos um questionário online de respostas fechadas, onde os restantes alunos, de forma anónima, após uma breve intervenção em cada turma, responderam consoante aquilo que pensavam.

Assim, e numa fase posterior, os resultados assumem-se mergulhados numa panóplia de posições que a seguir são apresentadas.Cada aluno podia canalizar a sua ótica para três opções: ser a favor, contra ou adotar uma posição neutra. 

Após a saída dos resultados, a posição contra foi aquela na qual a percentagem se registou mais elevada: 70,8%, equivalente a 75 pessoas. No seguimento, a posição a favor registou a segunda mais elevada, com uma percentagem de 15,1%, correspondente a 16 votos. Por último, a posição neutra foi a que registou uma menor percentagem: 14,2%, isto é, espelhada por 15 pessoas.

Desta forma, os votos regeram-se por 4 argumentos que fomentavam a posição a favor – “Consideras que as touradas são cultura?” com 19 votos (73,1%); “Acreditas que os touros não sofrem?” com 5 votos (19,2%); “ Os touros estão fisiologicamente preparados?” com 2 votos (7,7%) e, por fim “Acreditas que as touradas são um meio de tradição?” com 7 votos (26,9%).

As posições contra guiaram-se, igualmente, por 4 argumentos – “Consideras que os touros sofrem durante o “espetáculo?” com 53 votos (67,9%); “Zelas pelos direitos dos animais?” com 44 votos (56,4%); “É desrespeito para com os touros?” com 33 votos (42,3%) e “Não achas legítimo o sofrimento de um animal?” com 68 votos (87,2%). Como última opção, os alunos poderiam assumir uma posição neutra, com 2 argumentos possíveis – “Tens desinteresse pelo assunto?” com 8 votos (47,1%) e “Nunca pensaste no assunto?” com 9 votos (52,9%).

Por último e, em fase de término, com o alargamento à comunidade escolar, de forma mais concisa às restantes turmas do Ensino Secundário, verifica-se que o forte está na posição contra, tal como se registara em aula. No entanto, apesar do resultado ter sido semelhante ao do debate em sala de aula, foi importante e benéfico para nós, na medida em que, foi mais uma forma de nos envolvermos na disciplina e avaliarmos o ponto de vista da maioria dos jovens maçaenses relativamente à temática tão sensível que é a Tauromaquia. 

Os alunos de Direito do 12.º Ano

X Campeonato SuperTmatik de História de Portugal -2019

Os alunos do 5.º, 6.º, 7.º, 8.º e 9.º Anos participaram no X Campeonato SuperTmatik de História de Portugal respeitante ao ano letivo 2019/2020.

Este campeonato tem como principais objetivos fomentar o gosto pela aprendizagem da História de Portugal; contribuir para a aquisição, consolidação e ampliação de conhecimentos sobre a História; reforçar a componente lúdica na aprendizagem da História de Portugal e ainda promover o convívio entre alunos, professores e restante comunidade escolar.

A final nacional online decorreu de 23 a 30 de outubro e os alunos tiveram três tentativas para realizar o melhor tempo no SuperTmatik.

Apenas o melhor resultado de cada aluno foi contabilizado para efeitos de posicionamento no Ranking Nacional do SuperTmatik 2019.

Dos quinze alunos que participaram neste campeonato doze ficaram no Top 10 e irão receber diversos prémios que a organização do mesmo enviará para a Escola pela sua excelente prestação!

Participei no SuperTmatik de História

Foi preciso treinar para saber jogar

Para mim o terceiro lugar foi uma glória!

Mas vou continuar a estudar para melhorar!

Se eu, no próximo ano, participar

Também vou querer dar o meu melhor!

Mas primeiro tenho de ter boas notas este ano.

Mãos à obra, porque é preciso saber muito e ao pormenor!

Beatriz Barreta N.º 3 do 6.ºB (terceiro lugar no Campeonato correspondente ao 5.ºAno)

 

Foi com grande prazer que participei no SuperTmatik!

História e Geografia de Portugal é uma disciplina de que gosto bastante, mas nem todos os alunos são da minha opinião, porque é preciso estudar um pouco.

Eu pratiquei bastante o SuperTmatik, principalmente na aplicação para os telemóveis.

Diverti-me muito e fiquei em segundo lugar com o mesmo tempo do primeiro, mas devo ter tido uma penalização por errar alguma pergunta! Mesmo assim foi um bom resultado!

Rita Carreira N.º 18 do 6.ºB (segundo lugar no Campeonato correspondente ao 5.ºAno)

 

CONTAR COM NÚMEROS, ARTE E IMAGINAÇÃO

Nas aulas de LECA, os alunos do 9.ºB, com muita arte e imaginação, letras e números juntaram em belos poemas que aqui estão:    

Um menino estava triste,
dois rapazes o ouviram chorar.
Três vezes o olharam e
à quarta o foram consolar.
Cinco piadas lhe contaram
Seis vezes ele sorriu!
No final o menino que às sete horas estava a chorar,
passou oito minutos a sorrir!
Antes nove vezes chorava,
agora mais de dez sorri!                                                                     

Diana Rodriguês, N.º 4 – 9.º B  
Um miúdo vai para a festa
e leva dois amigos.
Ao todo são três
num carro de quatro lugares
ansiosos por chegar à rua seis!  
Mas nem com a força de sete cavalos
com oito anos de idade conseguem chegar cedo à festa na rua nove
que às dez horas começava!                                         

João Rafael Reis Santos, N.º 10 – 9.º B  
Uma cachopa encontrou
dois cachopos.
Foram os três vadiar e
beberam quatro copos.
Às cinco foram jogar, mas
não gostaram dos seis jogos.
Por isso, sete vezes pensaram,
mas oito vezes discordaram!
Afinal o que fazer em nove horas?
Nada mais que as dez horas que desperdiçaram.                                             

 Maria Isabel Salvado Claro, N.º 12 – 9.º B  
1 cão a ladrar 
2 lobos a uivar 
3 gatos a miar
4 ratos a chiar
5 mulheres a ralhar
6 baldes de água foram buscar
para 7 animais espantar 
com 8 barulhos de assustar!
9 flores no meu jardim… Ai, meu Deus! Os meus 
10 jasmins?                                      

Maria Garrinhas, N.º 13 – 9.º B  
Um homem foi viajar
o voo dois foi apanhar
três minutos antes do mesmo descolar!
No lugar número quatro ele se sentou
e em cinco minutos ele se apagou!
Após seis horas a ressonar
a hospedeira número sete o acordou
dizendo oito vezes que à América ele chegou!
No hotel, o quarto nove ele alugou,
porque a suite dez não podia ele pagar!                                                                               

Simão Gaspar, N.º 21 – 9.º B  
Um rapaz
duas raparigas…
Os três foram passear para a
quarta cidade que tanto gostaram de visitar!
Às cinco horas, pararam para lanchar
as seis sandes que trouxeram.
Sete quilómetros faltavam para a casa voltar,
mas como eram demorados
só às oito conseguiram chegar!                                                                             André

Martins, N.º 2 – 9.º B  
Mais do que 1 inglês 
provavelmente 2 ou 3
encontraram 4 catalães 
a falar com 5 alemães
sobre a morte de 6 mongóis
encontrados por 7 espanhóis
mortos por 8 holandeses
namorados por 9 camaronesas
muito piores que as 10 portuguesas!
Dos 9, 1 fora traído! 
Dos 8, 2 tinham pertences!
Dos 7, 3 eram mentirosos!
Dos 6, 4 tinham olhos em bico!
E dos 5, 5 cinco eram ociosos!                                                                                     

Martim Marques, N.º 14 – 9.º B  
Um rapaz foi ao cinema com dois amigos
para da escola desanuviar.
Ao todo, três baldes de pipocas decidiram comprar
com os quais quatro bebidas vieram.
O filme demorou cinco horas
pois houve seis intervalos
cada um de sete minutos.
Às oito horas já todos estavam em casa,
pois se viessem depois das nove
nas dez noites seguintes
à rua não poderiam voltar!                                                                                    

Miguel Gaspar, N.º 15 – 9.º B  
1 dia fui andar de bicicleta.
Passei por 2 igrejas nas 3 terras que visitei.
Na rua, por muita gente passei.
Encontrei 4 senhoras que garrafões de água estavam a acartar
e 5 homens, um terreno a limpar.
A certo momento, um homem vira-se e diz:
– Já limpámos 6 terrenos, tenho as costas a doer!
– Prepara-te que ainda 7 estão por varrer – respondeu o colega.
Mais adiante, a Filarmónica ouvi tocar!
Mas apenas 8 músicos tocavam, estando os outros a comer.
Por mais 9 km eu viajei,
Mas aos 10 eu não cheguei!                                                                                           

Rodrigo Loureiro, N.º 19 – 9.º B  
Um cão ladrou para um gato
dois gatos fugiram com medo
três pássaros voaram para longe,
e quatro cabos do poste tremeram.
Depois às cinco da manhã
seis galos, alegres cantaram 
e às sete todos se levantaram
para às oito rezar.
Finalmente, nove pães do forno saíram
para dez freiras alimentar.                                                     

Diogo Oliveira, N.º 5 – 9.º B
Um gato viu
duas meninas a brincar com
três carrinhos cada um com
quatro rodas e
cinco portas.
Seis dias depois
sete cães oito biscoitos encontraram
que tragaram com nove dentadas
e dez quilos engordaram.                                                                       

 Eva Matos, N.º 6 – 9.º B
Certo dia um sábio disse:
Mais vale 1 pássaro na mão do que 2 na frigideira!
Mas nem queria ele imaginar
que estavam 3 × 10 esfomeados a escutar.
Com 4 pães na bagageira 
e 5 sardinhas acabadas de comprar 
começou a matutar:
– O que vou eu fazer com isto?
Após 6 minutos de dúvida,
sem nada imaginar, 
Acabou por se lembrar 
que havia forma de os multiplicar.
7 vezes ele festejou
e 8 × 3 + 6 famintos ossudos ele saciou!
Até parecia Natal!
Só não foram mais sortudos 
que a mais recente acionista da Media Capital.
Que com 9 berros por dia, durante 10 anos 
Se tornou a mulher mais influente de Portugal.                                                                                     
Gustavo Santos, N.º 8 – 9,º B

Desafio: Baú do Tesouro

Foi lançado o desafio que consistiu em escrever um texto narrativo onde estivessem incluídas pelo menos três palavras relativas a objetos que foram retirados de um baú apresentado pela professora em aula.

Os alunos deveriam dar asas à sua imaginação…

Um tesouro que mudou uma vida

Era uma vez um casal que vivia muito feliz. Eles tinham bastante tempo de relação e gostavam imenso um do outro.

A rapariga olhou para as conchas que tinha no seu quarto e disse ao namorado que teriam que ir viajar. O namorado a partir dessas palavras, pensou no assunto, começou a revelar muito interesse. Depois de algum tempo resolveu aceitar mesmo a viagem e lá foram eles para uma ilha distante de tudo onde eles só seriam felizes um com o outro, nada os perturbaria.

 O namorado, para comemoração, comprou um colar e partiram para a sua viagem. Quando chegaram à ilha, o rapaz deu o colar à namorada. Ela percebeu que não era um colar qualquer por ter um ás de copas. Investigou e percebeu que na parte de trás existia um mapa. Ela foi perguntar ao namorado sobre tudo aquilo e ele ficou muito impressionado, pois o coração que estava no colar transformou-se num ás de copas.

Decidiram ir dar um mergulho na praia próxima do seu resort, mas quando a rapariga tirou o seu anel percebeu que também ele se tinha  transformado num ás de copas.

Tudo naquela viagem estava a tornar-se bastante estranho. O namorado desconfiado pediu aos donos do resort um baralho de cartas para ele investigar. Quando ele abriu o baralho, percebeu que era formado apenas por ás de copas, exceto os jokers. O rapaz pegou nos dois jokers, adicionou o colar e percebeu que juntos formavam um mapa que tinha um X no centro.

 Nesse momento o rapaz foi falar com a namorada para irem resolver aquele enigma. Meteram-se a caminho seguindo as direções indicadas no mapa. Foram dar a uma zona na costa onde estava o tal X . Repararam que era um tesouro com um pergaminho no topo, mas o que eles quiseram saber era obviamente do tesouro. Abriram-no e perceberam que aquilo valeria uma vida de trabalho para eles, mas, magicamente, o tesouro só continha ás de copas. Entretanto, leram o pergaminho e ficaram a saber, se queriam aquela fortuna, não podiam abandonar aquela ilha.

Assim o fizeram e foram felizes para sempre.

Lucas Pita, 8ºB

Concurso Nacional de Leitura

Fase Escolar do Concurso Nacional de Leitura

Com o apoio da direção do agrupamento, está a decorrer até à primeira semana de dezembro de 2020 a Fase Escolar da 14.ª Edição do Concurso Nacional de Leitura. A inscrição/ seleção é organizada pela equipa da biblioteca escolar com o apoio das professoras de Português e do professor(a) titular do 1º ciclo.

O objetivo central do Concurso Nacional de Leitura é estimular o gosto e os hábitos de leitura e melhorar a compreensão leitora. A iniciativa tem como destinatários alunos dos 1.º,2.º, 3.º ciclos do ensino básico e alunos do ensino secundário. Segue em anexo o regulamento. Este concurso está inserido no Projeto Educativo (anexo 3), Plano de Ação Estratégica;3.3 medida 3; alínea 4: Desenvolver a capacidade de Falar em Público e alínea 6 “ O Livro que eu Li”. 

A equipa da biblioteca escolar

António Bento

Quando uma simples folha de papel ganha a essência de quem a manuseou…

Mação, 30 de outubro de 2020

Olá, prima!

Aqui estão as últimas novidades que te prometi. O meu regresso às aulas foi fantástico! Fiquei feliz por rever os meus amigos, colegas e conhecer pessoas novas, na minha nova escola. E agora passei a ter, também, tantos professores que nunca tinha visto!

Mas sabes, gosto muito dos novos professores e professoras que me couberam, embora, com a mudança de ciclo e as novas responsabilidades, tenha passado a ter inúmeras disciplinas e imensos livros para carregar!

Ter vindo para esta escola grande foi muito divertido, mas também foi estranho ver todos os colegas, professores e auxiliares com máscara e a desinfetarem frequentemente as mãos com álcool gel! É esquisito não podermos ver o rosto uns dos outros…Mas há quem diga que os olhos são o espelho da alma, não é?

Bom, quero dizer-te que, apesar de toda esta situação invulgar que vivemos, o mais importante deste regresso à escola foi rever os meus amigos e amigas e, sobretudo, voltar a brincar com eles, mesmo mantendo o distanciamento a que somos obrigados.

Por hoje é tudo! Em breve, voltarei a escrever-te.

Beijinhos desta tua prima que te adora,

Mafalda

P.S. Aguardo uma carta tua. Vê se a envias depressa!

(Mafalda Silva, 5ºA)

Escrever cartas à mão: uma agradável terapia!

Mouriscas, 29 de outubro de 2020

Querida amiga Matilde,

Nem imaginas a felicidade que senti quando começaram as aulas! Isto de ter de ficar muito tempo em casa só com os meus irmãos, acabou por ser aborrecido.

Com o começo das aulas e a vinda para uma nova escola, não só conservei os velhos amigos, como fiz amigos novos! Também conheci novos professores! Já sei onde ficam as salas, o pavilhão gimnodesportivo, o bar, a cantina, a papelaria, etc.

Gosto muito da nova escola, mas, por causa da Covid-19, este ano escolar está a ser muito diferente e estranho. Temos de andar sempre de máscara, temos de lavar as mãos frequentemente, higienizá-las com álcool gel, manter a distância dos outros colegas, arejar as salas de aula… São muitas regras novas, mas, felizmente, temos tudo controlado desde que cumpramos as regras de higiene e nós, na nossa turma, cumprimo-las todas!

Mas a minha vida não é só escola. Também é casa e família. E brincadeiras e jogos.

Com a chegada do outono, nas Mouriscas, onde moro, chove cada vez mais, embora isto seja um bom sinal, porque a chuva rega as terras de cultivo e as plantas, sendo, pois, muito importante para a nossa sobrevivência.

Bom, hoje vou ficar por aqui. Tenho que ir arrumar a mochila para amanhã.

Um grande abraço desta tua amiga,

Sofia

P.S. Quando tiver mais novidades, voltarei a escrever-te.

(Sofia Gai, 5ºA)

Escrever cartas à mão

Se há coisa que a atual situação pandémica nos veio relembrar foi a importância que a afetividade e os relacionamentos têm para o nosso bem-estar, tanto físico como psicológico. Criar laços com quem nos rodeia é essencial para nos encher o coração de alegria e nos desenhar um sorriso no rosto! Com o distanciamento a que o confinamento nos obrigou/obriga, nada melhor do que escrever cartas para nos aproximarmos de quem gostamos e de quem sentimos saudades. Uma carta escrita à mão, mais do que ajudar a desenvolver o cérebro, aproxima pessoas, estreita laços, aprofunda sentimentos. Escrever cartas preenche quem as lê, mas também quem as escreve. Uma carta cria memórias felizes, duradouras e profundas… memórias especiais que permanecerão para sempre na nossa mente e nos nossos corações.

O desafio foi lançado e os alunos do 5ºA agarraram-no.

Mação, 27 de outubro de 2020

Querida avó:

Espero que esteja tudo bem contigo.

As minhas aulas já começaram, mas estão a ser muito diferentes.

Como deves saber, agora todos usamos máscara na escola e não podemos estar muito perto das outras pessoas. Há regras de distanciamento e de higiene que temos de cumprir, para nossa segurança e bem de quem nos rodeia.

Apesar de todos estes constrangimentos, foi muito bom poder voltar à escola e rever os meus amigos e amigas.

Como mudei de ciclo, frequento uma escola nova, muito maior que a anterior e com muitos professores e professoras. A primeira semana foi espetacular! Adaptei-me rapidamente a esta nova realidade, sabias? Adoro a minha Diretora de Turma e todos os outros professores.

De ti gosto muito, muito, muito, daqui até ao céu!

Fica bem e até quando Deus quiser.

Beijinhos,

Catarina

(Catarina Silva, 5ºA)